Go­ver­no cul­pa opor­tu­nis­tas

Ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais re­co­nhe­cem re­sul­ta­dos elei­to­rais e pe­dem res­pei­to pe­la von­ta­de do po­vo

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Go­ver­no que­ni­a­no ne­gou on­tem que ha­ja ma­ni­fes­ta­ções e ví­ti­mas mor­tais em di­fe­ren­tes pontos do país.

O Go­ver­no que­ni­a­no ne­gou on­tem que ha­ja ma­ni­fes­ta­ções e ví­ti­mas mor­tais em di­fe­ren­tes pontos do país e as­se­gu­rou que fo­ram re­gis­ta­dos uni­ca­men­te in­ci­den­tes vi­o­len­tos iso­la­dos pro­vo­ca­dos por cri­mi­no­sos, que re­ce­be­ram uma resposta “apro­pri­a­da” da Po­lí­cia, na sequên­cia do anún­cio dos re­sul­ta­dos das elei­ções de ter­ça-fei­ra.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or em fun­ções, Fred Ma­ti­ang'i, ga­ran­tiu, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa que tu­do não pas­sa de “ru­mo­res e men­ti­ras” e rei­te­rou que o país é “se­gu­ro”.

Fon­tes in­de­pen­den­tes afir­ma­ram que al­guns dos prin­ci­pais bair­ros de Nai­ro­bi e im­por­tan­tes ci­da­des co­mo Ki­su­mu vi­vem desde a noi­te de sex­ta-fei­ra vi­o­len­tos pro­tes­tos con­tra a re­e­lei­ção do Pre­si­den­te Uhu­ru Kenyat­ta, ten­do si­do mor­tas pe­lo me­nos qua­tro pes­so­as a ti­ro.

A es­te res­pei­to, Fred Ma­ti­ang'i dis­se não ter co­nhe­ci­men­to de ví­ti­mas mor­tais ou de agen­tes que te­nham dis­pa­ra­do con­tra os ma­ni­fes­tan­tes, já que, na sua opi­nião, não hou­ve se­quer pro­tes­tos.

Pa­ra o di­ri­gen­te, ocor­re­ram in­ci­den­tes iso­la­dos, co­mo o in­cên­dio de au­to­car­ros e ca­sas ou a des­trui­ção de lo­jas e co­mér­cio, per­pe­tra­dos por “cri­mi­no­sos opor­tu­nis­tas”, mas não há pro­tes­tos or­ga­ni­za­dos.

“A Po­lí­cia não usou for­ça des­pro­por­ci­o­nal. Quem diz is­so es­tá a men­tir e a es­pa­lhar bo­a­tos”, dis­se.

Nas pa­la­vras de Ma­ti­ang'i, as pes­so­as go­zam do di­rei­to de pro­tes­tar, mas não é pos­sí­vel “per­mi­tir que os ci­da­dãos in­frin­jam os di­rei­tos dos ou­tros”.

As fon­tes in­de­pen­den­tes afir­ma­ram que a Po­lí­cia que­ni­a­na dis­per­sou com gás la­cri­mo­gé­neo e ti­ros mi­lha­res de pes­so­as que se con­cen­tra­vam na sex­ta-fei­ra em di­ver­sos pontos do Quénia pa­ra pro­tes­tar con­tra a re­e­lei­ção do Pre­si­den­te Uhu­ru Kennya­ta.Os con­fron­tos co­me­ça­ram no momento em que a Co­mis­são Elei­to­ral ofi­ci­a­li­zou a vi­tó­ria nas ur­nas do Che­fe de Es­ta­do ces­san­te, a quem a opo­si­ção acu­sa de ter ma­ni­pu­la­do os re­sul­ta­dos do es­cru­tí­nio.

Se­gun­do tes­te­mu­nhas ci­ta­das pe­la agên­cia no­ti­ci­o­sa Efe, em dois dos su­búr­bi­os mais po­pu­lo­sos de Nai­ro­bi, a si­tu­a­ção era caó­ti­ca, com lan­ça­men­to de pe­dras, in­cên­di­os de pneus, gás la­cri­mo­gé­neo e dis­pa­ros de ar­mas de fo­go.

