Ma­ta­dou­ro in­dus­tri­al abre no­vas opor­tu­ni­da­des

Go­ver­na­dor do Cu­an­za-Norte res­sal­ta im­por­tân­cia da as­sis­tên­cia téc­ni­ca às fa­zen­das e o au­men­to da ca­pa­ci­da­de de resposta à ele­va­da pro­cu­ra de car­ne bo­vi­na e ca­pri­na

Jornal de Angola - - REGIÕES - Mar­ce­lo Ma­nu­el | Am­ba­ca

A ofer­ta de car­ne bo­vi­na e ca­pri­na com qua­li­da­de, as­so­ci­a­da a pro­du­ção de fa­ri­nha de os­sos, gor­du­ra ani­mal, pe­les e cou­ros, são as prin­ci­pais va­lên­ci­as do ma­ta­dou­ro de Ca­ma­ba­te­la, inau­gu­ra­do na sex­ta-fei­ra. O em­pre­en­di­men­to tem por fi­na­li­da­de au­men­tar a ofer­ta de car­ne, me­lho­rar a di­e­ta dos ci­da­dãos e cri­ar mais de 200 pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos e in­de­rec­tos pa­ra a ju­ven­tu­de.

Cons­truí­do a cin­co qui­ló­me­tros da se­de mu­ni­ci­pal de Am­ba­ca, pro­vín­cia do Cu­an­za-No­te, o ma­ta­dou­ro de Ca­ma­ba­te­la tem uma ca­pa­ci­da­de de aba­te de 200 bo­vi­nos e 300 ca­pri­nos por dia, per­fa­zen­do um to­tal de 4.400 ca­be­ças/mês e 52.800 ani­mais por ano, pa­ra além das se­te to­ne­la­das de gor­du­ra ani­mal que se pre­vêem pro­du­zir di­a­ri­a­men­te.

O pro­jec­to foi cri­a­do atra­vés de um fi­nan­ci­a­men­to do go­ver­no es­pa­nhol com cus­tos ava­li­a­dos em USD 13.44.000 (tre­ze mi­lhões e qua­ren­ta e qua­tro mil dó­la­res ame­ri­ca­nos). As obras du­ra­ram dois anos, o imó­vel foi er­gui­do com o pro­pó­si­to de me­lho­rar o con­su­mo de car­ne bo­vi­na, suí­na e ca­pri­na, bem co­mo per­mi­tir a ofer­ta de pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos de ori­gem ani­mal, co­mo fa­ri­nha de os­sos, gor­du­ras, pe­les e cou­ros, em mai­or e me­lhor quan­ti­da­de, dig­ni­fi­can­do a pro­du­ção ani­mal.

O mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Mar­cos Nhun­ga, dis­se, du­ran­te a ce­ri­mó­nia de inau­gu­ra­ção do re­fe­ri­do ma­ta­dou­ro, que a sua en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to vai re­sol­ver 50 por cen­to das ne­ces­si­da­des de car­ne a ní­vel da re­gião Norte do país, ali­a­da ao fun­ci­o­na­men­to do ma­ta­dou­ro de Ma­lan­je e Ca­te­te, que po­dem me­lho­rar de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va a ofer­ta do mes­mo pro­du­to de con­su­mo.

Su­bli­nhou, de igual mo­do, que a aber­tu­ra do imó­vel dá cum­pri­men­to ao pro­gra­ma do Go­ver­no pa­ra o sec­tor da agri­cul­tu­ra, vi­san­do a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal, cri­an­do pre­mis­sas pa­ra al­can­çar a au­to­su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar e re­du­zir os ín­di­ces de im­por­ta­ção de pro­du­tos de ori­gem ani­mal.

