Es­cas­sez de ga­só­leo tra­va de­sem­pe­nho

De acor­do com a PRODEL, se o pro­ble­ma de abas­te­ci­men­to de ga­só­leo con­ti­nu­ar, a cen­tral tér­mi­ca de Me­non­gue po­de pa­ra­li­sar a qual­quer mo­men­to e res­trin­gir o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca à ci­da­de

Jornal de Angola - - DESTAQUE - Carlos Pau­li­no

A pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go es­tá a re­gis­tar nos úl­ti­mos di­as uma es­cas­sez acentuada de com­bus­tí­vel (ga­só­leo), si­tu­a­ção que es­tá a se re­flec­tir ne­ga­ti­va­men­te no de­sem­pe­nho das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das se­de­a­das na ci­da­de de Me­non­gue que, por es­te mo­ti­vo, es­tão pri­va­das de ener­gia eléc­tri­ca.

De acor­do com a PRODEL (ins­ti­tui­ção vo­ca­ci­o­na­da na pro­du­ção de ener­gia), se se man­ti­ver o pro­ble­ma de abas­te­ci­men­to de ga­só­leo, a cen­tral tér­mi­ca de Me­non­gue po­de pa­ra­li­sar a qual­quer mo­men­to.

Ac­tu­al­men­te, a cen­tral es­tá equi­pa­da com se­te ge­ra­do­res de 1.3 me­gawatts, dois dos quais es­tão ava­ri­a­dos. Em fun­ci­o­na­men­to, ca­da ge­ra­dor con­so­me tre­zen­tos e cin­quen­ta (350) li­tros de ga­só­leo e a PRODEL re­ce­be ape­nas 35 mil li­tros, in­su­fi­ci­en­tes pa­ra ali­men­tar as cin­co má­qui­nas du­ran­te 24 ho­ras.

Pa­ra um fun­ci­o­na­men­to ra­zoá­vel são ne­ces­sá­ri­os 50 mil li­tros de ga­só­leo por dia, pa­ra que os cin­co ge­ra­do­res pos­sam tra­ba­lhar inin­ter­rup­ta­men­te e ga­ran­tir ener­gia eléc­tri­ca aos cer­ca de 8.600 con­su­mi­do­res.

Por es­te mo­ti­vo a PRODEL e a ENDE ela­bo­ra­ram um pla­no de con­tin­gên­cia e de res­tri­ções no for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca à po­pu­la­ção.

No pe­río­do diur­no, das 6 às 17 ho­ras, a PRODEL fun­ci­o­na ape­nas com ge­ra­do­res que jun­tos pro­du­zem 2,6 me­gawatts. Das 18 as 6 ho­ras da ma­nhã, con­si­de­ra­do co­mo a ho­ra de pon­ta, tra­ba­lham os cin­co gru­pos ge­ra­do­res e ge­ram cer­ca de se­te me­gawatts, pa­ra o sis­te­ma de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca e ca­sei­ra, mas tam­bém se têm mos­tra­do in­su­fi­ci­en­tes por cau­sa do cres­ci­men­to da ci­da­de.

Du­ran­te o dia, a ENDE pri­o­ri­za ape­nas o for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca aos Pos­tos de Trans­for­ma­ções (PT) do Go­ver­no da Pro­vin­ci­al, Pa­lá­cio do go­ver­na­dor, Hos­pi­tal-Ge­ral, Ma­ter­ni­da­de Pro­vin­ci­al, Hos­pi­tal Pe­diá­tri­co, cen­tral de cap­ta­ção e tra­ta­men­to de água po­tá­vel, Ae­ro­por­to Co­man­dan­te Cu­e­nha e da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA).

Pro­cu­rou-se sa­ber jun­to da di­rec­ção lo­cal da So­nan­gol lo­gís­ti­ca o que es­ta­ria na ori­gem da es­cas­sez de com­bus­tí­vel e, so­bre­tu­do do ga­só­leo, na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, mas não se te­ve qual­quer su­ces­so, por­que um dos res­pon­sá­veis ale­gou tra­tar-se de um pro­ble­ma que es­ta­ria a acon­te­cer a ní­vel do país e que não se­ria da sua com­pe­tên­cia fa­lar so­bre o as­sun­to.

