An­go­la con­ta com to­dos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

An­go­la con­ta com to­dos os seus fi­lhos, den­tro e fo­ra do país, no exer­cí­cio do po­der po­lí­ti­co, na opo­si­ção ou no ac­ti­vis­mo cí­vi­co, bem co­mo nou­tras áre­as que, com­bi­na­das ou não, aju­dam o país a cres­cer. A ideia de que o país con­ta com to­dos de­ve su­plan­tar in­ter­pre­ta­ções apo­ca­líp­ti­cas so­bre o fu­tu­ro ime­di­a­to que se apre­sen­ta pe­la fren­te, nu­ma al­tu­ra de con­ta­gem de­cres­cen­te pa­ra a en­tra­da em fun­ções do go­ver­no e do par­la­men­to no­vos. A ca­da pá­gi­na que o po­vo an­go­la­no vi­ra, na sua ca­mi­nha­da pa­ra trans­for­mar An­go­la nu­ma so­ci­e­da­de in­clu­si­va, fra­ter­na e boa pa­ra to­dos, de­ve­mos pre­gar sem­pre a ideia de que o país con­ta com to­dos. Es­sa de­ve ser a pre­mis­sa fun­da­men­tal que, po­si­ti­va­men­te, de­ver se apre­go­a­da por to­dos e em to­dos os can­tos do país. E ain­da bem que nal­gu­mas pro­vín­ci­as es­sa es­tra­té­gia, ver­da­dei­ro an­tí­do­to con­tra a ex­clu­são, já é en­sai­a­do por en­ti­da­des go­ver­na­men­tais.

“O go­ver­no con­ta com to­dos, in­de­pen­den­te­men­te da pos­tu­ra de ca­da um, pa­ra jun­tos ca­mi­nhar ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel”, dis­se há di­as o go­ver­na­dor do Na­mi­be, Rui Pinto de Andrade, nu­ma re­fe­rên­cia à ne­ces­si­da­de de con­tri­bui­ção que to­dos de­ve­rão dar.

A po­si­ção as­su­mi­da a ní­vel da pro­vín­cia, na ver­da­de, de­mons­tra o sen­ti­do de Es­ta­do e a di­men­são na­ci­o­nal que a es­tra­té­gia de con­tar com to­dos im­pli­ca, in­clu­si­ve pa­ra es­va­zi­ar os que se so­cor­rem do sec­ta­ris­mo e da di­vi­são pa­ra ac­tu­ar.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca elei­to, João Lou­ren­ço, nu­ma das in­ter­ven­ções a se­guir à di­vul­ga­ção ofi­ci­al e de­fi­ni­ti­va dos re­sul­ta­dos elei­to­rais, fez re­fe­rên­ci­as ex­plí­ci­tas de que co­mo Che­fe de Es­ta­do e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo pre­ten­de con­tar com to­dos. E não po­dia ser di­fe­ren­te, so­bre­tu­do a jul­gar pe­la im­po­si­ção cons­ti­tu­ci­o­nal atri­buí­da e es­pe­ra­da de um Che­fe de Es­ta­do, que de­ve “pro­mo­ver e as­se­gu­rar a uni­da­de na­ci­o­nal, a in­de­pen­dên­cia e a in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al do país e re­pre­sen­tar a na­ção no pla­no in­ter­no e in­ter­na­ci­o­nal.”

In­de­pen­den­te­men­te da diversidade que en­ri­que­ce o mo­sai­co cul­tu­ral, po­lí­ti­co, re­li­gi­o­so, etc, fe­liz­men­te, os pon­tos que unem os an­go­la­nos de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne são mais for­tes. E são es­tes atri­bu­tos do nos­so po­vo que de­vem ser apro­fun­da­dos, ca­da vez mais, pa­ra que as nos­sas di­fe­ren­ças, as nos­sas dis­cus­sões e por­que não even­tu­ais de­sen­ten­di­men­tos sir­vam pa­ra de­les apren­der­mos as me­lho­res li­ções.

O po­vo an­go­la­no não po­de nun­ca mais vi­ver de­bai­xo do man­to da se­pa­ra­ção por cau­sa de ques­tões po­lí­ti­cas, pro­ble­mas de con­cep­ção do país e ma­kas me­no­res tra­zi­dos à me­sa, ape­nas, sob o sig­no do de­ba­te pe­lo de­ba­te. É ver­da­de que não es­pe­ra­mos por um país do una­ni­mis­mo, nem so­mos apo­lo­gis­tas de que to­dos os an­go­la­nos de­vam pen­sar e agir da mes­ma ma­nei­ra, re­a­li­da­de im­pos­sí­vel mes­mo à luz da mais rí­gi­da ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca.

Acre­di­ta­mos que An­go­la cres­ce de for­ma mais equi­li­bra­da e har­mo­ni­o­sa se to­dos os seus fi­lhos fo­rem ca­pa­zes de pre­en­cher os es­pa­ços de in­ter­ven­ção e par­ti­ci­pa­ção a si re­ser­va­dos, ten­do por li­mi­te ori­en­ta­dor as leis, va­lo­res e tra­di­ções.

Co­mo va­ri­a­das ve­zes foi enal­te­ci­do por mui­tos, pre­ci­sa­mos de en­co­ra­jar o de­ba­te pa­ra bus­car­mos os ca­mi­nhos mais cur­tos que de­vem le­var o país ao de­sen­vol­vi­men­to e ao bem-es­tar das fa­mí­li­as. Ur­ge ven­cer o co­mo­dis­mo e a re­sig­na­ção fun­da­men­ta­dos na ideia er­ra­da se­gun­do a qual “não va­le a pena fa­zer mais na­da”, por­que, ale­ga­da­men­te, tu­do es­tá de­ci­di­do e fei­to.

Não é ver­da­de, por­que An­go­la se faz to­dos os di­as e me­lhor ain­da com o con­tri­bu­to de ca­da um de nós na ma­te­ri­a­li­za­ção do pro­gra­ma do par­ti­do ven­ce­dor das elei­ções, es­ti­mu­la­do pe­lo exer­cí­cio da opo­si­ção po­lí­ti­ca, do ci­vis­mo e da ci­da­da­nia. De­ve­mos to­dos pro­mo­ver a ideia de que An­go­la con­ta com to­dos.

Acre­di­ta­mos que An­go­la cres­ce de for­ma mais equi­li­bra­da e har­mo­ni­o­sa se to­dos os seus fi­lhos fo­rem ca­pa­zes de pre­en­cher os es­pa­ços de in­ter­ven­ção e par­ti­ci­pa­ção a si re­ser­va­dos, ten­do por li­mi­te ori­en­ta­dor as leis, va­lo­res e tra­di­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.