Ca­pa­ci­ta­ção de qua­dros

Mar­cos Nhun­ga re­ve­lou que o in­ves­ti­men­to fei­to na cons­tru­ção do ma­ta­dou­ro de Ca­ma­ba­te­la obri­ga o Go­ver­no a con­ti­nu­ar a cri­ar po­lí­ti­cas pa­ra ca­pa­ci­tar os qua­dros na­ci­o­nais li­ga­dos ao de­sen­vol­vi­men­to da pecuária, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te nos do­mí­ni­os da ali­men­ta­ção, nu­tri­ção, sa­ni­da­de, in­fra-es­tru­tu­ras, me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co e co­mer­ci­a­li­za­ção dos ani­mais.

“Com o cum­pri­men­to des­te de­si­de­ra­to po­de­mos al­can­çar uma pro­du­ção anu­al de mais de 10.000 to­na­le­das de car­ne, mas pa­ra is­so é ne­ces­sá­rio que os cri­a­do­res tra­ba­lhem com ze­lo e pro­fis­si­o­na­lis­mo”, dis­se, avan­çan­do que o ma­ta­dou­ro vai im­pul­si­o­nar o cres­ci­men­to das mais de 200 fa­zen­das exis­ten­tes no pla­nal­to, nos do­mí­ni­os de cria, re­cria e en­gor­da dos ani­mais.

Acon­se­lhou os pe­cu­a­ris­tas da re­gião no sen­ti­do de cres­ce­rem de mãos da­das, em qua­li­da­de e quan­ti­da­de na cri­a­ção de ga­do e, so­bre­tu­do, na trans­for­ma­ção do po­ten­ci­al exis­ten­te, em di­nhei­ro pa­ra con­tri­buí­rem pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país.

O mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra re­co­nhe­ceu ha­ver ain­da mui­to tra­ba­lho por se fa­zer a ní­vel da pro­du­ção de ali­men­tos, mor­men­te no que diz res­pei­to à cri­a­ção de in­fra­es­tru­tu­ras, con­tro­lo de do­en­ças e na se­lec­ção de ra­ças de ga­do adap­tá­veis às con­di­ções cli­ma­té­ri­cas do pla­nal­to.

De acor­do com o di­ri­gen­te, o Go­ver­no pre­ten­de ofe­re­cer à po­pu­la­ção ali­men­tos com qua­li­da­de e bo­as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os ren­tá­veis. Eis a ra­zão, dis­se, da cri­a­ção do ma­ta­dou­ro, ao pro­du­zir gor­du­ras ani­mais, pe­les e cas­gos, pa­ra dar su­por­te a ou­tras in­dús­tri­as.

Pa­ra o go­ver­nan­te, o Pla­nal­to de Ca­ma­ba­te­la cons­ti­tui uma “vas­ta e im­por­tan­te pla­ní­cie si­tu­a­da na zo­na no­ro­es­te do ter­ri­tó­rio an­go­la­no, mar­can­do uma tran­si­ção abrup­ta en­tre a fai­xa li­to­ral e a bai­xa de Cas­san­ge, na ba­cia do Con­go, com cer­ca de 1.410.000 hec­ta­res, do­ta­do de po­ten­ci­al na­tu­ral no do­mí­nio da pro­du­ção pecuária”.

Um so­nho da po­pu­la­ção

Por sua vez, o go­ver­na­dor do Cu­an­za-Norte, Jo­sé Ma­ria Fer­raz dos Santos, dis­se que a inau­gu­ra­ção do ma­ta­dou­ro é a ma­te­ri­a­li­za­ção de um so­nho das po­pu­la­ções lo­cais que, pe­la cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal no do­mí­nio da pecuária, po­dem cri­ar pro­jec­tos es­pe­cí­fi­cos pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da das fa­mí­li­as e das co­mu­ni­da­des em que es­tão in­se­ri­das.

NICOLAU VASCO | EDIÇÕES NOVEMBRO Ma­ta­dou­ro per­mi­te o sur­gi­men­to de mais opor­tu­ni­da­des pa­ra os pe­que­nos cri­a­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.