O re­for­ma­dor e im­pul­si­o­na­dor

Co­mo re­for­ma­dor da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e so­ci­al, o Pre­si­den­te pre­pa­rou o País pa­ra as gran­des mu­dan­ças e lan­çou as ba­ses pa­ra a cri­a­ção da so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca e o Es­ta­do de di­rei­to

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO -

Ru­an­da, do Bu­run­di e do Ugan­da que se or­ques­tra­va con­tra Jo­seph Ka­bi­la, de­pois do der­ru­be do di­ta­dor Mo­bu­tu Se­se Se­ko. Por fim, sou­be ain­da po­si­ci­o­nar for­ças nas li­nhas Braz­za­vil­le–Pon­ta Ne­gra, apoi­an­do Sas­sou Ngues­so con­tra Ko­le­las e Lis­sou­ba, es­te úl­ti­mo tam­bém ali­a­do de Sa­vim­bi, por­que, pe­lo Por­to de Pon­ta Ne­gra, a UNITA de­sem­bar­ca­va gran­des quan­ti­da­des de ar­ma­men­to que, uma vez in­tro­du­zi­das em An­go­la, per­mi­ti­ri­am o pro­lon­ga­men­to da guer­ra.

Sa­vim­bi e a UNITA, de­pois de per­de­rem a Jam­ba e o Ae­ro­por­to de Lum­ba­la Nguim­bo, pla­ne­a­ram cri­ar uma no­va Jam­ba no Nor­te do País, em Quim­be­le, ten­do co­mo re­ta­guar­da a RDC e a Re­pú­bli­ca do Con­go-Braz­za­vil­le.

A in­ter­ven­ção opor­tu­na de An­go­la, que pre­ser­vou a so­be­ra­nia e a in­te­gri­da­de do ter­ri­tó­rio an­go­la­no, só mais tar­de foi re­co­nhe­ci­da co­mo de gran­de-va­lia pe­las Na­ções Uni­das, pe­los Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, pe­la Fran­ça e pe­la Áfri­ca do Sul, pois con­cluí­ram que An­go­la não foi mo­vi­da por qual­quer es­tra­té­gia he­ge­mó­ni­ca ou ocu­pa­ci­o­nis­ta nem pe­la pre­ten­são de se afir­mar co­mo po­tên­cia re­gi­o­nal, mas pa­ra pro­te­ger a sua so­be­ra­nia e cri­ar con­di­ções pa­ra a paz e a es­ta­bi­li­da­de na Re­gião dos Gran­des La­gos.

Os pla­nos vin­dos do Ru­an­da e Ugan­da con­sis­ti­am em fa­zer de Ki­to­na, Mu­an­da e Kinsha­sa os pon­tos de par­ti­da pa­ra a in­va­são de An­go­la. Fo­ram des­do­bra­das tro­pas a mais de três mil qui­ló­me­tros da­que­les paí­ses, es­pe­ran­do que An­go­la não fi­zes­se qual­quer mo­vi­men­to de tro­pas na RDC. Po­rém, co­mo se­ria de es­pe­rar, tal não acon­te­ceu, por­que o Pre­si­den­te de An­go­la não foi com­pla­cen­te com es­sas in­ten­ções.

O re­sul­ta­do foi um des­fe­cho fa­vo­rá­vel e vi­to­ri­o­so pa­ra a co­li­ga­ção en­tre An­go­la, o Zim­babwe e a Na­mí­bia e me­lho­res pers­pec­ti­vas de paz na Áfri­ca Aus­tral e Gran­des La­gos.

Ape­sar de der­ro­ta­dos, não é de es­que­cer a ame­a­ça pro­fe­ri­da por Bi­zi­ma Ka­raha, en­tão mi­nis­tro ru­an­dês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros: “que o Exér­ci­to an­go­la­no se de­si­lu­da, por­que não es­tá ca­paz de sus­ter o avan­ço das tro­pas ru­an­de­sas so­bre Lu­an­da”.

Exis­tem in­for­ma­ções de que o Ru­an­da pre­ten­dia res­tau­rar o an­ti­go Rei­no tut­si de Ki­ge­ri Rwa­bu­gi­ri, que nin­guém sa­be on­de co­me­ça­ria nem ter­mi­na­ria, quais as fron­tei­ras vir­tu­ais ou re­ais, en­fim, uma “Tut­si­lân­dia” ex­pan­si­o­nis­ta que re­pre­sen­ta­ria mais ame­a­ça pa­ra a Re­gião dos Gran­des La­gos, a Ba­cia do Con­go e em par­ti­cu­lar pa­ra An­go­la.

