Terra pa­ra os cam­po­ne­ses

Na sua pri­mei­ra des­lo­ca­ção ofi­ci­al a uma pro­vín­cia desde que foi in­ves­ti­do co­mo Chefe de Estado, a 26 de Setembro, João Lourenço prometeu dar a terra a quem de fac­to a tra­ba­lha

Jornal de Angola - - PARTADA - João Di­as | Ca­chiun­go

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço, de­fen­deu ontem, no Hu­am­bo, que a propriedade da terra deve ser da­da aos cam­po­ne­ses que a tra­ba­lham. O Chefe de Estado, que dis­cur­sa­va no mu­ni­cí­pio do Ca­chiun­go na aber­tu­ra da cam­pa­nha agrí­co­la 2017/2018, com­pro­me­teu-se a ini­ci­ar um pro­ces­so de ca­das­tra­men­to das ter­ras do país, pa­ra pos­te­ri­or­men­te se­rem atri­buí­das aos cam­po­ne­ses que já as cul­ti­vam. Com o tí­tu­lo de propriedade, os cam­po­ne­ses po­dem ob­ter cré­di­to ban­cá­rio pa­ra pro­du­zir mais co­mi­da. Na­que­la que foi a sua pri­mei­ra des­lo­ca­ção ofi­ci­al a uma pro­vín­cia desde que foi in­ves­ti­do co­mo Chefe de Estado, a 26 de Setembro, João Lourenço dis­se que o Go­ver­no vai tra­ba­lhar pa­ra pas­sar tí­tu­los de propriedade aos cam­po­ne­ses, de mo­do a que cada um pos­sa dizer ‘es­ta é a mi­nha terra’. “Porque quan­do se tra­ba­lha so­bre uma terra que com­pro­va­da­men­te é nos­sa, que po­de­mos exi­bir a pro­va de que é nos­sa, nós tra­ba­lha­mos com mais von­ta­de”, dis­se.

O Go­ver­no vai re­ti­rar as ter­ras ce­di­das e que não es­te­jam a ser ex­plo­ra­das. O anún­cio foi fei­to ontem no mu­ni­cí­pio do Ca­chiun­go, pro­vín­cia do Hu­am­bo, pelo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço, que avan­çou igual­men­te a atri­bui­ção de tí­tu­los de propriedade às fa­mí­li­as que quei­ram pro­du­zir.

“Te­mos um pro­ble­ma: as fa­mí­li­as não são de­ten­to­ras das ter­ras. Es­te é um tra­ba­lho que va­mos re­a­li­zar no sen­ti­do de ca­das­trar as ter­ras dos cam­po­ne­ses e con­se­guir­mos os tí­tu­los de propriedade pa­ra que cada um pos­sa dizer: es­ta é a mi­nha terra”, dis­se, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na aber­tu­ra do ano agrí­co­la 2017-2018, que tem o le­ma “Agri­cul­tu­ra na van­guar­da da di­ver­si­fi­ca­ção e da es­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca”.

Na sua pri­mei­ra des­lo­ca­ção ao in­te­ri­or do país co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço tes­te­mu­nhou, em Ca­chiun­go, a preparação de ter­ras, apli­ca­ção de cal­cá­rio, lan­ça­men­to da se­men­te de mi­lho e a plan­ta­ção de uma ár­vo­re fru­tei­ra.

En­tre os mei­os dis­tri­buí­dos, cons­tam ain­da 154.851 to­ne­la­das de adu­bo, 34.450 en­xa­das eu­ro­pei­as, 21.768 ca­ta­nas, 20 mil li­mas, 50 mil char­ru­as de trac­ção ani­mal e 204 car­ro­ças de trac­ção ani­mal às co­mu­ni­da­des pa­ra agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, além de va­ci­nas pa­ra ga­do e aves.

Pa­ra es­te ano agrí­co­la estão pre­pa­ra­das e equi­pa­das 15 bri­ga­das de me­ca­ni­za­ção de­vi­da­men­te equi­pa­das que vão ori­en­tar as fa­mí­li­as cam­po­ne­sas no no­vo qua­dro de pro­du­ção agrí­co­la. Quan­to à correcção de solos, foram tra­ba­lha­dos dez mil hec­ta­res de terra no Hu­am­bo, Bié, Huí­la, Ben­gue­la e Cu­an­za-Sul.

