Es­ta é a nos­sa me­mó­ria

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI

An­da­va pe­los gran­des es­pa­ços co­mo ago­ra são cha­ma­das as lo­jas que têm tu­do até pes­so­al por­tu­guês, pro­cu­ra­va, pa­ra ofe­re­cer, um li­vro meu de que já só ti­nha um exem­plar e ha­via de­sa­pa­re­ci­do num ápi­ce após o lan­ça­men­to, “A Acá­cia e os Pás­sa­ros” que me­xe com di­rei­tos hu­ma­nos fa­zen­do ape­lo ao pen­sa­men­to de Chomsky no que con­cer­ne a ma­ni­pu­la­ções. Quem sa­be se o li­vro foi man­da­do quei­mar por al­gum de­men­te. O que es­tá mal! Mas não foi tem­po per­di­do. O meu mo­to­ris­ta era da Co­li­ga­ção, o meu ami­go an­ti­go que faz de mor­do­mo lim­pa o quin­tal e me con­ta es­tó­ri­as foi guer­ri­lhei­ro da UPA e vo­tou na FNLA, ad­mi­ro a sua con­vic­ção e se ti­ves­se es­tu­da­do o seu mi­nis­té­rio pre­fe­ri­do se­ria o das Fi­nan­ças. Va­mos no car­ro a ou­vir uma es­ta­ção de rá­dio que pro­pa­la que a ci­da­de es­tá pe­ja­da de car­ros com sol­da­dos de um la­do pa­ra o ou­tro e co­mo eu pro­cu­ra­va um me­di­ca­men­to que ra­ras ve­zes en­con­tro, cor­re­mos por uma boa par­te da ci­da­de e afi­nal não en­con­trá­mos os tais sol­da­dos, ri­a­mo-nos os três, de­pois que João Lou­ren­ço fa­la­va pi­or que Be­to Can­gam­ba, era de­mais a rai­va, não era protesto mas em­ba­ra­çar as li­nhas de pro­pó­si­to. O que es­tá mal. De­pois a tal gran­de su­per­fí­cie, a far­má­cia, o li­vro ni­cles e a des­co­ber­ta: um ví­deo. IN­DE­PEN­DÊN­CIA – ES­TA É A NOS­SA ME­MÓ­RIA. Ve­ri­fi­quei. Era da AS­SO­CI­A­ÇÃO TCHIWEKA DE DO­CU­MEN­TA­ÇÃO, uma en­ti­da­de que cres­ceu jo­vem e se trans­for­mou, em meu en­ten­der, na me­lhor or­ga­ni­za­ção so­ci­al de An­go­la, que me per­doe a União de Es­cri­to­res que já foi mas na his­tó­ria foi a pri­mei­ra com ín­ti­ma li­ga­ção à Di­pan­da. O que es­tá bem.

Vi o ví­deo a lim­par lá­gri­ma e não vi lo­go uma se­gun­da vez com me­do de agre­dir o meu co­ra­ção. O que mais me tan­geu, pa­ra além da qua­li­da­de, foi a isen­ção que trans­bor­da pa­ra uma pe­da­go­gia ne­ces­sá­ria a to­da a so­ci­e­da­de ci­vil e aos par­ti­dos po­lí­ti­cos pa­ra se re­ve­rem na glo­ri­o­sa luta ar­ma­da de li­ber­ta­ção, con­tex­tu­a­li­zan­do os er­ros que se re­per­cu­ti­ram até aos nos­sos di­as.

O nascimento do MPLA, da UPA-FNLA e da UNITA. To­da es­ta obra de ar­te tem uma es­pé­cie de re­frão mar­te­la­do, são pá­gi­nas do diá­rio de De­o­lin­da, a guer­ri­lhei­ra es­cri­to­ra, pá­gi­nas fa­la­das em boa dic­ção que, só por si, en­gran­de­cem ain­da mais aque­les que en­tre­ga­ram a ju­ven­tu­de, al­guns a pró­pria vi­da pa­ra que An­go­la che­gas­se à in­de­pen­dên­cia.

Fi­ca a per­ce­ber quem não sa­bia, que a pi­or do­en­ça foi não ter­mos con­se­gui­do unir os três mo­vi­men­tos. Quem sa­be, te­ría­mos adi­an­ta­do a in­de­pen­dên­cia uns vin­te anos. São mui­tos os de­poi­men­tos de com­pa­tri­o­tas que lu­ta­ram nas fi­lei­ras dos três mo­vi­men­tos. Agos­ti­nho Neto ten­tou a união mas não con­se­guiu. Era o tem­po da guer­ra fria e tu­do pas­sa­va pe­los dois blo­cos. Pi­or que a con­fe­rên­cia de Berlim quan­do o oci­den­te re­par­tiu Áfri­ca a ré­gua e es­qua­dro.

