Pro­jec­tos ga­ran­tem o bem-es­tar do po­vo e fim das as­si­me­tri­as

Can­di­da­to pre­si­den­ci­al quer que o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al te­nha co­mo ba­se o pro­gres­so har­mo­ni­o­so do país e apon­tou vá­ri­as ac­ções con­cre­tas

Jornal de Angola - - PARTADA - Adal­ber­to Cei­ta e Ar­man­do Sa­pa­lo | Dundo

O MPLA de­fen­de, no seu pro­gra­ma de go­ver­na­ção, o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so do país, afir­mou on­tem, no Dundo, ca­pi­tal da Lun­da-Norte, o can­di­da­to do MPLA a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca nas elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to.

João Lourenço, que dis­cur­sou pa­ra mi­lha­res de pes­so­as, num ac­to po­lí­ti­co de mas­sas no qua­dro da cam­pa­nha elei­to­ral, afir­mou que o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al de­ve as­sen­tar no com­ba­te às as­si­me­tri­as re­gi­o­nais.

An­go­la, dis­se João Lourenço, be­ne­fi­ci­ou mui­to com a go­ver­na­ção do MPLA, nos úl­ti­mos 15 anos, ten­do cri­ti­ca­do a opo­si­ção que mui­tas ve­zes se “li­mi­ta a dei­tar abai­xo quem go­ver­na”. João Lourenço ad­mi­tiu que não exis­tem go­ver­nos per­fei­tos, e que to­dos co­me­tem er­ros.

“Não há ne­ces­si­da­de de pro­cu­rar ca­ti­var o vo­to na ba­se da fal­si­da­de e men­ti­ra. Uma das coi­sas que di­zem é que o Go­ver­no não fez na­da, mas de 2002 até ho­je o nos­so país não é o mes­mo. Em 15 anos, o Exe­cu­ti­vo do MPLA fez mui­to mais que mui­tos paí­ses que nun­ca co­nhe­ce­ram a des­trui­ção de An­go­la”, dis­se.

O po­lí­ti­co lem­brou que fo­ram cons­truí­dos mi­lha­res de qui­ló­me­tros de es­tra­das e res­pec­ti­vas pon­tes, re­cons­truí­dos os três ca­mi­nhos de fer­ro exis­ten­tes e duas im­por­tan­tes bar­ra­gens hi­dro­e­léc­tri­cas. Pe­ran­te uma mol­du­ra hu­ma­na que en­cheu por com­ple­to o Lar­go Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, o can­di­da­to do MPLA, em no­me da di­rec­ção do par­ti­do, pe­diu des­cul­pas ao po­vo da Lun­da-Norte por ter si­do a úni­ca pro­vín­cia do país que não foi pal­co de um ac­to de mas­sas no qua­dro da pré­cam­pa­nha. João Lourenço re­fe­riu não ser pos­sí­vel enu­me­rar to­das as obras exe­cu­ta­das pe­lo Go­ver­no do MPLA e su­bli­nhou que o qua­dro ac­tu­al do país é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te, pa­ra me­lhor, em com­pa­ra­ção com os fi­nais de 2002. João Lourenço ga­ran­tiu que o tra­ba­lho em prol do po­vo vai con­ti­nu­ar e a re­cen­te inau­gu­ra­ção do Ae­ro­por­to de Ka­ma­ken­zo, com in­fra-es­tru­tu­ras mo­der­nas e uma pis­ta am­pli­a­da e re­no­va­da, é pro­va dis­to.

