As bo­as-vin­das à Rá­dio Ca­tum­be­la

A mi­nha pa­la­vra vai ho­je, pois, pa­ra os pro­fis­si­o­nais da Rá­dio Ca­tum­be­la, a quem dou as bo­as-vin­das, e pa­ra os nos­sos ra­di­a­lis­tas e pro­fis­si­o­nais de te­le­vi­são, que não de­son­ram quem de­les pre­ci­sa

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­sé Ribeiro

An­go­la tem uma das me­lho­res re­des de ra­di­o­di­fu­são de Áfri­ca, se­não a me­lhor. Is­so é vá­li­do tan­to pa­ra o ní­vel téc­ni­co das emis­sões ra­di­o­fó­ni­cas co­mo pa­ra a qua­li­da­de dos pro­gra­mas e nar­ra­ti­va dos nos­sos ca­te­go­ri­za­dos ra­di­a­lis­tas. A tra­di­ção es­tá a ser res­pei­ta­da, al­go que vem de pro­fis­si­o­nais al­ta­men­te com­pe­ten­tes que sou­be­ram sem­pre ex­plo­rar a cri­a­ti­vi­da­de in­trín­se­ca de que os an­go­la­nos se ga­bam e or­gu­lham.

Com a te­le­vi­são, que em An­go­la nas­ceu ape­nas com a In­de­pen­dên­cia, de­pois de ini­ci­a­ti­vas avul­sas no pe­río­do co­lo­ni­al e gra­ças, tal­vez, ao gran­de pro­gres­so na Rá­dio e nas te­le­co­mu­ni­ca­ções e tec­no­lo­gi­as da in­for­ma­ção, es­tá a ocor­rer o mes­mís­si­mo fe­nó­me­no de me­lho­ria que na rá­dio: um le­que de ca­nais an­go­la­nos de ele­va­do va­lor te­le­vi­si­vo e de con­teú­dos es­tá pre­sen­te na re­de aber­ta e por ca­bo.

A Rá­dio e a Te­le­vi­são são do me­lhor que te­mos em An­go­la e do que há no Mun­do. A co­mu­ni­ca­ção so­ci­al an­go­la­na es­tá em fran­co cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to. O plu­ra­lis­mo e a li­ber­da­de de im­pren­sa, vi­as atra­vés das quais se exer­ce o di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são e opi­nião, são mais do que uma pro­va, são uma re­a­li­da­de em An­go­la. As Uni­ver­si­da­des es­tão a for­mar qua­dros nes­ta área nu­ma di­men­são nun­ca vis­ta e is­so vai ca­ta­li­sar ain­da mais o con­teú­do e a for­ma de co­mu­ni­car en­tre nós no fu­tu­ro. Por fim, res­ta di­zer que o mo­de­lo dos Tem­pos de An­te­na que a CNE, a RNA e a TPA, pu­se­ram ao dis­por dos par­ti­dos po­lí­ti­cos pa­ra fa­ze­rem a sua cam­pa­nha elei­to­ral, es­tá ao ní­vel dos mais al­tos pa­drões in­ter­na­ci­o­nais.

Mas, no meio de tu­do is­so, o que di­zem al­gu­mas for­ças da opo­si­ção, além de não se or­gu­lha­rem da­qui­lo que se faz de bom no país, nem apro­vei­ta­rem os mei­os co­lo­ca­dos pe­lo Es­ta­do nas su­as mãos pa­ra apre­sen­ta­rem as su­as idei­as, pro­pos­tas e pro­jec­tos po­lí­ti­cos pa­ra fa­zer avan­çar o país, de uma ma­nei­ra po­si­ti­va e cons­tru­ti­va, co­mo a mai­o­ria es­pe­ra? O que fa­zem é ata­car de ma­nei­ra des­pu­do­ra­da as duas es­ta­ções que são de to­dos os an­go­la­nos, que se es­for­çam por ga­ran­tir a re­a­li­za­ção de um bom ser­vi­ço pú­bli­co que ser­ve es­sas mes­mas for­ças po­lí­ti­cas, que de­le ti­ram pro­vei­to sem na­da pa­gar, an­tes pe­lo con­trá­rio, be­ne­fi­ci­an­do dos di­nhei­ros que o Es­ta­do lhes for­ne­ce. As ima­gens que mos­tram co­mo al­guns par­ti­dos po­lí­ti­cos usam os Tem­pos de An­te­na nos ca­nais pú­bli­cos pa­ra pas­sa­rem men­sa­gens que de­sa­fi­am a in­te­li­gên­cia do ci­da­dão, ex­pon­do vi­a­tu­ras de lu­xo e ou­tras vai­da­des, coi­sa que na­da tem a ver com cam­pa­nha po­lí­ti­ca, che­gam a ser con­fran­ge­do­ras. A inu­ti­li­da­de de al­guns es­pa­ços dos Tem­pos de An­te­na che­ga a ser com­pa­rá­vel à abs­tru­si­da­de que é o pro­gra­ma de te­le­vi­são o “Tes­te de Fi­de­li­da­de”, apre­sen­ta­do pe­lo Sr. João Klé­ber, no ca­nal an­go­la­no Ban­da TV, já ex­cluí­do da gre­lha de es­ta­ções de paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos que o nos­so, mas que nin­guém critica e se tor­na nor­ma­li­da­de. Fe­liz­men­te, es­ta­mos pe­ran­te ex­cep­ções à re­gra. O as­pec­to do ri­gor e da sen­sa­tez na fun­ção de mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de tem pre­va­le­ci­do na mai­or par­te da re­de das rá­di­os e do au­di­o­vi­su­al an­go­la­no, al­gu­mas das quais as­su­mi­ram mes­mo a tó­ni­ca re­li­gi­o­sa.

Ti­ve on­tem o pra­zer de es­tar pre­sen­te co­mo con­vi­da­do na inau­gu­ra­ção da Rá­dio Ca­tum­be­la, em Ben­gue­la. Tra­ta-se do mais no­vo ór­gão de in­for­ma­ção an­go­la­no, que nas­ce no momento em que vol­tam a re­a­li­zar-se elei­ções, al­tu­ra em que, ge­ral­men­te, mui­to se fa­la do plu­ra­lis­mo e da li­ber­da­de de im­pren­sa. A pro­vín­cia que foi berço da ra­di­o­di­fu­são em An­go­la, com a fun­da­ção do Rá­dio Clu­be de Ben­gue­la em 1939, po­si­ci­o­na-se as­sim, mais uma vez, na van­guar­da do au­men­to da ofer­ta de con­teú­dos co­mu­ni­ca­ci­o­nais. A RNA, par­cei­ra pú­bli­ca nes­te pro­jec­to pri­va­do e co­mu­ni­tá­rio, con­ti­nua a li­de­rar o sec­tor. Só es­te ano, re­for­çou a sua re­de de es­ta­ções com qua­tro emis­so­ras: em Ju­nho, inau­gu­rou a Rá­dio Don­do, em Ju­lho a Rá­dio Vi­a­na e a Rá­dio Wa­ku Kun­go.

A mi­nha pa­la­vra vai ho­je, pois, pa­ra os pro­fis­si­o­nais da Rá­dio Ca­tum­be­la, a quem dou as bo­as-vin­das, e pa­ra os nos­sos ra­di­a­lis­tas e pro­fis­si­o­nais de te­le­vi­são, que não de­son­ram quem de­les pre­ci­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.