Ago­ra, na guer­ra fria, os mo­vi­men­tos iam ser mar­ca­dos e de­mar­ca­dos por ra­zões en­dó­ge­nas e exó­ge­nas. Nas en­dó­ge­nas, o MPLA era ca­rac­te­ri­za­do por um gru­po de in­te­lec­tu­ais de in­ten­ção mar­xis­ta-le­ni­nis­ta e mul­tir­ra­ci­al. A UPA-FNLA por um mo­vi­men­to de ab­sor­ção do ideá­rio Fa­no­ni­a­no que vão mar­car os pri­mei­ros ata­ques no nor­te de An­go­la que pu­se­ram Por­tu­gal em pâ­ni­co e de li­ga­ção es­trei­ta ao Zaí­re de Mo­bu­tu. A UNITA com fi­gu­ri­no ba­se­a­do na lín­gua re­gi­o­nal mais fa­la­da, o um­bun­do e, mais tar­de, com um for­ma­to de guer­ri­lha ins­pi­ra­do na lon­ga mar­cha de Mao, na Chi­na. Quer a FNLA quer a UNITA ti­nham apoio do Oci­den­te mais por lu­ta­rem con­tra o “co­mu­nis­mo” do que con­tra Por­tu­gal.

Os três mo­vi­men­tos po­di­am não ter co­a­bi­ta­do. Mas o mai­or er­ro foi tor­na­rem-se ini­mi­gos. A FNLA mar­ca-se por as­sas­si­na­tos co­mo o das he­roí­nas e a UNITA por ou­tros tan­tos. Mais tar­de, is­to já não é do ví­deo, a UNITA ul­tra­pas­sa­va a ali­an­ça da FNLA com o di­ta­dor Mo­bu­tu pa­ra se en­cos­tar ao mais he­di­on­do re­gi­me que a his­tó­ria do sé­cu­lo pas­sa­do co­nhe­ceu, o apartheid.

Se a FNLA e a UNITA ti­ves­sem cum­pri­do os acor­dos e fi­cas­sem em Lu­an­da pa­ra as elei­ções (já tí­nha­mos dis­cu­ti­do a Cons­ti­tui­ção) o país te­ria si­do ou­tro. Mas man­da­ram-nos sair co­mo Por­tu­gal tam­bém saiu. Por­que sa­bi­am que per­di­am as elei­ções a fa­vor do MPLA. E o MPLA fi­can­do a go­ver­nar só ga­nhou a for­ça que os ou­tros per­de­ram... ou­tro dia uma es­cri­to­ra an­go­la­na fa­la­va pa­ra a TPA-ÁFRI­CA e di­zia da fe­li­ci­da­de de ver a ban­dei­ra por­tu­gue­sa des­cer e a nos­sa su­bir. O que es­tá mal. Er­ro de pal­ma­tó­ria. Aqui não des­ceu ne­nhu­ma ban­dei­ra, só su­biu uma. A pri­mei­ra, fei­ta à pres­sa por cos­tu­rei­ras es­tá co­mi­go. E es­ta!

Des­fu­tu­ri­zan­do, os Mo­vi­men­tos de Li­ber­ta­ção nun­ca se de­vi­am ter trans­for­ma­do em par­ti­dos... pa­ra não con­ti­nu­a­rem co­mo dan­tes. Os par­ti­dos de­ve­ri­am ter si­do cons­ti­tuí­dos aqui, de­pois do 25 de Abril por­tu­guês. Mas vol­tan­do ao ví­deo, con­tém de­poi­men­tos de gran­de em­pa­tia, apoi­a­dos em bom tra­ba­lho de ima­gem, som e fo­to­gra­fia, fu­gin­do à co­la­gem de pos­tais e in­tro­du­zin­do o su­jei­to es­pec­ta­dor no ima­gi­ná­rio de um so­nho que se tor­nou re­a­li­da­de. O que es­tá bem. Aca­ba com a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia e tem en­tre­vis­tas da­das no es­tran­gei­ro (na­que­le tem­po) por Agos­ti­nho Neto, Amíl­car Ca­bral, Má­rio Pinto de Andrade ou Hol­den Ro­ber­to que nos fa­zem vol­tar a um pas­sa­do e a uma he­ran­ça. Com­prem... mes­mo que con­ti­nu­em a ver a princesa Gin­ga nu­ma co­boi­a­da... e co­mo diz um can­tor re­si­den­te na Me­lói, pen­so, a princesa “boa co­mo o mi­lho”.

Es­te ví­deo é do me­lhor que já se pro­du­ziu em ci­ne­ma aqui em An­go­la. Pa­ra­béns ao pro­du­tor Pau­lo La­ra e to­da a equi­pa jo­vem mais a va­li­o­sa pres­ta­ção da his­to­ri­a­do­ra São Neto. Era bom que ago­ra fi­zes­sem um fil­me so­bre de­pois da in­de­pen­dên­cia... que ma­te­ri­al não fal­ta.

O nascimento do MPLA, da UPA-FNLA e da UNITA. To­da es­ta obra de ar­te tem uma es­pé­cie de re­frão mar­te­la­do, são pá­gi­nas do diá­rio de De­o­lin­da, a guer­ri­lhei­ra es­cri­to­ra

A pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal es­tá bem gra­va­da na me­mó­ria do Po­vo DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.