“Es­ta­ria em mar­cha o pla­no pa­ra a res­tau­ra­ção do Im­pé­rio Hi­ma Tut­si, uma vez que se ve­ri­fi­cou um re­gres­so ve­la­do, mas es­ca­lo­na­do, de re­po­si­ci­o­na­men­to de tro­pas ru­an­de­ses em Ki­to­na, na sen­da da in­va­são ao Zai­re pe­la co­li­ga­ção Tut­si in­te­gra­da pe­lo Ru­an­da, Bu­run­di e Ugan­da. Fa­lar da re­cons­ti­tui­ção da ‘Tut­si­lân­dia’ ou do Im­pé­rio Hi­ma Tut­si não é uma qui­me­ra fan­tas­ma­gó­ri­ca e é con­ve­ni­en­te ana­li­sar es­ta in­ten­ção”, co­men­ta a nos­sa fon­te.

Gé­nio mi­li­tar

As­sim se re­ve­lou o pa­pel do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos nos 23 anos de guer­ra que vi­to­ri­o­sa­men­te con­du­ziu con­tra a sub­ver­são in­ter­na e as agres­sões ex­ter­nas, com a co­ni­vên­cia de agen­tes na­ci­o­nais.

O gé­nio mi­li­tar do Pre­si­den­te foi pos­to à pro­va lo­go que se tor­nou Co­man­dan­te­em-Che­fe das FAPLA e, so­bre­tu­do, pe­ran­te a lon­ga ocupação da par­te Sul do País, des­de 23 de Agos­to de 1981, quan­do co­me­çou a “Ope­ra­ção Pro­tea”, com o ata­que aé­reo da RSA à es­ta­ção ra­di­o­téc­ni­ca das FAPLA es­ta­ci­o­na­da em Chi­ven­da.

Um dos exer­cí­ci­os mi­li­ta­res do Pre­si­den­te te­ve lu­gar em 1978/1979, no ex-Ga­ma, no 1º Cur­so Su­pe­ri­or de Ofi­ci­ais do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa em Tác­ti­ca Ope­ra­ti­va e Es­ta­dos-Mai­o­res, on­de se dis­tin­guiu com a mais al­ta clas­si­fi­ca­ção, ao la­do de al­tos di­ri­gen­tes do Es­ta­do, da Se­gu­ran­ça, do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa e das For­ças Ar­ma­das.

Paz e re­cons­tru­ção

Co­mo es­ta­dis­ta e diplomata, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos le­vou o país a con­cluir os Acor­dos de No­va Ior­que (22 de De­zem­bro de 1988), o Acor­do de Bi­ces­se (31 de Maio de 1991), o Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to do Lu­e­na (4 de Abril de 2002) e o Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to do Na­mi­be (1 de Agos­to de 2006).

Co­mo re­for­ma­dor da po­lí­ti­ca so­ci­al e eco­nó­mi­ca do Es­ta­do an­go­la­no, o Pre­si­den­te pre­pa­rou o País pa­ra as gran­des mu­dan­ças no ho­ri­zon­te e lan­çou as ba­ses pa­ra a cri­a­ção da so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca e do Es­ta­do de di­rei­to.

Pa­ra com­ple­men­tar os es­for­ços da guer­ra e tam­bém pa­ra in­flu­en­ci­ar e cri­ar no­vos de­sen­vol­vi­men­tos no cam­po das ne­go­ci­a­ções, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ex­plo­rou ha­bil­men­te a ver­ten­te di­plo­má­ti­ca.

O Pre­si­den­te con­ce­beu, di­ri­giu e ma­te­ri­a­li­zou a es­tra­té­gia po­lí­ti­ca e di­plo­má­ti­ca do Go­ver­no an­go­la­no, pri­man­do pe­la de­nún­cia vi­go­ro­sa em to­dos os fo­runs in­ter­na­ci­o­nais da di­men­são san­gren­ta e des­trui­do­ra da ocupação de An­go­la, membro da ONU, pe­lo re­gi­me do

Co­mo re­for­ma­dor, o Pre­si­den­te pre­pa­rou o País pa­ra as gran­des mu­dan­ças po­lí­ti­cas e lan­çou as ba­ses pa­ra a cri­a­ção de uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca e um Es­ta­do de di­rei­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.