Ao ae­ro­por­to, sa­li­en­tou, jun­ta-se den­tro de di­as a inau­gu­ra­ção da Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue, com cer­ca de cin­co mil ha­bi­ta­ções. “É ha­bi­ta­ção pa­ra a po­pu­la­ção des­ta ci­da­de, que la­men­ta­vel­men­te ti­nha uma ci­da­de que era mais uma em­pre­sa que um bem pú­bli­co, ho­je co­me­ça a ga­nhar uma ci­da­de na ver­da­dei­ra acep­ção da pa­la­vra”, dis­se, ten­do adi­an­ta­do que a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções vai abran­ger as se­des mu­ni­ci­pais da pro­vín­cia. Mais hos­pi­tais e es­tra­das Além de anun­ci­ar pa­ra bre­ve a inau­gu­ra­ção de duas in­fra­es­tru­tu­ras hos­pi­ta­la­res de ca­riz pro­vin­ci­al, cen­tral de tratamento de água, de re­sí­du­os só­li­dos e a edi­fi­ca­ção de es­tru­tu­ras es­co­la­res, João Lourenço res­sal­tou que den­tro de dois anos as obras em cur­so no Apro­vei­ta­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Lu­a­chi­mo vão au­men­tar a pro­du­ção de oi­to pa­ra 34 me­gawatts de ener­gia.“Tu­do is­to tem si­do fei­to nes­ta con­jun­tu­ra de cri­se e mes­mo as­sim con­ti­nu­a­mos a in­ves­tir em be­ne­fí­cio da po­pu­la­ção”, dis­se.

O can­di­da­to do MPLA a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca dis­se que o Go­ver­no saí­do das elei­ções vai de­sen­vol­ver uma vas­ta re­de de es­tra­das, pa­ra co­lo­car a Lun­da-Norte mais próxima da ca­pi­tal do país e ou­tras ci­da­des do li­to­ral, sem des­cu­rar a sua ma­nu­ten­ção. Pa­ra co­brir a vas­ta di­men­são ter­ri­to­ri­al de An­go­la, João Lourenço propôs a in­ter­li­ga­ção dos três ca­mi­nhos de fer­ro exis­ten­tes no país. Pa­ra o efei­to, dis­se ten­ci­o­nar que se­ja fei­ta a in­ter­li­ga­ção dos Ca­mi­nho de Fer­ro de Ben­gue­la e de Lu­an­da, via Ma­lan­ge, com pas­sa­gens pe­las Lun­das.

“Pa­ra fe­char o ci­clo de­ve­mos in­ter­li­gar o Ca­mi­nho de Fer­ro de Ben­gue­la com o de Mo­câ­me­des, tal­vez a par­tir de Me­non­gue, Hu­am­bo ou Cui­to, con­so­an­te os es­tu­dos téc­ni­cos me­lhor acon­se­lha­rem”, avan­çou.

João Lourenço con­si­de­rou que, fei­tos es­ses in­ves­ti­men­tos, vai ser pos­sí­vel atrair o in­ves­ti­men­to pri­va­do às Lun­das e re­al­çou a im­por­tân­cia do co­mér­cio trans­fron­tei­ri­ço.

O can­di­da­to do MPLA a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca apro­vei­tou pa­ra ex­pli­car o pro­ce­di­men­to cor­rec­to a se­guir pa­ra vo­tar no par­ti­do, agra­de­ceu o ges­to do Rei Mwe­ne Mu­at­xis­sen­gue Wa Tem­bo em re­ce­bê-lo e o apoio do po­vo Lun­da.

“O MPLA con­ta com o vo­to ex­pres­si­vo do Dundo, da Lun­da-Norte, e de ou­tros pontos do país, pa­ra al­can­çar a mai­o­ria ab­so­lu­ta”, con­cluiu o can­di­da­to do MPLA a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Go­ver­no que sair das elei­ções vai de­sen­vol­ver uma vas­ta re­de de es­tra­das, pa­ra co­lo­car a Lun­da-Norte mais próxima da ca­pi­tal do país e ou­tras ci­da­des do li­to­ral, sem des­cu­rar a sua ma­nu­ten­ção

CÂNDIDO MUTOMBO | EDIÇÕES NOVEMBRO | DUNDO João Lourenço foi re­ce­bi­do pe­lo Rei Mu­at­xis­sen­gue e dis­cur­sou pa­ra mi­lha­res de pes­so­as no Lar­go Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.