Um ho­lo­caus­to de re­cor­da­ção per­ma­nen­te

Jornal de Angola - - PARTADA - * Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

Coin­ci­din­do com a da­ta das pró­xi­mas elei­ções em An­go­la, o dia 23 de Agos­to foi em 1998 de­sig­na­do pe­la UNESCO co­mo Dia In­ter­na­ci­o­nal de Re­cor­da­ção do Trá­fi­co de Es­cra­vos e da sua Abo­li­ção”. Novos dados apre­sen­ta­dos por his­to­ri­a­do­res da Uni­ver­si­da­de de Emory, em Atlan­ta, nos EUA e de Hull, na In­gla­ter­ra, mos­tram ha­ver uma he­ge­mo­nia de por­tu­gue­ses e bra­si­lei­ros no co­mér­cio de es­cra­vos, bem mai­or do que se pen­sa­va an­tes: dei­xa­ram a cos­ta afri­ca­na cer­ca de 12,5 mi­lhões de es­cra­vos, du­ran­te a es­cra­va­tu­ra; mor­re­ram cer­ca 2,5 mi­lhões de es­cra­vos, du­ran­te a tra­ves­sia atlân­ti­ca.

Pu­bli­ca­do na re­vis­ta “Stv­dia”, nº 50, de 1991, o tex­to in­ti­tu­la­do “Pa­ra o es­tu­do do trá­fi­co de es­cra­vos de An­go­la (1640-1668)”, da au­to­ria de Ma­ria Luísa Es­te­ves, do Cen­tro de Es­tu­dos de His­tó­ria e Car­to­gra­fia An­ti­ga, do Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca Tro­pi­cal, re­fe­re que “era ver­da­dei­ra­men­te de­su­ma­na” a ma­nei­ra co­mo, na­que­la época, os es­cra­vos ori­gi­ná­ri­os de An­go­la eram trans­por­ta­dos pa­ra o Bra­sil.

“A fim de evi­tar os sui­cí­di­os em mas­sa, pois mui­tos de­les pre­fe­ri­am a mor­te a ir tra­ba­lhar pa­ra a Amé­ri­ca, me­ti­am-nos na co­ber­ta do na­vio, afer­ro­lha­dos e aper­ta­dos uns con­tra os ou­tros, mal po­den­do res­pi­rar. Nes­tas con­di­ções e com uma ali­men­ta­ção in­su­fi­ci­en­te e má, fei­ta qua­se sem­pre com gé­ne­ros de­te­ri­o­ra­dos, não era pa­ra ad­mi­rar que gran­de par­te de­les mor­res­se pe­lo ca­mi­nho. A per­cen­ta­gem de 30 a 40 por cen­to era con­si­de­ra­da nor­mal e a de­sig­na­ção da­da aos na­vi­os em­pre­ga­dos nes­te trá­fi­co – ‘tum­bei­ros’, de tum­ba – mos­tra elo­quen­te­men­te, tor­nan­do des­ne­ces­sá­ri­as mais ex­pli­ca­ções, o que se­ri­am tais vi­a­gens nes­sa es­pé­cie de ‘es­qui­fes flu­tu­an­tes’.”

Em Fe­ve­rei­ro de 1992, na Ilha de Go­rée (Se­ne­gal), o Pa­pa João Pau­lo II re­fe­riu que o co­mér­cio de es­cra­vos te­ve a par­ti­ci­pa­ção de “pes­so­as bap­ti­za­das, mas que não vi­ve­ram a sua fé”, e de­cla­rou: “A par­tir des­te san­tuá­rio afri­ca­no do so­fri­men­to ne­gro, im­plo­ra­mos o per­dão do céu”.

Em Abril de 2005, di­as de­pois da mor­te de João Pau­lo II, o ex-pre­si­den­te do Bra­sil, Luís Iná­cio Lu­la da Sil­va, vi­si­tou aque­le lo­cal e dis­se: “quan­do se co­me­te um gra­ve er­ro his­tó­ri­co, co­mo no ca­so dos ne­gros e dos ju­deus, o Pa­pa nos en­si­nou que é fá­cil pe­dir per­dão. “Não te­nho ne­nhu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de com o que acon­te­ceu no sé­cu­lo XVIII, nos sé­cu­los XVI e XVII, mas pen­so que é uma boa po­lí­ti­ca di­zer ao po­vo do Se­ne­gal e ao po­vo da Áfri­ca: per­dão pe­lo que fi­ze­mos aos ne­gros”.

