PRS fal­si­fi­cou ac­tas elei­to­rais

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal in­de­fe­riu os re­cur­sos do PRS e da FNLA pa­ra a im­pug­na­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais. Ho­je o Tri­bu­nal de­ve anun­ci­ar os acór­dãos da UNITA e da CA­SA-CE

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­si­na de Car­va­lho

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal con­cluiu on­tem ha­ver for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção dos do­cu­men­tos de pro­va apre­sen­ta­dos pe­lo PRS pa­ra im­pug­na­ção dos re­sul­ta­dos das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to. No acór­dão pro­fe­ri­do on­tem e en­tre­gue ao man­da­tá­rio do par­ti­do, Ma­nu­el Mo­xi­to, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal in­di­ca que es­ta for­ma­ção po­lí­ti­ca jun­tou ao pro­ces­so ac­tas de ope­ra­ções elei­to­rais com for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção, com o pro­pó­si­to de bus­car van­ta­gem in­jus­ti­fi­ca­da. O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal tam­bém chum­bou o pe­di­do de in­va­li­da­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais apre­sen­ta­do pe­la FNLA. O acór­dão, vo­ta­do por una­ni­mi­da­de pe­los 10 juí­zes­con­se­lhei­ros re­fe­re não res­tar dú­vi­das so­bre a re­a­li­za­ção do con­jun­to de ope­ra­ções de apu­ra­men­to no Cen­tro de Es­cru­tí­nio Na­ci­o­nal, nos ter­mos im­pos­tos por lei, ne­gan­do, as­sim, o re­cur­so da FNLA.

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal con­cluiu on­tem ha­ver for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção dos do­cu­men­tos de pro­va apre­sen­ta­dos pe­lo Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS) pa­ra im­pug­na­ção dos re­sul­ta­dos das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to.

No acór­dão pro­fe­ri­do on­tem e en­tre­gue ao man­da­tá­rio do par­ti­do, Ma­nu­el Mo­xi­to, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ne­gou pro­vi­men­to ao re­cur­so do con­ten­ci­o­so elei­to­ral in­ter­pos­to pe­lo PRS e in­di­ca que es­te par­ti­do jun­tou ao pro­ces­so ac­tas de ope­ra­ções elei­to­rais com for­tes in­dí­ci­os de fal­si­fi­ca­ção, com o pro­pó­si­to de bus­car van­ta­gem in­jus­ti­fi­ca­da.

Os juí­zes con­se­lhei­ros do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, reu­ni­dos em ple­ná­rio des­de se­gun­da-feira, con­si­de­ram o ac­to uma in­frac­ção elei­to­ral e cri­mi­nal, con­for­me o ar­ti­go 203.° da Lei Or­gâ­ni­ca das Elei­ções Ge­rais, e pro­me­tem la­vrar uma cer­ti­dão pa­ra dar a co­nhe­cer o fac­to ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra os de­vi­dos efei­tos le­gais.

Os mes­mos do­cu­men­tos de pro­va não de­mons­tra­ram o pre­juí­zo ale­ga­do pe­lo PRS em re­la­ção aos vo­tos que lhe fo­ram atri­buí­dos. Nos cír­cu­los elei­to­rais das pro­vín­ci­as da Lun­da-Nor­te e Lun­da-Sul, re­fe­re o acór­dão, os re­sul­ta­dos apre­sen­ta­dos pe­la CNE são até su­pe­ri­o­res aos que re­sul­tam das ac­tas apre­sen­ta­das com o re­que­ri­men­to de re­cur­so.

O Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal con­cluiu ain­da im­pro­ce­den­te a im­pug­na­ção do PRS re­fe­ren­te à atri­bui­ção de um man­da­to nos cír­cu­los elei­to­rais da­que­las du­as pro­vín­ci­as, uma vez que em tais cír­cu­los elei­to­rais não ha­via coin­ci­dên­cia de quo­ci­en­te no mo­men­to da atri­bui­ção do úl­ti­mo man­da­to.

O man­da­tá­rio do par­ti­do, Ma­nu­el Mo­xi­to, dis­se que o par­ti­do vai se con­for­mar com a de­ci­são do Tri­bu­nal, ten­do em con­ta que a Lei Or­gâ­ni­ca das Elei­ções Ge­rais não con­fe­re mais ne­nhu­ma pos­si­bi­li­da­de de re­cur­so aos par­ti­dos po­lí­ti­cos. Ne­ga­do re­cur­so da FNLA Ain­da on­tem, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal jul­gou im­pro­ce­den­te o re­cur­so in­ter­pos­to pe­la FNLA pa­ra in­va­li­da­de dos re­sul­ta­dos elei­to­rais de­fi­ni­ti­vos das elei­ções ge­rais, por in­cum­pri­men­to de pro­ce­di­men­tos do seu apu­ra­men­to.

