Dar mais voz ao ci­da­dão

O Che­fe de Es­ta­do exor­tou on­tem os no­vos res­pon­sá­veis dos ór­gãos pú­bli­cos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al a en­con­tra­rem uma li­nha edi­to­ri­al que dê mais voz ao ci­da­dão e à so­ci­e­da­de ci­vil

Jornal de Angola - - PARTADA - Cân­di­do Bes­sa

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, pe­diu on­tem aos no­vos res­pon­sá­veis dos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção das em­pre­sas pú­bli­cas de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al que de­fi­nam uma li­nha edi­to­ri­al “que sir­va de fac­to o in­te­res­se pú­bli­co”, re­cor­dan­do que não há de­mo­cra­cia sem li­ber­da­de de im­pren­sa. “Não há de­mo­cra­cia sem li­ber­da­de de ex­pres­são, sem li­ber­da­de de im­pren­sa. Di­rei­tos con­sa­gra­dos na nos­sa Cons­ti­tui­ção e que o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, pri­mei­ro do que quais­quer ou­tras ins­ti­tui­ções do Es­ta­do an­go­la­no, tem a obri­ga­ção de res­pei­tar e cum­prir”, afir­mou o Che­fe de Es­ta­do du­ran­te a ce­ri­mó­nia de to­ma­da de pos­se dos no­vos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos.

Os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos de­vem pro­cu­rar en­con­trar uma li­nha edi­to­ri­al que sir­va, de fac­to, o in­te­res­se pú­bli­co, que dê voz, que dê es­pa­ço aos ci­da­dãos

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, ori­en­tou on­tem os res­pon­sá­veis dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos pa­ra da­rem mais es­pa­ço aos ci­da­dãos de di­fe­ren­tes es­tra­tos so­ci­ais e de or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil.

Ao con­fe­rir pos­se, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al da “Ci­da­de Al­ta”, aos no­vos mem­bros dos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção da Rádio Na­ci­o­nal de An­go­la (RNA), da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA), das Edições Novembro e da An­gop, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca lem­brou que “não há de­mo­cra­cia sem li­ber­da­de de ex­pres­são, sem li­ber­da­de de im­pren­sa, e que são di­rei­tos con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca e, por is­so, o “Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, pri­mei­ro do que qual­quer ou­tra ins­ti­tui­ção do Es­ta­do an­go­la­no, tem obri­ga­ção de res­pei­tar e cum­prir”. “Acre­di­ta­mos nas vos­sas ca­pa­ci­da­des pro­fis­si­o­nais e de in­ter­pre­tar o mo­men­to po­lí­ti­co que o país vi­ve, as­sim co­mo a nos­sa ati­tu­de e o nos­so com­por­ta­men­to de­vem ser es­tes, de sa­tis­fa­zer o in­te­res­se pú­bli­co”, dis­se o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, di­ri­gin­do-se às 28 en­ti­da­des, en­tre ad­mi­nis­tra­do­res exe­cu­ti­vos e não exe­cu­ti­vos que es­ti­ve­ram pre­sen­te na ce­ri­mó­nia de em­pos­sa­men­to.

“Os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­co de­vem pro­cu­rar en­con­trar uma li­nha edi­to­ri­al que sir­va, de fac­to, o in­te­res­se pú­bli­co, que dê voz, que dê es­pa­ço aos ci­da­dãos”, dis­se João Lou­ren­ço, que des­ta­cou o pa­pel que a Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la po­de exer­cer nes­te mo­men­to po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co do país.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pro­me­teu to­do o seu apoio pes­so­al, do Mi­nis­té­rio de Tu­te­la e do Exe­cu­ti­vo, no seu to­do, pa­ra que a TPA pos­sa ter um ca­nal in­ter­na­ci­o­nal que ven­da a ima­gem An­go­la, que mos­tre as be­le­zas, as gran­des po­ten­ci­a­li­da­des do país, pa­ra que pos­sa atrair tu­ris­tas e, so­bre­tu­do, atrair in­ves­ti­do­res pa­ra in­ves­ti­rem no país. “Gos­ta­ria de o país pas­sar a ter um ca­nal in­ter­na­ci­o­nal que a to­dos or­gu­lhe e que es­te­ja vi­ra­do não ape­nas pa­ra as co­mu­ni­da­des an­go­la­nas no ex­te­ri­or, mas vi­ra­do pa­ra o mun­do de uma for­ma ge­ral e que re­flic­ta, de fac­to, a re­a­li­da­de de An­go­la”, dis­se, pa­ra acres­cen­tar que de­ve ser um ca­nal que sir­va tam­bém a eco­no­mia na­ci­o­nal e que aju­de na cap­ta­ção do tu­ris­mo e do in­ves­ti­men­to pri­va­do es­tran­gei­ro. “Acre­di­ta­mos que o país só sai­rá a ga­nhar des­ta trans­for­ma­ção que ur­ge fa­zer”, con­cluiu o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca an­tes de de­se­jar su­ces­sos aos ges­to­res. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca rei­te­rou a men­sa- gem fei­ta du­ran­te a sua to­ma­da de pos­se, em Ou­tu­bro, quan­do pro­me­teu as­se­gu­rar um mai­or in­ves­ti­men­to pú­bli­co no sec­tor da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, de mo­do que os an­go­la­nos te­nham aces­so a uma in­for­ma­ção fi­de­dig­na em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

João Lou­ren­ço ape­lou, na al­tu­ra, aos ser­vi­do­res pú­bli­cos pa­ra que man­te­nham uma mai­or aber­tu­ra e apren­dam a con­vi­ver com a crí­ti­ca e com a di­fe­ren­ça de opi­nião, fa­vo­re­cen­do o de­ba­te de idei­as, com o fim úl­ti­mo da salvaguarda dos in­te­res­ses da Na­ção e dos ci­da­dãos.