Em 30 de Ja­nei­ro de 2006, o ex-pre­si­den­te fran­cês Jac­ques Chi­rac des­ta­cou o dia 10 de Maio co­mo um dia na­ci­o­nal em me­mó­ria das ví­ti­mas da es­cra­vi­dão pro­mo­vi­da pe­la Fran­ça.

Em 27 de Novembro de 2006 Tony Blair, ex­pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, fez um pe­di­do de des­cul­pas par­ci­al pe­lo pa­pel do Rei­no Uni­do no co­mér­cio de es­cra­vos afri­ca­nos. No en­tan­to, ac­ti­vis­tas dos di­rei­tos afri­ca­nos de­nun­ci­a­ram o dis­cur­so co­mo “re­tó­ri­ca va­zia”. Blair pe­diu no­va­men­te des­cul­pas, no dia 14 de Mar­ço de 2007.

Em 31 de Maio de 2007, o go­ver­na­dor do Ala­ba­ma, Bob Ri­ley, as­si­nou uma re­so­lu­ção ex­pres­san­do “pro­fun­do pe­sar” pe­lo pa­pel do Es­ta­do na es­cra­vi­dão e pe­diu des­cul­pas pe­los er­ros e efei­tos re­ma­nes­cen­tes. O Ala­ba­ma foi o quar­to es­ta­do do sul a fa­zer um pe­di­do de des­cul­pas for­mal pe­la es­cra­vi­dão, após Mary­land, Vir­gí­nia e Ca­ro­li­na do Norte.

Em 30 de Ju­lho de 2008, a Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes dos Es­ta­dos Uni­dos apro­vou uma re­so­lu­ção pe­din­do des­cul­pas pe­la es­cra­vi­dão e por leis dis­cri­mi­na­tó­ri­as pos­te­ri­o­res.

Em 18 de Ju­nho de 2009, o Se­na­do dos Es­ta­dos Uni­dos emi­tiu um co­mu­ni­ca­do pe­din­do des­cul­pas e con­de­nan­do as “fun­da­men­tais in­jus­ti­ças, cru­el­da­des, bru­ta­li­da­des e de­su­ma­ni­da­des da es­cra­vi­dão”, uma no­tí­cia bem re­ce­bi­da por Ba­rack Oba­ma.

A 23 de Abril de 2017, Ma­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa, afir­mou que o po­der po­lí­ti­co por­tu­guês re­co­nhe­ceu a in­jus­ti­ça da es­cra­va­tu­ra quan­do a abo­liu, em par­te, do seu ter­ri­tó­rio pe­la mão do Marquês de Pom­bal, em 1761” (?!). Mi­ni­mi­zou de for­ma ri­dí­cu­la a ques­tão e fin­giu es­que­cer que só em 1836, foi ofi­ci­al­men­te de­cre­ta­da a abo­li­ção em Portugal do trá­fi­co de ne­grei­ro e ape­nas em 1869 deixou de ha­ver es­cra­vos em to­dos os ter­ri­tó­ri­os sob ad­mi­nis­tra­ção por­tu­gue­sa. Pa­ra di­zer o que dis­se, va­lia mais não ter ido à Ilha de Go­rée.

Nos di­as de ho­je, po­lí­ti­cos por­tu­gue­ses pro­cu­ram apre­sen­tar-se co­mo os mai­o­res de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos em Áfri­ca. Tal­vez pa­ra bran­que­ar o qu­an­to Portugal des­res­pei­tou, du­ran­te sé­cu­los, di­rei­tos hu­ma­nos de mi­lhões de afri­ca­nos ino­cen­tes – ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças – sob a ca­pa de uma pre­des­ti­na­ção pa­ra o comprimento de uma exem­plar mis­são ci­vi­li­za­do­ra, atra­vés de uma co­lo­ni­za­ção de “bran­dos cos­tu­mes”.

“Nos di­as de ho­je, po­lí­ti­cos por­tu­gue­ses pro­cu­ram apre­sen­tar-se co­mo os mai­o­res de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos em Áfri­ca. Tal­vez pa­ra bran­que­ar o qu­an­to Portugal des­res­pei­tou, du­ran­te sé­cu­los, di­rei­tos hu­ma­nos de mi­lhões de afri­ca­nos ino­cen­tes”

JO­SÉ CARLOS MADUREIRA | GERAL NO­TÍ­CI­AS O trá­fi­co de es­cra­vos é o de uma ba­ta­lha, e uma vi­tó­ria, pe­la li­ber­da­de e di­rei­tos hu­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.