Lei do In­ves­ti­men­to dá pou­co re­sul­ta­do

Fun­ci­o­ná­ri­os ins­ti­tu­ci­o­nais e re­pre­sen­tan­te do sec­tor em­pre­sa­ri­al con­cor­dam qu­an­to ao fra­co de­sem­pe­nho

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Ma­da­le­na Jo­sé

Nos dois anos de vi­gor da Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, “nem tu­do foi bom”, con­si­de­rou sex­ta-fei­ra, num de­no­mi­na­do “Chá ju­rí­di­co”, em Lu­an­da, o di­rec­tor­ge­ral ad­jun­to da Uni­da­de Téc­ni­ca de Apoio ao In­ves­ti­men­to Pri­va­do (UTAIP) do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio.

Cus­tó­dio Ar­man­do adi­an­tou que, bom ba­se no fun­ci­o­na­men­to das UTAIP - os or­ga­nis­mos que li­dam com as ques­tões do in­ves­ti­men­to nos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais -, o ba­lan­ço que se po­de fa­zer da lei apro­va­da a 11 de Agos­to de 2015 “não é mui­to bom”.

O res­pon­sá­vel de­cla­rou que o mo­de­lo já foi en­sai­a­do no pas­sa­do ao abri­go de leis an­te­ri­o­res e que já é con­sen­su­al a ideia de que de­ve ha­ver um úni­co in­ter­lo­cu­tor ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra os in­ves­ti­do­res.

“Es­te mo­de­lo se­ria o me­lhor, por­que o in­ves­ti­dor não pre­ci­sa­ria de ‘ba­ter vá­ri­as por­tas’ pa­ra re­a­li­zar o seu in­ves­ti­men­to”, apon­tou Cus­tó­dio Ar­man­do.

“Há ne­ces­si­da­de de se cor­ri­gir al­guns as­pec­tos da lei” e acau­te­lar os da for­ma­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra a lei ser bem apli­ca­da, re­for­çou o res­pon­sá­vel, que se­cun­dou, nas su­as afir­ma­ções, o pre­si­den­te As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA).

Jo­sé Se­ve­ri­no de­fen­deu, no en­con­tro, que a Lei de In­ves­ti­men­to Pri­va­do de­ve ser re­for­mu­la­da, pa­ra o que é ne­ces­sá­rio um ba­lan­ço co­or­de­na­do pe­la Uni­da­de Téc­ni­ca de In­ves­ti­men­to Pri­va­do (UTIP) ou o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, pa­ra ava­li­ar se es­tá apli­ca­da, on­de há ou não in­ves­ti­men­to e se es­tá a re­ger as UTAIP.

Jo­sé Se­ve­ri­no dis­se que a Lei do In­ves­ti­men­to su­por­ta­va mais o cres­ci­men­to da ca­pa­ci­da­de cam­bi­al do país mas, a par­tir do momento em que o preço do pe­tró­leo bai­xou, fi­cou de­sa­jus­ta­da.

O in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro em in­fra­es­tru­tu­ras, no­tou, que obri­ga que ha­ja par­ti­ci­pa­ção de ca­pi­tal na­ci­o­nal mí­ni­mo de 35 por cen­to nas em­pre­sas ope­ra­do­ras e a au­sên­cia de in­cen­ti­vos pa­ra a pro­mo­ção de obras nas zo­nas do in­te­ri­or pa­ra se com­ba­ter as as­si­me­tri­as re­gi­o­nais são duas de­fi­ci­ên­ci­as de lei.

Em re­la­ção às UTAIP, o pre­si­den­te da AIA de­fen­de a des­cen­tra­li­za­ção, em­bo­ra de­va ser con­ce­di­do po­der de har­mo­ni­za­ção e a ob­ser­va­ção à Agên­cia de Apoio à Im­por­ta­ção e Ex­por­ta­ção (APIEX).

A mai­or par­te dos mi­nis­té­ri­os, apon­tou, não se pre­pa­ra­ram pa­ra re­ce­ber os ser­vi­ços de in­ves­ti­men­to e apli­car a lei, o que cria cons­tran­gi­men­tos.

De re­al­çar que, na al­tu­ra de adop­ção da lei, o pre­si­den­te da AIA de­cla­rou dis­cor­dar da re­du­ção, no no­vo tex­to, das Zo­nas de De­sen­vol­vi­men­to pa­ra efei­tos de atri­bui­ção de in­cen­ti­vos fis­cais, de cin­co pa­ra duas.

Lei do In­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro de­ve ser re­for­mu­la­da de­pois de um ba­lan­ço so­bre o que em­per­ra a sua apli­ca­ção

Jo­sé Se­ve­ri­no afir­mou na­que­la al­tu­ra que a AIA era da opi­nião que se de­ve­ria man­ter as cin­co zo­nas de in­cen­ti­vos fis­cais e cri­a­rem-se mais in­cen­ti­vos pa­ra as zo­nas do Les­te de An­go­la.

No­tou que a re­gião do Les­te do país pre­ci­sa de mais com­pe­ti­ti­vi­da­de e, se o di­plo­ma que re­gu­la o in­ves­ti­men­to pri­va­do man­ti­ves­se as zo­nas exis­ten­tes na an­ti­ga lei e au­men­tas­se os in­cen­ti­vos e be­ne­fí­ci­os fis­cais e adu­a­nei­ros pa­ra ali des­ti­na­dos, ob­ter-se-ia com­pe­ti­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al com os paí­ses vi­zi­nhos e a in­te­gra­ção na Zo­na de Co­mér­cio Li­vre.

O co­or­de­na­dor do de­ba­te, Moi­sés Cai­aia, avan­çou, em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, que o “Chá ju­rí­di­co”, o pro­gra­ma de de­ba­tes ini­ci­a­do sex­ta­fei­ra, tem uma pe­ri­o­di­ci­da­de men­sal e vi­sa dis­cu­tir ques­tões aca­dé­mi­cas e téc­ni­cas so­bre al­gu­mas leis que, no di­aa-dia, são apli­ca­das com re­sul­ta­dos po­si­ti­vos ou ne­ga­ti­vos.

Co­mo re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, apon­tou Moi­sés Cai­aia, no ca­so da Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, a atri­bui­ção de com­pe­tên­cia aos ti­tu­la­res dos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais pa­ra de­ci­dir so­bre ma­té­ri­as de in­ves­ti­men­to, e, co­mo ne­ga­ti­vas, as par­ce­ri­as obri­ga­tó­ri­as en­tre na­tu­rais e es­tran­gei­ros, uma prá­ti­ca que ini­be o ca­pi­tal ex­ter­no.

MA­RIA AUGUSTA | EDIÇÕES NOVEMBRO In­ves­ti­men­to pri­va­do es­te­ve em de­ba­te na mais re­cen­te edi­ção do “Chá Ju­rí­di­co”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.