O ór­gão ju­di­ci­al, en­quan­to Tri­bu­nal Elei­to­ral, pro­fe­riu um acór­dão on­de con­cluiu que o apu­ra­men­to pro­vin­ci­al foi re­a­li­za­do den­tro do pra­zo le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­do e com ob­ser­vân­cia dos pro­ce­di­men­tos de­vi­dos. A ale­ga­ção da FNLA, se­gun­do a qual o en­vio das ac­tas sín­te­se e das ac­tas das ope­ra­ções elei­to­rais não res­pei­tou as dis­po­si­ções le­gais so­bre a ma­té­ria, tam­bém foi con­si­de­ra­da im­pro­ce­den­te.

Pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, não res­tam dú­vi­das de que fo­ram re­a­li­za­das um con­jun­to de ope­ra­ções de apu­ra­men­to no Cen­tro de Es­cru­tí­nio Na­ci­o­nal nos ter­mos im­pos­tos pe­la Lei Or­gâ­ni­ca das Elei­ções Ge­rais. O man­da­tá­rio da FNLA, Ga­bri­el Si­mão, que re­ce­beu o acór­dão, re­fe­riu que o par­ti­do acei­ta a de­ci­são do Tri­bu­nal e es­tá cons­ci­en­te de que não tem ou­tra al­ter­na­ti­va. Com­pos­to por 11 juí­zes con­se­lhei­ros, in­cluin­do o juíz pre­si­den­te, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal apro­vou por mai­o­ria o acór­dão do PRS e da FNLA.

A juí­za con­se­lhei­ra Ma­ria Me­lo vo­tou ven­ci­da, com de­cla­ra­ção de vo­to, ao pas­so que o juíz con­se­lhei­ro Ono­fre dos San­tos não par­ti­ci­pou na ses­são ple­ná­ria por ra­zões de saú­de. Até ao fe­cho da edi­ção, o ple­ná­rio do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal con­ti­nu­a­va reu­ni­do pa­ra ava­li­ar os re­cur­sos apre­sen­ta­dos pe­la A UNITA e a co­li­ga­ção CA­SA-CE. A pri­mei­ra con­tes­ta os pro­ce­di­men­tos de apu­ra­men­to dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos re­a­li­za­dos pe­la Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral(CNE), on­de a re­cla­ma­ção foi apre­sen­ta­da em pri­mei­ra ins­tân­cia e con­si­de­ra­da im­pro­ce­den­te.

A se­gun­da en­tre­gou na se­cre­ta­ria ju­di­ci­al do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal do­cu­men­tos ale­ga­da­men­te so­bre ir­re­gu­la­ri­da­des re­gis­ta­das em 15 pro­vín­ci­as, que tam­bém fo­ram re­me­ti­dos às co­mis­sões pro­vin­ci­ais elei­to­rais e à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, on­de apre­sen­ta­ram em pri­mei­ra ins­tân­cia a re­cla­ma­ção, que foi con­si­de­ra­da ex­tem­po­râ­nea e im­pro­ce­den­te.

A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) apre­sen­tou ao Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal as su­as con­tes­ta­ções às ale­ga­ções da UNITA, CA­SA-CE, PRS e FNLA cons­tan­tes dos seus pro­ces­sos de re­cur­so. A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral foi no­ti­fi­ca­da pe­lo Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra con­tra­por às ele­ga­ções apre­sen­ta­das pe­las for­ma­ções po­lí­ti­cas que re­cla­mam in­cum­pri­men­to dos pro­ce­di­men­tos de apu­ra­men­to dos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os e de­fi­ni­ti­vos pre­vis­tos na Lei Or­gâ­ni­ca so­bre as Elei­ções Ge­rais.

De­pois da de­ci­são do tri­bu­nal, os par­ti­dos po­lí­ti­cos já não têm ne­nhu­ma pos­si­bi­li­da­de de re­cla­ma­ção, por­que, as de­ci­sões pro­fe­ri­das por es­te ór­gão em ma­té­ria elei­to­ral têm ca­rác­ter de­fi­ni­ti­vo

Juí­zes do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­ram ra­zão à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.