Aju­da ex­ter­na apoia re­to­ma

Che­fe de uma mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal pa­ra An­go­la con­si­de­ra po­si­ti­va a pre­ten­são do Go­ver­no de in­tro­du­zir o Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do a par­tir de 2019, de­pois da aná­li­se so­bre as pre­vi­sões ma­cro­e­co­nó­mi­cas

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

An­go­la es­tá a re­ce­ber apoio do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) pa­ra nor­ma­li­zar o aces­so dos ban­cos co­mer­ci­ais aos mer­ca­dos mo­ne­tá­ri­os in­ter­na­ci­o­nais, um pri­mei­ro pas­so pa­ra um acor­do de as­sis­tên­cia mais abran­gen­te, de acor­do com ana­lis­tas da Economist In­tel­li­gen­ce Unit.

O mi­nis­tro an­go­la­no das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, con­fir­mou que o Exe­cu­ti­vo es­tá a ava­li­ar um no­vo pro­gra­ma do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal, acres­cen­tan­do que ain­da não es­tá de­ci­di­do se in­clui fi­nan­ci­a­men­to. O ob­jec­ti­vo do no­vo Go­ver­no é apoi­ar a me­lho­ria da si­tu­a­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca, a con­so­li­da­ção or­ça­men­tal, o ajus­ta­men­to mo­ne­tá­rio e cam­bi­al e a pro­mo­ção de in­ves­ti­men­tos.

Com as ne­go­ci­a­ções nu­ma fa­se ini­ci­al, a Economist In­tel­li­gen­ce Unit afir­ma que um “en­vol­vi­men­to mais pro­fun­do do FMI, atra­vés de um pro­gra­ma for­mal, se­ria po­si­ti­vo pa­ra o país” e que as su­as pre­vi­sões pa­ra a eco­no­mia an­go­la­na irão re­flec­tir uma mai­or pro­ba­bi­li­da­de de re­for­ma, ca­so ha­ja um acor­do de as­sis­tên­cia, com ou sem fi­nan­ci­a­men­to.

A ques­tão, adi­an­ta, é a dis­po­ni­bi­li­da­de das au­to­ri­da­des pa­ra “adop­tar as du­ras re­for­mas e trans­pa­rên­cia”, em con­sequên­cia de um acor­do, re­fe­re a Economist In­tel­li­gen­ce Unit no seu re­la­tó­rio de Ou­tu­bro so­bre An­go­la. O Go­ver­no en­de­re­çou, em Abril de 2016, um pe­di­do for­mal de as­sis­tên­cia do FMI, mas três me­ses mais tar­de aban­do­nou as ne­go­ci­a­ções pa­ra um me­ca­nis­mo de fi­nan­ci­a­men­to alar­ga­do (EFF), pro­gra­ma de três anos que per­mi­ti­ria ace­der a um má­xi­mo de 4,5 mil mi­lhões de dó­la­res.

O che­fe da mis­são do FMI pa­ra An­go­la, Ri­car­do Vel­lo­so, es­te­ve em Lu­an­da na se­ma­na pas­sa­da, pa­ra con­sul­tas ao abri­go do Ar­ti­go IV, pou­cas se­ma­nas de­pois de o FMI ter anun­ci­a­do que vai apoi­ar o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) no pro­ces­so de ade­qua­ção da ins­ti­tui­ção “às nor­mas e bo­as prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais”, cu­jo in­cum­pri­men­to le­vou ao fim das re­la­ções com ban­cos cor­res­pon­den­tes, em 2016, agra­van­do a cri­se cam­bi­al, ao cor­tar o aces­so da ban­ca à com­pra de dó­la­res.

O Afri­ca Mo­ni­tor In­tel­li­gen­ce es­cre­veu re­cen­te­men­te que, no ac­tu­al con­tex­to de di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas, me­di­das ten­den­tes ao re­for­ço da atrac­ti­vi­da­de do país na cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e de me­lho­ria da ima­gem ex­ter­na são con­si­de­ra­das pri­o­ri­tá­ri­as, so­bre­tu­do em cír­cu­los fi­nan­cei­ros.

De acor­do com a mes­ma fon­te, as ajudas do FMI à ba­lan­ça de pa­ga­men­tos são con­si­de­ra­das cru­ci­ais e, en­tre as prin­ci­pais me­di­das es­pe­ra­das num fu­tu­ro acor­do, es­tá a des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za, não ha­ven­do dis­po­ni­bi­li­da­de do FMI pa­ra apoi­ar o pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo sem uma in­ter­ven­ção no mer­ca­do cam­bi­al (30 por cen­to de des­va­lo­ri­za­ção até ao fi­nal de 2017 ou no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018).