“Ne­nhu­ma go­ver­na­ção se­rá bem su­ce­di­da sem o diá­lo­go aber­to com as di­fe­ren­tes for­ças so­ci­ais”, dis­se, pa­ra ga­ran­tir mai­or apos­ta nu­ma mai­or apro­xi­ma­ção aos sin­di­ca­tos e às or­dens pro­fis­si­o­nais, às or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais e a al­guns gru­pos de pres­são, en­quan­to par­cei­ros do Exe­cu­ti­vo. “To­das es­tas for­ças vi­vas de An­go­la têm de ser cha­ma­das a con­tri­buir pa­ra a con­cep­ção e exe­cu­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal e o Exe­cu­ti­vo ve­nham a apro­var”, afir­mou, na al­tu­ra, João Lou­ren­ço, que, co­mo Che­fe de Es­ta­do, pro­me­teu tra­ba­lhar “pa­ra que os sa­gra­dos la­ços do con­tra­to so­ci­al es­ta­be­le­ci­do en­tre o go­ver­nan­tes e os ci­da­dãos se­jam per­ma­nen­te­men­te re­no­va­dos, atra­vés da cri­a­ção de es­pa­ços pú­bli­cos de de­ba­te e tro­ca de opi­niões, bem co­mo atra­vés da cri­a­ção de mei­os efi­ca­zes e cé­le­res pa­ra se exi­gir o res­pei­to pe­los di­rei­tos e ga­ran­ti­as de par­ti­ci­pa­ção ple­na dos ci­da­dãos na re­so­lu­ção dos pro­ble­mas das co­mu­ni­da­des em que es­tão in­se­ri­dos”.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­co­nhe­ceu o pro­gres­so as­si­na­lá­vel na qua­li­da­de de in­for­ma­ção nos úl­ti­mos quin­ze anos. “Há mais jor­nais, mais es­ta­ções de rádio e mais es­ta­ções de te­le­vi­são e o de­ba­te é mais plu­ral e me­lho­rou tam­bém a li­ber­da­de de im­pren­sa”, dis­se, pa­ra acres­cen­tar: “es­ta­mos cons­ci­en­tes de que ain­da há mui­to por fa­zer e que es­ta­mos lon­ge de atin­gir o ide­al nes­sa ma­té­ria”. Se­ma­nas de­pois ter to­ma­do pos­se, o mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, João Melo, ti­nha avan­ça­do al­guns de­sa­fi­os pa­ra as em­pre­sas.

No do­mí­nio edi­to­ri­al, João Melo pe­diu de­ba­te plu­ral e con­tra­di­tó­rio, me­lho­rar a in­for­ma­ção re­gi­o­nal, au­men­tar o no­ti­ciá­rio afri­ca­no e pro­du­zir uma in­for­ma­ção ri­go­ro­sa, di­ver­sa, com­ple­ta e fac­tu­al, as­sim co­mo se­pa­rar cla­ra­men­te jor­na­lis­mo e pro­pa­gan­da, “em­bo­ra am­bos te­nham o seu lu­gar no es­pa­ço me­diá­ti­co”.

Já no do­mí­nio téc­ni­co, a apos­ta re­cai pa­ra a ex­pan­são do si­nal de rádio e TV, com so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas adap­ta­das, ra­ci­o­nais e mais ba­ra­tas, me­lho­rar a dis­tri­bui­ção da im­pren­sa es­cri­ta pa­ra le­var os jor­nais e re­vis­tas a to­dos os can­tos do país e a mo­der­ni­za­ção ur­gen­te a AN­GOP, no­me­a­da­men­te apos­tan­do no mul­ti­mé­dia.

De­pois de du­as se­ma­nas de vi­si­tas às em­pre­sas pú­bli­cas de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, o mi­nis­tro cons­ta­tou a exis­tên­cia de pro­ble­mas de ges­tão e pe­diu a re­vi­são da di­men­são e do mo­de­lo de ne­gó­ci­os das re­fe­ri­das em­pre­sas, pa­ra que se­jam mais ra­ci­o­nais, pro­du­ti­vas e efi­ci­en­tes, adap­tan­do­se ao con­tex­to ac­tu­al e às ne­ces­si­da­des es­tra­té­gi­cas do país, in­ter­nas e ex­ter­nas.

FRAN­CIS­CO BERNARDO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, de­se­jou su­ces­sos às en­ti­da­des que to­ma­ram pos­se e dis­se con­fi­ar na ca­pa­ci­da­de pro­fis­si­o­nal dos ges­to­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.