OIT ter­mi­na la­ços com a in­dús­tria ta­ba­quei­ra

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

A Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho (OIT) anun­ci­ou que vai rom­per os la­ços com a in­dús­tria ta­ba­quei­ra, de quem re­ce­be fi­nan­ci­a­men­to atra­vés de dois pro­gra­mas pa­ra lu­tar con­tra o tra­ba­lho in­fan­til no cul­ti­vo de ta­ba­co.

O ór­gão exe­cu­ti­vo da OIT “de­ci­de que (...) não acei­ta mais fi­nan­ci­a­men­to da in­dús­tria do ta­ba­co e que as ali­an­ças de co­la­bo­ra­ção pú­bli­co-pri­va­da exis­ten­tes com a in­dús­tria ta­ba­quei­ra não se­rão re­no­va­das, de­pois de ven­ce­rem (em 2018)”, as­si­na­lou a or­ga­ni­za­ção num do­cu­men­to adop­ta­do no fi­nal de uma reu­nião.

A co­o­pe­ra­ção en­tre a OIT e a in­dús­tria do ta­ba­co en­vol­ve dois pro­gra­mas com um fi­nan­ci­a­men­to de 15 mi­lhões de dó­la­res da par­te do sec­tor, de acor­do com fon­tes da or­ga­ni­za­ção.

Em con­cre­to, a OIT man­tém ac­tu­al­men­te acor­dos com a “Ja­pan To­bac­co In­ter­na­ti­o­nal (JTI)” e com “Eli­mi­na­ting Child La­bour in To­bac­co-growing Foun­da­ti­on” (fi­nan­ci­a­da por ta­ba­quei­ras) que ex­pi­ram em Ju­nho e em De­zem­bro de 2018, res­pec­ti­va­men­te.

Na de­ci­são adop­ta­da no pas­sa­do dia 9 de Novembro, após vá­ri­os adi­a­men­tos e um com­pli­ca­do de­ba­te, de­vi­do à di­fi­cul­da­de de en­con­trar con­sen­so, o con­se­lho da OIT pe­diu ao di­rec­tor-ge­ral, Guy Ry­der, que ten­te con­se­guir fi­nan­ci­a­men­to de ou­tra for­ma.

Mais de 150 or­ga­ni­za­ções de saú­de e de lu­ta con­tra o ta­ba­co ti­nham es­cri­to aos mem­bros do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção des­ta agên­cia da ONU, su­bli­nhan­do que a Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho se ar­ris­ca­va a “man­char a sua re­pu­ta­ção e a efi­cá­cia do seu tra­ba­lho”, se não pu­ses­se fim às re­la­ções com a in­dús­tria do ta­ba­co, cri­ti­ca­da igual­men­te por tra­ba­lho in­fan­til.

A Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho ti­nha ex­pli­ca­do até ago­ra as su­as li­ga­ções com os pro­du­to­res de ta­ba­co, ale­gan­do que is­so aju­da­va a me­lho­rar as con­di­ções de tra­ba­lho de cer­ca de 60 mi­lhões de pes­so­as que tra­ba­lham no sec­tor.

TED ALJIBE | AFP Cri­an­ças ex­plo­ra­das no ta­ba­co fi­cam no­va­men­te vul­ne­rá­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.