As re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais atin­gi­ram re­cen­te­men­te mí­ni­mos his­tó­ri­cos, de­vi­do à ven­da de di­vi­sas aos ban­cos co­mer­ci­ais por par­te do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la. FMI dis­po­ní­vel Há di­as, Ri­car­do Vel­lo­so ga­ran­tiu que o FMI “es­tá dis­po­ní­vel” pa­ra pres­tar as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra a An­go­la, des­de que ha­ja um pe­di­do nes­se sen­ti­do, “al­go que não ocor­reu até à da­ta”. O che­fe de uma mis­são do FMI pa­ra An­go­la dis­se, no fi­nal do en­con­tro pre­li­mi­nar, man­ti­do com a equi­pa eco­nó­mi­ca do Go­ver­no te­rem si­do ana­li­sa­das as pre­vi­sões ma­cro­e­co­nó­mi­cas e os pres­su­pos­tos em que se ba­seia o Pla­no In­ter­ca­lar de Me­di­das de Po­lí­ti­ca e Ac­ção (Ou­tu­bro des­te ano a Mar­ço de 2018), pa­ra a me­lho­ria da si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país.

Ri­car­do Vel­lo­so con­si­de­rou po­si­ti­va a pre­ten­são do Go­ver­no de in­tro­du­zir o Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) em 2019, uma su­ges­tão an­ti­ga da­que­la or­ga­ni­za­ção, ten­do anun­ci­a­do a des­lo­ca­ção a An­go­la, em fi­nais des­te mês, de uma mis­são do De­par­ta­men­to de Fi­nan­ças Pú­bli­cas do FMI, pa­ra dar apoio téc­ni­co nes­te âm­bi­to.

Re­la­ti­va­men­te ao Pla­no In­ter­ca­lar, apro­va­do a 10 de Ou­tu­bro, na pri­mei­ra reu­nião do Con­se­lho de Mi­nis­tros pre­si­di­da pe­lo no­vo Che­fe do Es­ta­do an­go­la­no, João Lou­ren­ço, pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país, o che­fe da mis­são do FMI pa­ra An­go­la dis­se que, nu­ma aná­li­se pro­vi­só­ria, o mes­mo apre­sen­ta “mui­ta coi­sa po­si­ti­va”. “A nos­sa ava­li­a­ção es­tá a co­me­çar, o pla­no é mui­to por­me­no­ri­za­do, há mui­tas me­di­das e a nos­sa ava­li­a­ção pro­vi­só­ria é que há mui­ta coi­sa po­si­ti­va, co­mo foi men­ci­o­na­do, a cri­a­ção do IVA é um as­pec­to mui­to po­si­ti­vo e um ou­tro as­pec­to que ve­mos com bons olhos tam­bém é a in­ten­ção de se mo­ver pa­ra o sis­te­ma de câm­bi­os mais fle­xí­vel”, fri­sou.

O FMI pres­ta as­sis­tên­cia a An­go­la, por meio das con­sul­tas anu­ais ao abri­go do ar­ti­go IV do Acor­do Cons­ti­tu­ti­vo e do pro­gra­ma de as­sis­tên­cia téc­ni­ca que co­bre vá­ri­as áre­as, co­mo as po­lí­ti­cas tri­bu­tá­ri­as, pre­vi­sões de da­dos ma­cro­e­co­nó­mi­cos do país, en­tre ou­tras. A de­le­ga­ção do FMI per­ma­ne­ce em An­go­la de 5 a 15 de Novembro, pa­ra apro­fun­dar o seu di­ag­nós­ti­co so­bre o país e es­trei­tar as re­la­ções de co­o­pe­ra­ção no sen­ti­do de, con­jun­ta­men­te, en­con­trar os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra a me­lho­ria da si­tu­a­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca.

De­le­ga­ção do FMI per­ma­ne­ce em An­go­la até hoje, pa­ra apro­fun­dar o seu di­ag­nós­ti­co so­bre o país e es­trei­tar as re­la­ções de co­o­pe­ra­ção no sen­ti­do de en­con­trar os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra a me­lho­ria da si­tu­a­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca

As­sis­tên­cia in­ter­na­ci­o­nal a An­go­la co­me­ça a ser re­for­ça­da pa­ra me­lho­rar o cres­ci­men­to da eco­no­mia VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.