An­go­la im­por­tou me­nos nos pri­mei­ros três me­ses

Eco­no­mis­ta atri­bui a que­da às res­tri­ções na atri­bui­ção de di­vi­sas às em­pre­sas pe­lo BNA, o que li­mi­tou a aqui­si­ção de bens e ma­té­ria-pri­ma no mer­ca­do ex­ter­no

Jornal de Angola - - MUNDO - Ma­da­le­na Jo­sé

An­go­la re­du­ziu sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o vo­lu­me de im­por­ta­ções, du­ran­te o pri­mei­ro tri­mes­tre, ao ter atin­gi­do um mi­lhão, 516 mil e 748,79 to­ne­la­das de car­ga. O va­lor re­pre­sen­ta uma que­bra de 5,13 por cen­to (82 mil e 100,28 to­ne­la­das) em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2016, in­di­cam da­dos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC). O eco­no­mis­ta Rui Ma­la­qui­as atri­bui a que­da das im­por­ta­ções, no pri­mei­ro tri­mes­tre, às res­tri­ções na atri­bui­ção de di­vi­sas às em­pre­sas pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), o que li­mi­tou a im­por­ta­ção de ma­té­ria-pri­ma, pro­du­tos e bens de con­su­mo de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de. “A que­da das re­ser­vas ban­cá­ri­as re­duz a ven­da de di­vi­sas e tam­bém re­duz a im­por­ta­ção de pro­du­tos e bens de con­su­mo”, con­si­de­rou o eco­no­mis­ta. En­tre os pro­du­tos im­por­ta­dos, o clín­quer, ma­té­ri­a­pri­ma fun­da­men­tal pa­ra a pro­du­ção de ci­men­to, vol­tou a ser a car­ga mais des­ta­ca­da ao re­pre­sen­tar 10,6 por cen­to. O país im­por­tou 161 mil e 317,3 to­ne­la­das no pri­mei­ro tri­mes­tre, me­nos 126 mil e 384,77 com­pa­ra­ti­va­men­te ao pe­río­do ho­mó­lo­go de 2016, re­gis­tan­do a que­da na im­por­ta­ção ma­rí­ti­ma do clín­quer de 43,93 por cen­to.

Nes­te pe­río­do, o vo­lu­me to­tal de car­ga con­tem­plou pro­du­tos co­mo o ar­roz, com To­dos os sec­to­res re­gis­ta­ram um de­clí­nio na com­pra de ma­té­ria-pri­mas e bens de con­su­mo em que­da das im­por­ta­ções re­pre­sen­tam a pro­por­ção de que­da em clín­quer 10,2 por cen­to, açú­car de ca­na (7,4 por cen­to), a fa­ri­nha de tri­go (7,3 por cen­to) e de ce­re­ais (4,1 por cen­to), res­pec­ti­va­men­te. O do­cu­men­to tri­mes­tral in­for­ma que o Por­to de Lu­an­da ab­sol­veu 77,8 por cen­to da car­ga to­tal im­por­ta­da, com re­gis­to em bai­xa de 6,53 por cen­to com­pa­ra­ti­va­men­te ao pe­río­do an­te­ri­or. Em que­da es­ti­ve­ram tam­bém os por­tos de Ca­bin­da 23,59 por cen­to e Lo­bi­to 6,93 por cen­to.

Du­ran­te o pe­río­do em aná­li­se, re­gis­tou-se igual­men­te a en­tra­da, por via ma­rí­ti­ma, de mil e 624 veí­cu­los, 99,3 por cen­to dos quais, de­sem­bar­ca­ram no Por­to de Lu­an­da, re­gis­tan­do uma que­da de 19,52 por cen­to de uni­da­des de veí­cu­los.