Lo­go pe­la ma­nhã de sex­ta-fei­ra, a Po­lí­cia que­ni­a­na des­ta­cou agen­tes pa­ra di­fe­ren­tes zo­nas do país quan­do já pre­via pro­tes­tos lo­go após a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos das elei­ções.

Po­lí­ci­as fo­ram des­ta­ca­dos pa­ra os prin­ci­pais feu­dos de Odin­ga, co­mo o bair­ro de Ki­be­ra, na ca­pi­tal, um dos prin­ci­pais fo­cos da violência pós-elei­to­ral em 2007, com cer­ca de um mi­lhão de ha­bi­tan­tes. O mes­mo acon­te­ceu em Matha­re, ou­tro su­búr­bio de Nai­ro­bi com uma mai­o­ria de apoi­an­tes de Odin­ga e on­de a opo­si­ção dis­se te­rem si­do mor­tas duas pes­so­as na quar­ta-fei­ra de­vi­do a ti­ros da Po­lí­cia du­ran­te uma ma­ni­fes­ta­ção.

Na violência pós-elei­to­ral de 2007, mor­re­ram pe­lo me­nos 1.100 pes­so­as e mais de 600 mil fo­ram obri­ga­das a aban­do­nar as su­as ca­sas. Na sequên­cia, uma me­di­a­ção con­du­zi­da pe­lo an­ti­go se­cre­tá­rio-geral das Na­ções Uni­das Kof­fi An­nan con­du­ziu à uma di­vi­são na cú­pu­la do po­der com a fi­gu­ra de Odin­ga co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro e Mwai Ki­ba­ki co­mo pre­si­den­te.

A Con­fe­rên­cia Epis­co­pal do Quénia pe­diu à co­li­ga­ção opo­si­to­ra Su­per Ali­an­ça Na­ci­o­nal (NASA) que pe­ça “cal­ma e paz” aos seus apoi­an­tes pa­ra pôr fim à violência que ocor­re em di­fe­ren­tes pontos do país.

A Co­mis­são Elei­to­ral anun­ci­ou que Uhu­ru Kenyat­ta foi re­e­lei­to pa­ra um se­gun­do man­da­to, ten­do ob­ti­do 54,27 por cen­to dos votos nas elei­ções re­a­li­za­das na pas­sa­da ter­ça-fei­ra.

O lí­der da opo­si­ção, Rai­la Odin­ga, que não re­co­nhe­ce os re­sul­ta­dos ofi­ci­ais e se au­to­pro­cla­ma ven­ce­dor, al­can­çou 44,74 por cen­to dos su­frá­gi­os, se­gun­do o mes­mo or­ga­nis­mo.

Po­si­ção dos ob­ser­va­do­res

Os ob­ser­va­do­res elei­to­rais na­ci­o­nais do Quénia as­se­gu­ra­ram on­tem que a sua con­ta­gem coin­ci­de com os dados for­ne­ci­dos pe­la Co­mis­são Elei­to­ral, que pro­cla­mou a re­e­lei­ção do Pre­si­den­te ces­san­te, Uhu­ru Kenyat­ta.

Os dados do Gru­po de Ob­ser­va­ção de Elei­ções (ELOG) com­pre­en­dem os re­sul­ta­dos de 1.692 as­sem­blei­as de vo­to de um to­tal de 40.883, anun­ci­ou nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, o ELOG.

“A Po­lí­cia não usou for­ça des­pro­por­ci­o­nal. Quem diz is­so es­tá a men­tir e a es­pa­lhar bo­a­tos. As pes­so­as go­zam do di­rei­to de pro­tes­tar, sem vi­o­lar os di­rei­tos dos ou­tros”

CARL DE SOU­ZA |AFP For­ças da or­dem que­ni­a­nas pro­me­tem resposta apro­pri­a­da pa­ra tra­var o ca­os pós-elei­to­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.