Cam­peãs afri­ca­nas re­gres­sam ho­je ao país

Se­lec­ção Na­ci­o­nal jú­ni­or fe­mi­ni­na re­gres­sa ao país com o no­no tí­tu­lo na ba­ga­gem sem qual­quer der­ro­ta

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal jú­ni­or fe­mi­ni­na de andebol re­gres­sou ho­je ao país, de­pois de se sa­grar cam­peã afri­ca­na da ca­te­go­ria, pe­la no­na vez, na 23ª edi­ção do CAN que de­cor­reu de 4 a 10 de Se­tem­bro em Abid­jan, Cos­ta do Mar­fim. Na úl­ti­ma jor­na­da da com­pe­ti­ção, o “se­te” na­ci­o­nal, ori­en­ta­do por Ed­gar Neto e Jo­sé Chu­ma, ven­ceu o Egip­to por 29 - 19, con­fir­man­do a sua su­pre­ma­cia na mai­or reu­nião con­ti­nen­tal do es­ca­lão.

A ca­mi­nha­da vi­to­ri­o­sa co­me­çou com a mai­or go­le­a­da do cam­pe­o­na­to (5017), di­an­te do Ma­li. A co­e­são de­fen­si­va das an­go­la­nas pro­por­ci­o­nou si­tu­a­ções fa­vo­rá­veis de con­tra-ata­que, des­fa­zen­do a re­sis­tên­cia de to­das as opo­nen­tes. Com os triun­fos so­bre Ca­bo Ver­de (37-20), Cos­ta do Mar­fim (29-17), Ar­gé­lia (30-19), RDC (36-25) e Egip­to (2919), as cam­peãs afri­ca­nas to­ta­li­za­ram 211 go­los mar­ca­dos e ape­nas 117 con­sen­ti­dos, em se­te par­ti­das re­a­li­za­das.

Ac­tu­ais de­ten­to­ras do tí­tu­lo con­ti­nen­tal, em ca­de­tes, as egíp­ci­as che­ga­ram igual­men­te in­vic­tas à úl­ti­ma jor­na­da do tor­neio con­ti­nen­tal de ju­ni­o­res, ape­sar de não con­se­gui­rem im­por a sua su­pe­ri­o­ri­da­de so­bre ou­tras opo­nen­tes com a mes­ma cla­ri­vi­dên­cia que as co­man­da­das de Ed­gar Neto.

Após a vi­tó­ria so­bre o Egip­to, na der­ra­dei­ra jor­na­da da pro­va, o se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal afir­mou que o triunfo do “se­te” na­ci­o­nal re­sul­tou da união da fa­mí­lia do andebol. “Ti­ve­mos apoio in­con­di­ci­o­nal da fe­de­ra­ção, ape­sar de to­das as di­fi­cul­da­des que co­nhe­ce­mos. Hou­ve ain­da um gran­de con­tri­bu­to dos trei­na­do­res dos vá­ri­os clu­bes on­de evo­lu­em as atle­tas, bem co­mo do Pe­tro de Lu­an­da, que ce­deu os seus qua­dros pa­ra tra­ba­lha­rem com a se­lec­ção. O prin­ci­pal apoio veio do clu­be 1º de Agos­to que ce­deu o seu gi­ná­sio, cam­po e cen­tro de es­tá­gi­os, o que nos per­mi­tiu tra­ba­lhar com mai­or qua­li­da­de, por mais tem­po. Pen­so que es­ta aju­da, gen­til­men­te ce­di­da pe­lo pre­si­den­te Car­los Hen­drick, jo­gou um pa­pel fun­da­men­tal, na me­lho­ria da ca­pa­ci­da­de com­pe­ti­ti­va do gru­po”, afir­mou.