Au­men­tar a pro­du­ção

Ontem, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fa­lou na ne­ces­si­da­de de se au­men­tar a pro­du­ção de ce­re­ais por en­ten­der que cons­ti­tu­em a ba­se da nos­sa ali­men­ta­ção, mas tam­bém dos ani­mais, que por sua vez, são tam­bém ali­men­tos pa­ra o ho­mem.

Pe­ran­te uma imen­sa po­pu­la­ção saí­da dos 11 mu­ni­cí­pi­os do Hu­am­bo, o Chefe de Estado ex­pli­cou a ra­zão da sua vi­si­ta ao Ca­chiun­go. “O que vim fa­zer ao Hu­am­bo mais con­cre­ta­men­te ao mu­ni­cí­pio do Ca­chiun­go é dizer que é che­ga­da a ho­ra de se­me­ar, porque pa­ra co­lher te­mos de se­me­ar. Só co­lhe quem se­meia e nós se­me­a­mos no iní­cio da épo­ca das chu­vas”, dis­se, pa­ra dei­xar um ape­lo: “To­dos te­mos de ir pa­ra o cam­po, ar­re­ga­çar as man­gas e pro­du­zir co­mi­da”.

“Po­de­mos im­por­tar tu­do o res­to, co­mo aviões, navios, comboios, porque não te­mos mes­mo ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir es­tas coi­sas, mas te­mos ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir co­mi­da”, dis­se João Lourenço que acres­cen­tou: “Se te­mos ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir co­mi­da não po­de­mos im­por­tar co­mi­da”. Di­ver­si­fi­ca­ção O Chefe de Estado re­al­çou o pa­pel da agri­cul­tu­ra na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e dis­se que só se vai sen­tir sa­tis­fei­to se além do pe­tró­leo, o país for ca­paz de de­sen­vol­ver a agro­pe­cuá­ria. João Lourenço pe­diu ain­da apos­ta sé­ria na pro­du­ção do mi­lho, da so­ja, fei­jão e de ou­tros grãos es­sen­ci­ais na di­e­ta ali­men­tar, além de fa­zer com que as pro­vín­ci­as menos de­sen­vol­vi­das na agro­pe­cuá­ria ve­nham a ser tam­bém po­tên­ci­as agrí­co­las. “A ex­pe­ri­ên­cia de­mons­tra que é er­ra­do pensar que o mi­lho só dá no cen­tro e no sul do país e a man­di­o­ca no nor­te e les­te do país. Is­so é falso. Po­de­mos pro­du­zir mi­lho em qual­quer pon­to do país”, dis­se Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Num dis­cur­so de perto de uma ho­ra, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fez alu­são à mú­si­ca de Dom Ca­e­ta­no “A mi­nha terra tem tu­do, o meu chão dá tu­do”, re­fe­rin­do que tal en­cer­ra um sig­ni­fi­ca­do mui­to pro­fun­do, o que remete à ne­ces­si­da­de de mais e melhor tra­ba­lho pa­ra da terra se ti­rar mai­or ren­di­men­to por hec­ta­re”.

João Lourenço in­sis­tiu que têm de ser os an­go­la­nos a pro­du­zir ali­men­tos pa­ra si mes­mos e pa­ra ex­por­tar e as­sim ganhar dinheiro, pois “não é só o pe­tró­leo, di­a­man­tes e ou­ro que dão di­vi­sas, mas a co­mi­da tam­bém se ven­de bem em ou­tras par­tes do mun­do”. O Pre­si­den­te lem­brou que nos úl­ti­mos seis me­ses an­dou o país, o que per­mi­tiu cons­ta­tar que o po­vo an­go­la­no já pro­duz bas­tan­te bens ali­men­ta­res. "Qu­e­re­mos pro­du­zir mui­to mais. O que es­ta­mos a pro­du­zir ain­da não cria ex­ce­den­tes”, dis­se. O mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Mar­cos Nhun­ga, re­al­çou o em­pe-

“Es­te é um tra­ba­lho que va­mos re­a­li­zar no sen­ti­do de ca­das­trar as ter­ras dos cam­po­ne­ses e con­se­guir­mos os tí­tu­los de propriedade pa­ra que cada um pos­sa dizer: es­ta é a mi­nha terra”

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­ra fun­da­men­tal que os in­ves­ti­do­res ve­nham mon­tar as fá­bri­cas de va­ci­nas pa­ra o ga­do de to­do o ti­po equi­pa­men­to pa­ra a agri­cul­tu­ra e o país dei­xe de gas­tar di­ví­sas

nho pes­so­al do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­bre o de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la do país, prin­ci­pal­men­te pe­la mo­bi­li­za­ção de mei­os pa­ra o ano agrí­co­la.

