Aten­di­men­to em Man­da­rin pa­ra vi­a­bi­li­zar os ne­gó­ci­os

Ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra an­go­la­na es­tá em vi­as de abrir bal­cões com aten­di­men­to em lín­gua man­da­rim e es­ta­be­le­cer ser­vi­ços de se­gu­ran­ça ex­tra­or­di­ná­ri­os pa­ra pro­te­ger os cli­en­tes du­ran­te as ope­ra­ções

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Ká­tia Ra­mos

Res­pon­sá­veis do Ban­co Sol e re­pre­sen­tan­tes de em­pre­sá­ri­os chi­ne­ses que ope­ram em An­go­la reu­ni­ram-se na sex­ta-fei­ra em Lu­an­da, pa­ra en­con­trar for­mas de ele­var os ní­veis de ban­ca­ri­za­ção da co­mu­ni­da­de da­que­le país re­si­den­te no país.

No en­con­tro, um se­mi­ná­rio su­bor­di­na­do ao te­ma do “Fo­men­to de ne­gó­ci­os e par­ce­ri­as” pro­mo­vi­do pe­lo Ban­co Sol, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Co­mér­cio An­go­laChi­na (CAC) pe­diu a cri­a­ção de agên­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das com ser­vi­ços pró­pri­os de aten­di­men­to per­so­na­li­za­do à co­mu­ni­da­de em­pre­sa­ri­al chi­ne­sa no país.

Ma­nu­el Ca­la­do de­cla­rou que exis­te uma gran­de di­fi­cul­da­de por par­te dos chi­ne­ses em ade­ri­rem aos ban­cos que ope­ram em An­go­la, uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio que pro­jec­tou o Ban­co Sol pa­ra a cri­a­ção de agên­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das que tra­ba­lham e ofe­re­cem pro­du­tos em lín­gua man­da­rim e pro­tec­ção fí­si­ca dos cli­en­tes du­ran­te as ope­ra­ções.

“Es­ta­mos a tra­ba­lhar com os ban­cos na­ci­o­nais pa­ra co­me­çar a abrir agên­ci­as des­ti­na­das à co­mu­ni­da­de chi­ne­sa com al­gu­ma se­gu­ran­ça, fa­ci­li­da­de de co­mu­ni­ca­ção e o lan­ça­men­to de li­nhas de cré­di­to pa­ra jo­vens an­go­la­nos in­te­res­sa­dos em ad­qui­rir ha­bi­ta­ções em pro­jec­tos pro­mo­vi­dos por chi­ne­ses”, anun­ci­ou o pre­si­den­te da CAC.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Co­mér­cio An­go­la-Chi­na acres­cen­tou que as em­pre­sas chi­ne­sas têm, em An­go­la, uma gran­de ofer­ta de ha­bi­ta­ção e imo­bi­liá­ria, mas não con­se­guem ven­der por­que os jo­vens en­con­tram di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, pe­lo que se pre­ten­de es­ta­be­le­cer um acor­do com o Ban­co Sol pa­ra a con­ces­são de em­prés­ti­mos aos in­te­res­sa­dos. O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Ban­co Sol, Cou­ti­nho Miguel, as­si­na­lou a vo­ca­ção da ins­ti­tui­ção pa­ra uma even­tu­al co­la­bo­ra­ção com a CAC, co­mo é a exe­cu­ção de trans­fe­rên­ci­as fi­nan­cei­ras in­ter­na­ci­o­nais em dó­la­res dos Es­ta­dos Uni­dos, rands e eu­ros por in­ter­mé­dio da sua re­de de ban­cos cor­res­pon­den­tes, com o fim de apro­xi­mar em­pre­sas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras que ope­ram no país.

Cou­ti­nho Miguel re­cla­mou, pa­ra o ban­co, prá­ti­cas de uma ele­va­da qua­li­da­de e ra­pi­dez nas ope­ra­ções e ser­vi­ços, o que é pro­va­do pe­lo cres­cen­te re­co­nhe­ci­men­to da ins­ti­tui­ção em An­go­la e no es­tran­gei­ro e a atri­bui­ção do pré­mio de Me­lhor Ban­co Co­mer­ci­al de An­go­la em 2016 pe­la re­vis­ta es­pe­ci­a­li­za­da bri­tâ­ni­ca“The Eu­ro­pe­an”.

O ges­tor acres­cen­tou que o ban­co es­tá a ade­quar a sua ac­tu­a­ção às nor­mas e bo­as prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, tra­zen­do be­ne­fí­ci­os aos seus cli­en­tes. “O in­te­res­se de in­ter­na­ci­o­na­li­zar as re­la­ções fi­nan­cei­ras não se re­tin­ge ape­nas à efi­ci­en­te exe­cu­ção de trans­fe­rên­ci­as”, fri­sou e enu­me­rou fac­tos da ob­ser­va­ção das nor­mas pru­den­ci­ais im­pos­tas pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e de “com­pli­an­ce” do sis­te­ma fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal.

O res­pon­sá­vel anun­ci­ou que o ban­co de­ci­diu o seu cres­ci­men­to or­gâ­ni­co no país, com uma es­tra­té­gia con­sis­ten­te de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção as­sen­te na ex­pan­são na Áfri­ca Aus­tral e ope­ra­ções já de­sen­vol­vi­das na Na­mí­bia, on­de apoia em­pre­sas an­go­la­nas na ex­por­ta­ção de bens e ser­vi­ços. Além dis­so, o Ban­co Sol es­tá re­pre­sen­ta­do em ou­tros con­ti­nen­tes, com o que vi­a­bi­li­za as tran­sac­ções co­mer­ci­ais em yu­an, rands, dó­la­res norte-ame­ri­ca­nos e eu­ros.

O pre­si­den­te do Ban­co Sol su­bli­nhou que a even­tu­al adop­ção das agên­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das si­na­li­za a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do ban­co que, es­tá en­vol­vi­do nas re­la­ções eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras en­tre An­go­la e a Chi­na desde 2003.

A Chi­na, dis­se apoi­ou An­go­la num pe­río­do di­fí­cil, quan­do ou­tros paí­ses he­si­ta­ram, e que o Ban­co Sol jo­gou um pa­pel im­por­tan­te no apoio às em­pre­sas e tra­ba­lha­do­res que “apli­ca­ram to­do o seu es­for­ço e sa­ber na re­cons­tru­ção de An­go­la”.

A Chi­na, con­cluiu, con­ti­nua a ser o prin­ci­pal com­pra­dor do pe­tró­leo an­go­la­no e o se­gun­do prin­ci­pal ex­por­ta­dor de bens pa­ra o país.

PAU­LO MULAZA | EDIÇÕES NOVEMBRO Ban­co acei­ta so­li­ci­ta­ção da Câ­ma­ra de Co­mér­cio Chi­na-An­go­la pa­ra abrir bal­cões per­so­na­li­za­dos e ins­ti­tuir li­nhas de cré­di­to que di­na­mi­zem as tro­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.