Nes­te pe­río­do, o im­por­ta­dor de des­ta­que foi a No­va Ci­man­go­la, que im­por­tou 132 mil e 824,27 to­ne­la­das de clín­quer (8,76 por cen­to), me­nos 70 mil 616,33 to­ne­la­das fa­ce ao pri­mei­ro tri­mes­tre de 2016, re­gis­tan­do uma que­bra de 34,71 por cen­to. A Bi­o­com (5,16 por cen­to) e a Ci­men­fort In­dus­tri­al (3,9 por cen­to) são as em­pre­sas que fi­ca­ram na se­gun­da e ter­cei­ra po­si­ção, res­pec­ti­va­men­te.

Os paí­ses co­mo Tai­lân­dia (13,3 por cen­to), Por­tu­gal (13 por cen­to) e Bra­sil (12,2 por cen­to) cons­ti­tuí­ram os prin­ci­pais mer­ca­dos de ex­por­ta­ções ma­rí­ti­mas pa­ra An­go­la, du­ran­te o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017/2016. A Chi­na ocu­pou a quar­ta po­si­ção com que­da de 27,91 por cen­to.

En­tre Ja­nei­ro e Ju­lho, o co­mér­cio en­tre a An­go­la e a Chi­na atin­giu 13.378 mi­lhões de dó­la­res (2,231 tri­liões de kwan­zas), mais 48,61 por cen­to que no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, in­di­cam da­dos re­cen­tes do Fó­rum de Ma­cau. Os nú­me­ros, que dão con­ta das tro­cas en­tre a Chi­na e os paí­ses de lín­gua por­tu­gue­sa ao lon­go da­que­le pe­río­do, afir­mam que An­go­la ven­deu ao país asiá­ti­co pro­du­tos ava­li­a­dos em 12.129 mi­lhões de dó­la­res (2,022 tri­liões de kwan­zas) e com­prou o equi­va­len­te a 1.249 mi­lhões de dó­la­res (mais de 208 mi­lhões de kwan­zas).As im­por­ta­ções an­go­la­nas cres­ce­ram em 50,50 por cen­to, en­quan­to as ex­por­ta­ções pa­ra a Chi­na su­bi­ram em 32,47 por cen­to.

O va­lor do co­mér­cio bi­la­te­ral ob­ser­va­do nos pri­mei­ros se­te me­ses de 2017 é su­pe­ri­or ao re­gis­ta­do en­tre Ja­nei­ro e Ou­tu­bro do ano pas­sa­do, quan­do as tro­cas en­tre os dois paí­ses atin­gi­ram 12.788 mi­lhões de dó­la­res (2,132 tri­liões de kwan­zas), o que as­si­na­la uma ten­dên­cia pa­ra o cres­ci­men­to da ba­lan­ça co­mer­ci­al si­no-an­go­la­na. A Ásia con­ti­nua a li­de­rar a lis­ta das zo­nas de im­por­ta­ção de An­go­la, por in­fluên­cia da Chi­na e a Co­reia do Sul, com 39,5 por cen­to do vo­lu­me glo­bal das im­por­ta­ções, ten­do ex­por­ta­do pa­ra An­go­la me­nos de 68 mil 297,41 to­ne­la­das em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2016. No seg­men­to da ex­por­ta­ção, o Por­to do Na­mi­be li­de­rou com 73,15 por cen­to da car­ga, se­gui­dos pe­los por­tos do Soyo (12,8 por cen­to) e Lu­an­da (10,16 por cen­to). O gra­ni­to e ou­tras pe­dras de can­ta­ria, com re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de de 52,9 por cen­to, a ma­dei­ra em bru­to (8,11 por cen­to) e a fa­ri­nha de pei­xe (5,47 por cen­to) fo­ram os pro­du­tos mais ex­por­ta­dos.

O vo­lu­me to­tal de car­ga con­tem­plou pro­du­tos co­mo o ar­roz, açú­car de ca­na, a fa­ri­nha de tri­go e ce­re­ais

JOÃO GOMES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Por­to de Lu­an­da vol­tou a li­de­rar a re­cep­ção de mer­ca­do­ri­as im­por­ta­das en­quan­to o do Na­mi­be co­man­dou as ex­por­ta­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.