“Dei­xa­mos o com­pro­mis­so de tu­do fa­zer pa­ra que a agri­cul­tu­ra se­ja a van­guar­da da di­ver­si­fi­ca­ção e a es­ta­bi­li­da­de da eco­no­mia an­go­la­na”, dis­se Mar­cos Nhun­ga.

Pro­du­ção de equi­pa­men­tos

A in­dús­tria na­ci­o­nal deve acom­pa­nhar o passo da agri­cul­tu­ra e atrair pa­ra o país in­ves­ti­do­res im­por­tan­tes ca­pa­zes de mon­tar fá­bri­cas de adu­bos e fer­ti­li­zan­tes, char­ru­as e trac­to­res, al­fai­as agrí­co­las, gra­des e de sis­te­mas de ir­ri­ga­ção.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­ra fun­da­men­tal que, ao in­vés de o país ter de com­prar por via de im­por­ta­ção, é pre­ci­so que os in­ves­ti­do­res ve­nham mon­tar as fá­bri­cas de va­ci­nas pa­ra o ga­do de to­do o ti­po, in­cluin­do pa­ra as aves no país.

“Es­te de­sa­fio é por um la­do pa­ra o sec­tor da in­dús­tria, e por ou­tro, di­rec­ta­men­te aos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros”, dis­se, su­bli­nhan­do: “o dia que con­se­guir­mos pro­du­zir na nos­sa terra as se­men­tes de que ne­ces­si­ta­mos e as mu­das pa­ra ár­vo­res de fru­tas de que ne­ces­si­ta­mos, as va­ci­nas, char­ru­as e en­xa­das, trac­to­res e sis­te­mas de re­ga, aí va­mos ter agri­cul­tu­ra a sé­rio, porque o res­to te­mos aqui, que é o ho­mem”.

João Lourenço su­bli­nhou que num fu­tu­ro bre­ve o país não deve con­ti­nu­ar a com­prar es­tes bens, pois pre­ten­de-se que os in­ves­ti­do­res ve­nham mon­tar as suas fá­bri­cas de adu­bos, fer­ti­li­zan­tes, char­ru­as e trac­to­res, al­fai­as agrí­co­las, gra­des e de sis­te­mas de ir­ri­ga­ção no país. “Que ve­nham mon­tar aqui as fá­bri­cas de va­ci­nas pa­ra o ga­do de to­fo o ti­po, in­cluin­do pa­ra as aves. Por la­do ao sec­tor da in­dús­tria, e por ou­tro di­rec­ta­men­te aos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros”.

O Pre­si­den­te lem­brou que du­ran­te os úl­ti­mos seis me­ses an­dou o país, o que per­mi­tiu cons­ta­tar que o po­vo an­go­la­no já pro­duz bas­tan­te bens ali­men­ta­res, mas “mes­mo as­sim não es­ta­mos sa­tis­fei­tos. Qu­e­re­mos pro­du­zir mui­to mais. O que es­ta­mos a pro­du­zir ain­da não cria ex­ce­den­tes”.

Pa­ra o Chefe de Estado o país deve atin­gir o pon­to de sa­tu­ra­ção, que se vai tra­du­zir na dis­po­ni­bi­li­da­de de co­mi­da a mais até che­gar a um ní­vel de ex­por­ta­ção.

ROGERIO TUTI | EDI­ÇÕES NOVEMBRO | HU­AM­BO João Lourenço abriu ontem no Hu­am­bo o no­vo ano agrí­co­la e re­for­çou a ideia de que a terra deve ser en­tre­gue a quem a tra­ba­lha

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­ce­beu in­for­ma­ções so­bre a pro­du­ção agro­pe­cuá­ria da re­gião ROGÉRIO TUTI | EDI­ÇÕES NOVEMBRO | CA­CHIUN­GO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.