Hos­pi­tais de Lu­an­da têm no­vos mé­di­cos

Jornal de Angola - - PARTADA -

O sec­tor pú­bli­co da Saú­de em Lu­an­da vai ad­mi­tir mais 50 mé­di­cos pa­ra apoi­ar as uni­da­des sa­ni­tá­ri­as de pri­mei­ro e se­gun­do ní­veis, anun­ci­ou on­tem o go­ver­na­dor Hi­gi­no Car­nei­ro.

SEROPOSITIVOS ABANDONADOS POR PA­REN­TES NO LUBANGO

O aban­do­no de do­en­tes seropositivos no Hos­pi­tal Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Neto, no Lubango, pe­los pró­pri­os fa­mi­li­a­res, cons­ti­tui uma gran­de pre­o­cu­pa­ção, con­si­de­rou on­tem, na­que­la ci­da­de, o di­rec­tor-ge­ral da ins­ti­tui­ção. Clo­do­mi­ro de Me­lo dis­se que mui­tos do­en­tes seropositivos são mar­gi­na­li­za­dos e ex­cluí­dos da vi­da so­ci­al e dei­xam de re­ce­ber apoio das fa­mí­li­as. “Es­ta si­tu­a­ção tem si­do re­gis­ta­da ao lon­go do úl­ti­mo ano. Só na pas­sa­da se­ma­na ti­ve­mos o re­gis­to de dez do­en­tes com VIH e qua­se ne­nhum de­les tem vi­si­tas da fa­mí­lia. Por is­so, al­guns op­tam por não dar a co­nhe­cer o seu es­ta­do à fa­mí­lia, pa­ra não se­rem dis­cri­mi­na­dos”, in­for­mou. Clo­do­mi­ro de Me­lo es­cla­re­ceu que os do­en­tes com a pa­to­lo­gia, por pos­suí­rem um sis­te­ma imu­ni­tá­rio com­pro­me­ti­do, com as de­fe­sas fra­gi­li­za­das, aca­bam por apa­nhar ou­tras do­en­ças, que mui­tas ve­zes re­sul­tam num fi­nal trágico pa­ra o pa­ci­en­te. "Mui­tos de­les che­gam ao hos­pi­tal só de­pois de te­rem re­cor­ri­do a tra­ta­men­tos tra­di­ci­o­nais, já com pro­ble­mas no fí­ga­do e ou­tras com­pli­ca­ções." Ex­pli­cou que no ca­so de os pa­ci­en­tes se sen­ti­rem dis­cri­mi­na­dos pe­lo qua­dro efec­ti­vo do hos­pi­tal po­dem di­ri­gir-se ao Ga­bi­ne­te do Uten­te e fa­zer quei­xa, ou ain­da con­tac­tar a di­rec­ção pa­ra apli­car a san­ção con­ve­ni­en­te. “É mis­são do pro­fis­si­o­nal de saú­de ver o do­en­te co­mo se ti­ves­se qual­quer ou­tra pa­to­lo­gia, ten­do pre­sen­te to­dos os di­as o fac­tor hu­ma­ni­za­ção no exer­cí­cio da pro­fis­são”, fri­sou Clo­do­mi­ro de Me­lo que ape­lou às fa­mí­li­as pa­ra acom­pa­nha­rem de per­to os pa­ren­tes com VIH-Si­da, pois, se­gun­do dis­se, o bom am­bi­en­te fa­mi­li­ar é pri­mor­di­al pa­ra ga­ran­tir o bom es­ta­do do pa­ci­en­te. “O do­en­te, ape­sar das re­ac­ções se­cun­dá­ri­as ao tra­ta­men­to, não de­ve de­sis­tir dos cui­da­dos, de­ven­do re­cor­rer sem­pre às ins­ti­tui­ções de saú­de ade­qua­das”, dis­se o di­rec­tor-ge­ral, que cha­mou a aten­ção da so­ci­e­da­de pa­ra se acos­tu­mar a ver o do­en­te com VIH-Si­da co­mo qual­quer ou­tro, "pois é al­guém que pre­ci­sa de apoio e uma vi­da so­ci­al.”

EDU­AR­DO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Hos­pi­tais pú­bli­cos re­for­ça­dos com equi­pas mé­di­cas

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.