Ra­zões da in­ter­ven­ção de An­go­la nos dois Con­gos

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO -

O li­vro de Ber­nard Lu­gan

é uma boa obra pa­ra en­ten­der as ra­zões da in­ter­ven­ção de An­go­la, en­tre Maio de 1997 e Ju­lho de 1998, nos dois Con­gos. A in­ter­ven­ção re­a­li­zou-se por ra­zões de se­gu­ran­ça por­que a UNITA guar­dou tro­pas no Zaí­re e de­sem­bar­cou ma­te­ri­al de guer­ra em Pon­ta Ne­gra. Es­cre­ve Ber­nard Lu­gan que “no imen­so con­fli­to da Áfri­ca Cen­tral li­ga­do aos acon­te­ci­men­tos re­gis­ta­dos na RDC e no Con­goB­raz­za­vil­le, o Exér­ci­to an­go­la­no jo­gou um pa­pel cru­ci­al”. Ao fa­zer fa­ce a du­as guer­ri­lhas, da FLEC e da UNITA no in­te­ri­or, o Go­ver­no an­go­la­no pri­vi­le­gi­ou, a par­tir de 1997, uma vi­go­ro­sa in­ter­ven­ção, que se re­a­li­zou em du­as eta­pas. De acor­do com Lu­gan, dez paí­ses es­ti­ve­ram en­ga­ja­dos na II Guer­ra do Con­go, que eclo­diu em Agos­to de 1998 quan­do o Pre­si­den­te Ka­bi­la ex­pul­sou o exér­ci­to ru­an­dês que o ha­via co­lo­ca­do no po­der, em 1997.

UNITA em Pon­ta Ne­gra

Em ris­co de per­der o Ae­ro­por­to de Lum­ba­la Nguim­bo, pe­ran­te as trans­for­ma­ções po­lí­ti­cas na Zâm­bia em que os seus aliados Chi­lu­ba e Ka­vin­de­le per­di­am o po­der, es­te país dei­xou de ser a ba­se prin­ci­pal mais pró­xi­ma do te­a­tro de guer­ra da UNITA e Sa­vim­bi vol­tou-se pa­ra o Con­go-Braz­za­vil­le, uti­li­zan­do o Ae­ro­por­to de Pon­ta Ne­gra. A UNITA guar­da­va o ma­te­ri­al em vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos, no­me­a­da­men­te, no To­go, no Con­go-Braz­za­vil­le e na RDC (Ki­to­na, Bo­ma e Ma­ta­di). A qua­li­da­de e a quan­ti­da­de do ar­ma­men­to des­car­re­ga­do cons­tam de um re­la­to que fez Oc­krent Ma­ren­ches, ex-che­fe dos Ser­vi­ços Se­cre­tos Fran­ce­ses, ao pre­si­den­te Gis­card D’Es­taing, so­bre a uti­li­za­ção do Por­to de Pon­ta Ne­gra. A per­da do ae­ro­por­to de Lum­ba­la Nguim­bo veio a acon­te­cer, com a sua re­to­ma­da pe­las FAA. Sa­vim­bi co­lo­cou no Nor­te de An­go­la uni­da­des che­fi­a­das por al­guns dos seus me­lho­res co­man­dan­tes, que des­truí­ram a ba­se pe­tro­lí­fe­ra do Kwan­da, no Soyo. De­via se­guir-se Ca­bin­da, que só não foi ata­ca­da por avi­so dos EUA. Mo­bu­tu apro­vei­tou a vi­ra­gem da UNITA pa­ra se re­for­çar con­tra uma in­ves­ti­da pa­ra o der­ru­bar, mas não o con­se­guiu. Co­mo es­cre­ve João Pau­lo Guer­ra no li­vro “Sa­vim­bi – Vi­da e Mor­te”, já Kis­sin­ger di­zia que

FOR­ÇAS AR­MA­DAS AN­GO­LA­NAS Ma­pa da “Ope­ra­ção Kis­son­de”, a fa­se der­ra­dei­ra de per­se­gui­ção do che­fe de re­be­lião em An­go­la, cu­ja mor­te a 22 de Fe­ve­rei­ro de 2002 abriu ca­mi­nho pa­ra o fim da guer­ra fra­tri­ci­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.