Pro­tec­ção do ecrã

Jornal de Angola - - LAZER -

Des­can­so da te­la, pro­tec­ção do ecrã, ou o ter­mo ori­gi­nal em in­glês, scre­en­sa­ver, é um pro­gra­ma de com­pu­ta­dor ori­gi­nal­men­te de­sen­vol­vi­do pa­ra pre­ser­var a qua­li­da­de de ima­gem do mo­ni­tor, sim­ples­men­te “es­cu­re­cen­do” a te­la ou pre­en­chen­do-a com ani­ma­ções quan­do o com­pu­ta­dor per­ma­ne­ce mui­to tem­po sem uso. Ac­tu­al­men­te, o des­can­so da te­la é mais uti­li­za­do por en­tre­te­ni­men­to ou se­gu­ran­ça.

An­tes da pro­li­fe­ra­ção dos mo­ni­to­res de LCD, a mai­o­ria das te­las de com­pu­ta­dor era ba­se­a­da na tec­no­lo­gia de tu­bo de rai­os ca­tó­di­cos (CRT si­gla em in­glês de catho­de ray tu­be). As ima­gens num mo­ni­tor CRT são ge­ra­das por rai­os de elec­trões emi­ti­dos na par­te pos­te­ri­or do tu­bo e ma­ni­pu­la­dos por cam­pos elec­tro­mag­né­ti­cos pa­ra for­mar as li­nhas da ima­gem na te­la fos­fo­res­cen­te vá­ri­as ve­zes por se­gun­do.

Em al­gu­mas si­tu­a­ções, as ima­gens exi­bi­das na te­la mu­dam cons­tan­te­men­te, mas, nou­tros ca­sos, al­gu­mas áre­as da te­la - ou a te­la in­tei­ra - mu­dam mui­to pou­co (a bar­ra de ta­re­fas do Win­dows por exem­plo). Quan­do uma ima­gem é mos­tra­da na te­la CRT por mui­to tem­po, as pro­pri­e­da­des das áre­as ex­pos­tas do re­ves­ti­men­to fos­fo­res­cen­te den­tro da te­la mu­dam gra­da­ti­va e per­ma­nen­te­men­te, le­van­do even­tu­al­men­te a uma “som­bra” ou “ima­gem fan­tas­ma” na te­la. Os­ci­los­có­pi­os de te­le­vi­so­res e ou­tros dis­po­si­ti­vos que usam CRT são sus­cep­tí­veis a es­sa “quei­ma” (burn-in), as­sim co­mo as te­las de plas­ma em pro­por­ções me­no­res.

O des­can­so de te­la foi de­sen­vol­vi­do ori­gi­nal­men­te pa­ra evi­tar es­tes efei­tos ao mu­dar au­to­ma­ti­ca­men­te as ima­gens na te­la nos mo­men­tos em que o com­pu­ta­dor não es­tá em uso (des­can­san­do, pro­te­gen­do ou ain­da sal­van­do a te­la). Po­de ser con­fi­gu­ra­do pa­ra ser exe­cu­ta­do após um cer­to pe­río­do de inac­ti­vi­da­de do te­cla­do, mou­se, ou ain­da ra­to. O des­can­so de te­la apa­ga-a ou, mais fre­quen­te­men­te, pro­duz efei­tos ani­ma­dos, evi­tan­do as­sim que al­gum ti­po de ima­gem se “fi­xe” na te­la. O des­can­so de te­la, tra­di­ci­o­nal­men­te, per­ma­ne­ce ac­ti­vo até que o usuá­rio pres­si­o­ne al­gu­ma te­cla, mo­vi­men­te o mou­se, ou in­te­ra­ja com ou­tro dis­po­si­ti­vo de en­tra­da do apa­re­lho, mo­men­to no qual o des­can­so de te­la é en­cer­ra­do e o con­teú­do an­te­ri­or des­ta é res­tau­ra­do, per­mi­tin­do ao usuá­rio con­ti­nu­ar a sua ta­re­fa.

Nas te­las de CRT usa­das em dis­po­si­ti­vos pú­bli­cos co­mo cai­xas elec­tró­ni­cas ou ain­da jo­gos de fli­pe­ra­ma, o ris­co do burn-in é es­pe­ci­al­men­te al­to de­vi­do à exi­bi­ção de uma te­la de sau­da­ção ou in­di­ca­do­res fi­xos no mo­men­to em que a má­qui­na não es­tá em uso. Dis­po­si­ti­vos an­ti­gos pro­jec­ta­dos sem con­si­de­rar os pro­ble­mas do burn-in, nor­mal­men­te, mos­tram es­tes da­nos à te­la, com ima­gens ou tex­tos co­mo “in­si­ra o seu car­tão”, vi­sí­veis mes­mo quan­do a te­la já exi­be ou­tro me­nu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.