Ge­ne­ral exi­ge saí­da de Ro­bert Mu­ga­be

De­cla­ra­ção “for­te e ra­ra” de res­pon­sá­vel das For­ças Ar­ma­das é fei­ta após Em­mer­son Mnan­gagwa fu­gir pa­ra a Áfri­ca do Sul

Jornal de Angola - - PARTADA -

O che­fe das For­ças Ar­ma­das do Zim­babwe, ge­ne­ral Cons­tan­ti­no Chiwen­ga, deu on­tem 24 ho­ras ao Pre­si­den­te Ro­bert Mu­ga­be pa­ra aban­do­nar o po­der. Foi de­cla­ra­do no país o re­co­lher obri­ga­tó­rio.

O che­fe do Exér­ci­to do Zim­babwe la­men­tou, na se­gun­da­fei­ra, a de­mis­são do Vi­ce-Pre­si­den­te do país, Em­mer­son Mnan­gagwa, e apela ao “fim” do que qua­li­fi­ca de “pur­ga” no seio do par­ti­do pre­si­den­ci­al ZANU-PF.

Em­mer­son Mnan­gagwa, por mui­to tem­po con­si­de­ra­do co­mo pos­sí­vel “del­fim” do Pre­si­den­te Ro­bert Mu­ga­be, foi de­mi­ti­do das fun­ções de Vi­ce-Pre­si­den­te na se­ma­na pas­sa­da, após um bra­ço-de­fer­ro com a pri­mei­ra-da­ma, Gra­ce Mu­ga­be, que se en­con­tra em po­si­ção pa­ra su­ce­der ao seu ma­ri­do.

“A pur­ga ac­tu­al que vi­sa cla­ra­men­te os mem­bros do par­ti­do (ZANU-PF) que se en­vol­ve­ram na guer­ra da in­de­pen­dên­cia de­ve pa­rar ime­di­a­ta­men­te”, dis­se o ge­ne­ral Cons­tan­ti­no Chiwen­ga nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa no quar­tel-ge­ne­ral do Exér­ci­to, no qual par­ti­ci­pa­ram 90 al­tos res­pon­sá­veis do Exér­ci­to.

“De­ve­mos lem­brar os que es­tão por trás des­tes pe­ri­go­sos ac­tos que quan­do se tra­ta de pro­te­ger a nos­sa re­vo­lu­ção, o Exér­ci­to não vai he­si­tar em in­ter­vir”, dis­se o ofi­ci­al ge­ne­ral.

Es­ta de­cla­ra­ção, “par­ti­cu­lar­men­te for­te e ra­ra” do che­fe do Exér­ci­to, nas palavras de ana­lis­tas po­lí­ti­cos, acon­te­ceu após Em­mer­son Mnan­gagwa fu­gir do Zim­babwe pa­ra a Áfri­ca do Sul.

Ana­lis­tas po­lí­ti­cos re­fe­rem que Em­mer­son Mnan­gagwa tem o apoio dos an­ti­gos com­ba­ten­tes de guer­ra da in­de­pen­dên­cia no Zim­babwe e man­tém li­ga­ções es­trei­tas com os mi­li­ta­res.

O Vi­ce-Pre­si­den­te des­ti­tuí­do do Zim­babwe anun­ci­ou ter dei­xa­do o país de­vi­do a “ame­a­ças in­ces­san­tes” de que era al­vo e pro­me­teu con­ti­nu­ar a lu­tar con­tra as de­ri­vas do Pre­si­den­te e da mu­lher, Ro­bert e Gra­ce Mu­ga­be.

“Já não es­tou no país e es­tou são e sal­vo”, dis­se Em­mer­son Mnan­gagwa em co­mu­ni­ca­do pu­bli­ca­do na se­ma­na pas­sa­da. O par­ti­do no po­der, ZANU-PF, pros­se­guiu, di­ri­gin­do-se ao Pre­si­den­te zim­bawe­a­no, “não é pro­pri­e­da­de sua nem da sua mu­lher”. Em­mer­son Mnan­gagwa pro­me­teu re­gres­sar ao país pa­ra di­ri­gir o par­ti­do.