Em ca­de­tes, a se­lec­ção de An­go­la, der­ro­ta­da em 2015 pe­lo Egip­to, é fa­vo­ri­ta à vi­tó­ria, ho­je, di­an­te da Ar­gé­lia, na ter­cei­ra jor­na­da do CAN, que ar­ran­cou igual­men­te em Abid­jan, na se­gun­da-feira. O trio de trei­na­do­res com­pos­to por Luís Cha­ves, Fer­nan­do Luís e João Di­o­go “Do­cas” ob­ser­vou on­tem o de­sem­pe­nho da for­ma­ção do Ma­greb, di­an­te da RDC, de­pois de já ter ana­li­sa­do a par­ti­da das ar­ge­li­nas, na der­ro­ta con­sen­ti­da an­te a Tu­ní­sia (30-41), a con­tar pa­ra a pri­mei­ra jor­na­da.

An­go­la en­trou com vi­tó­ria, por 26-19, fren­te à RDC, num jo­go on­de o can­sa­ço da vi­a­gem li­mi­tou um pou­co o de­sem­pe­nho das jo­ga­do­ras, se­gun­do o trei­na­dor prin­ci­pal, Luís Cha­ves. Fa­lan­do ao

o se­lec­ci­o­na­dor des­ta­cou a bai­xa es­ta­tu­ra das ar­ge­li­nas e a sua ra­pi­dez de exe­cu­ção, co­mo as­pec­tos mais no­tó­ri­os na ava­li­a­ção fei­ta, re­al­çan­do o seu op­ti­mis­mo na ob­ten­ção da se­gun­da vi­tó­ria.

“Com a pau­sa de ho­je (on­tem), te­mos a equi­pa com­ple­ta­men­te re­cu­pe­ra­da e es­ta­mos em con­di­ções de jo­gar ao nos­so me­lhor ní­vel”, as­se­gu­rou.

Nu­ma bre­ve ava­li­a­ção às prin­ci­pais opo­nen­tes, Luís Cha­ves re­fe­riu-se à ca­pa­ci­da­de atlé­ti­ca das egíp­ci­as e a qua­li­da­de téc­ni­ca das se­ne­ga­le­sas, co­mo pre­o­cu­pa­ções a ter em con­ta, sem es­que­cer a equi­pa an­fi­triã, que con­ta com for­te apoio do seu pú­bli­co.

À se­me­lhan­ça da com­pe­ti­ção re­ser­va­da às ju­ni­o­res, o CAN de ca­de­tes é jo­ga­do no sis­te­ma de to­dos con­tra to­dos a uma vol­ta. An­go­la fol­gou on­tem, por for­ça do ca­len­dá­rio e ama­nhã de­fron­ta o Se­ne­gal, vol­tan­do a en­trar em ce­na, de­pois de ama­nhã di­an­te da Cos­ta do Mar­fim.

An­tes da pro­va, o “se­te” na­ci­o­nal cum­priu um cur­to es­tá­gio pré-com­pe­ti­ti­vo, de uma se­ma­na, na re­gião por­tu­gue­sa de Lei­ria. Em jei­to de ba­lan­ço, o se­lec­ci­o­na­dor dis­se que a pre­pa­ra­ção pré­com­pe­ti­ti­va re­a­li­za­da em Por­tu­gal ele­vou o en­tro­sa­men­to do gru­po e au­men­tou con­si­de­ra­vel­men­te a mo­ti­va­ção das jo­ga­do­ras, que se apre­sen­tam em ter­ras mar­fi­nen­ses dis­pos­tas a res­ga­tar o tí­tu­lo per­di­do na edi­ção an­te­ri­or.

No en­tan­to, o se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal con­si­de­ra que a ta­re­fa não se­rá fá­cil por­que, “per­ce­be­mos que An­go­la es­tá no cen­tro das aten­ções, co­mo fi­cou de­mons­tra­do pe­lo gran­de in­te­res­se que to­dos re­ve­la­ram em fil­mar o nos­so jo­go”, sa­li­en­tou.

“O prin­ci­pal apoio veio do 1.º de Agos­to que ce­deu o seu gi­ná­sio, cam­po e cen­tro de es­tá­gi­os, o que nos per­mi­tiu tra­ba­lhar com mai­or qua­li­da­de, por mais tem­po. Es­ta aju­da te­ve um pa­pel fun­da­men­tal”

JO­SÉ CO­LA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Trei­no in­ten­si­vo re­a­li­za­do em Lu­an­da re­sul­tou em mais um tro­féu pa­ra a ga­le­ria da fe­de­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.