Fra­ca pro­du­ção de ener­gia

O di­rec­tor do cen­tro de dis­tri­bui­ção da ENDE no Cu­an­do Cu­ban­go, Rui Pai­xão, dis­se que a ener­gia eléc­tri­ca que a sua ins­ti­tui­ção es­tá a re­ce­ber da sua con­gé­ne­re PRODEL é mui­to in­fe­ri­or pa­ra co­brir a ci­da­de de Me­non­gue e que por es­ta ra­zão es­tá a se re­gis­tar mui­tas res­tri­ções.

Rui Pai­xão re­al­çou que o ac­tu­al pla­no de res­tri­ções obri­ga a ENDE a ten­tar ser o mais equi­li­bra­do pos­sí­vel na dis­tri­bui­ção de ener­gia, pa­ra que as pes­so­as não fi­cam mui­to tem­po sem o for­ne­ci­men­to da cor­ren­te eléc­tri­ca.

“Nes­te mo­men­to, a ENDE es­tá com mui­ta di­fi­cul­da­de pa­ra li­dar com es­ta si­tu­a­ção, ten­do em vis­ta que di­a­ri­a­men­te mui­tos cli­en­tes apa­re­cem nas nos­sas ins­ta­la­ções re­cla­man­do da fal­ta de ener­gia eléc­tri­ca no seu bair­ro ou na sua ca­sa, mas que não po­de­mos fa­zer na­da em fun­ção da fra­ca ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção a par­tir da PRODEL”, la­men­tou.

Ge­ra­do­res ava­ri­a­dos

A si­tu­a­ção agra­va-se ain­da mais pe­lo fac­to de dois, dos se­te gru­pos ge­ra­do­res da cen­tral tér­mi­ca de Me­non­gue, es­ta­rem nes­te mo­men­to fo­ra de ser­vi­ço, por­que um gru­po ge­ra­dor da­ni­fi­cou o mo­tor des­de 2015 e ou­tro aguar­dar-se a mais de dois me­ses por al­guns aces­só­ri­os a par­tir do ex­te­ri­or do país pa­ra a sua ma­nu­ten­ção.

Pa­ra uma ci­da­de co­mo a de Me­non­gue, que re­gis­tou nos úl­ti­mos tem­pos um cres­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo em ter­mo po­pu­la­ci­o­nal e ha­bi­ta­ci­o­nal, os seis me­gawatts que são pro­du­zi­dos ac­tu­al­men­te não che­gam pa­ra be­ne­fi­ci­ar to­dos os cli­en­tes 24 ho­ras ao dia.

Pa­ra su­prir o ac­tu­al dé­fi­ce de for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca na ci­da­de de Me­non­gue, a ENDE pre­ci­sa­ria de pe­lo me­nos uma pro­du­ção de 15 me­gawatts que po­de­ria per­mi­tir uma ges­tão mais con­sen­tâ­neo no que to­ca a dis­tri­bui­ção.

“Nes­ta con­di­ção que nos en­con­tra­mos fi­ca mui­to di­fí­cil sa­tis­fa­zer­mos as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção. Por es­te fac­to, há cli­en­tes que fi­cam mais de dois ou três di­as sem ener­gia eléc­tri­ca por cau­sa das res­tri­ções que es­ta­mos a efec­tu­ar de­vi­do o dé­fi­ce de pro­du­ção”, dis­se.

O cen­tro de dis­tri­bui­ção da ENDE pe­de sin­ce­ras des­cul­pas a to­dos os cli­en­tes da sua ins­ti­tui­ção e a po­pu­la­ção em ge­ral de Me­non­gue pe­las fa­lhas cons­tan­tes que se re­gis­tam nes­te mo­men­to no for­ne­ci­men­to da ener­gia elec­tri­ca na se­de ca­pi­tal da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go.

En­quan­to du­rar es­ta si­tu­a­ção, as pes­so­as de­vem pau­tar por um con­su­mo de ener­gia es­tri­ta­men­te ne­ces­sá­rio, apa­gan­do as lâm­pa­das nos com­par­ti­men­tos va­gos, des­li­gan­do os apa­re­lhos li­ga­dos des­ne­ces­sa­ri­a­men­te, den­tre ou­tros com­por­ta­men­tos que aju­dam a ra­ci­o­na­li­zar es­te ser­vi­ço.

Pa­ra su­prir o ac­tu­al dé­fi­ce de for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca na ci­da­de de Me­non­gue, a ENDE pre­ci­sa­ria de pe­lo me­nos uma pro­du­ção de 15 me­gawatts

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.