Al­gu­mas ho­ras após tais de­cla­ra­ções, o an­ti­go Vi­ce­Pre­si­den­te foi ex­cluí­do do par­ti­do, que marcou o seu con­gres­so pa­ra De­zem­bro. Ana­lis­tas po­lí­ti­cos es­pe­cu­lam que, nes­ta oca­sião, Gra­ce Mu­ga­be po­de ser no­me­a­da pa­ra uma das vi­ce-pre­si­dên­ci­as que ago­ra es­tá va­ga.

Ao fa­lar pe­la pri­mei­ra vez des­de a de­mis­são de Em­mer­son Mnan­gagwa, o Pre­si­den­te Ro­bert Mu­ga­be jus­ti­fi­cou o afas­ta­men­to do an­ti­go ali­a­do por ale­ga­da­men­te cons­pi­rar pa­ra usur­par o po­der.

Pe­ran­te mi­lha­res de apoi­an­tes, o Pre­si­den­te zim­babwe­a­no, de 93 anos, dis­se que Em­mer­son Mnan­gagwa cons­pi­ra­va pa­ra as­su­mir o po­der des­de que as­su­miu a Vi­ce-Pre­si­dên­cia, em 2014, su­ce­den­do a Joi­ce Mu­ju­ru, afas­ta­da por, de acor­do com Ro­bert Mu­ga­be, usar a fei­ti­ça­ria pa­ra to­mar o po­der. “Ex­pul­sá­mo-lo pe­las mes­mas ra­zões”, dis­se Ro­bert Mu­ga­be, re­fe­rin­do-se a Em­mer­son Mnan­gagwa.

Os zim­babwe­a­nos es­tão pre­o­cu­pa­dos com a es­ca­la­da de ten­são pe­la su­ces­são no par­ti­do no po­der do Zim­babwe.

“Há bên­çãos e mal­di­ções. Mal­di­ções na me­di­da em que o fo­co não es­tá mais em ques­tões eco­nó­mi­cas ou em es­ta­bi­li­zar o que es­tá a acon­te­cer. As pes­so­as es­tão a so­frer. To­do o pro­gra­ma de di­nas­tia que o Pre­si­den­te Ro­bert Mu­ga­be tem, não que­re­mos mais is­so. Que­re­mos al­gu­ma mu­dan­ça”, afir­mou um zim­babwe­a­no.

Ou­tro ci­da­dão zim­babwe­a­no dis­se que es­pe­ra­va ver as pes­so­as no Go­ver­no mais uni­das, as­sim co­mo no par­ti­do no po­der. “Quan­do a pri­mei­ra-da­ma en­trar no po­der, co­mo é o mais pro­vá­vel, de­ve­mos pre­pa­rar­nos pa­ra mais ca­os. Não acho que is­so se­ja bom pa­ra a nos­sa eco­no­mia”, con­cluiu.

Ro­bert Mu­ga­be re­jei­tou, em Ha­ra­re, a par­ti­ci­pa­ção de ob­ser­va­do­res oci­den­tais nas elei­ções ge­rais de 2018, cu­ja da­ta ain­da não foi anun­ci­a­da, ao afir­mar que as ONG fi­nan­ci­a­das pe­lo Oci­den­te não vão ter per­mis­são pa­ra ob­ser­var a vo­ta­ção.

Ana­lis­tas po­lí­ti­cos re­fe­rem que Em­mer­son Mnan­gagwa tem o apoio dos an­ti­gos com­ba­ten­tes de guer­ra da in­de­pen­dên­cia e man­tém re­la­ções es­trei­tas com os mi­li­ta­res

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NOVEMBRO

Zim­babwe­a­nos vi­vem pe­río­do de in­cer­te­za com am­bi­en­te de ten­são no par­ti­do que go­ver­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.