LUÍ­SA RO­GÉ­RIO Jo­vens da Ban­da

Jornal de Angola - - PARTADA - Luí­sa Ro­gé­rio

Há al­guns dias ti­ve o gra­to pra­zer de par­ti­ci­par nu­ma ga­la de pre­mi­a­ção de jo­vens ta­len­tos na­ci­o­nais que se des­ta­ca­ram no ano cor­ren­te em di­ver­sas áre­as. Ape­sar de o jú­ri ter es­co­lhi­do um ven­ce­dor em ca­da ca­te­go­ria, de al­gum mo­do, to­dos os con­cor­ren­tes fo­ram ho­me­na­ge­a­dos e, por in­ter­mé­dio de­les, os jo­vens an­go­la­nos. A ga­la foi re­a­li­za­da pe­la re­vis­ta que tem o su­ges­ti­vo no­me “Jo­vens da Ban­da”, fun­da­da por Mi­la Stépha­nie Ma­la­vo­lo­ne­ke, que tam­bém as­su­me a di­rec­ção. For­ma­da em Di­rei­to por uma das mais pres­ti­gi­a­das uni­ver­si­da­des sul-afri­ca­nas e pós-gra­du­a­da em co­mér­cio marítimo, os­ten­ta o tí­tu­lo de em­bai­xa­do­ra mun­di­al da ju­ven­tu­de pe­la Co­mis­são Eu­ro­peia e a or­ga­ni­za­ção One Young World.

Mi­la Stépha­nie é “Jo­vem da Ban­da”, es­se pro­jec­to aguer­ri­do que aglu­ti­na em­pre­en­de­do­res de di­fe­ren­tes ori­gens uni­dos pe­la cren­ça e cer­te­za de que po­dem ser bons fi­lhos do país que pre­ten­de­mos me­lhor. Tes­te­mu­nhar o de­sem­pe­nho de jo­vens que pra­ti­ca­men­te vi nas­cer e cres­cer co­mo o Ti­a­go, o Mi­chel e o Is­ra­el, vê-los des­fi­lar ta­len­to re­for­çou a mi­nha con­vic­ção no fu­tu­ro. Ter in­te­ra­gi­do com a Hel­ga, for­ma­da em Me­di­ci­na aos 23 anos pe­la Uni­ver­si­da­de Agostinho Ne­to, com a Nú­ria, es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria, e de­mais membros en­vol­vi­dos de cor­po e al­ma com as cau­sas que defendem pro­du­ziu o efei­to de bál­sa­mo pa­ra a al­ma. Aqui­e­tou-me pro­fun­da­men­te. Te­mos vi­vei­ros. O ama­nhã po­de su­pe­rar in­fi­ni­ta­men­te o pas­sa­do de An­go­la.

Uma das prin­ci­pais no­tas da ga­la, mui­to bem or­ga­ni­za­da, ape­sar das fa­lhas que dei­xam sem­pre li­ções vá­li­das pa­ra qu­em alia ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção à von­ta­de de apren­der com os pró­pri­os er­ros, foi al­go que vi na te­la. Os mais aten­tos ou­vi­ram a ex­pres­são “pais da in­de­pen­dên­cia” as­so­ci­a­da ao ví­deo em exi­bi­ção. Eram Hol­den Roberto, Agostinho Ne­to e Jonas Sa­vim­bi, não ne­ces­sa­ri­a­men­te por es­sa or­dem. Olhan­do à vol­ta con­se­gui per­ce­ber al­guns so­bro­lhos fran­zi­dos mas, es­tra­nha­men­te, a mai­o­ria en­ca­rou a des­cri­ção com na­tu­ra­li­da­de. Al­go que não se­ria nor­mal há al­gum tem­po.

São pre­ci­sas do­ses re­for­ça­das de ou­sa­dia pa­ra in­se­rir a fi­gu­ra de Jonas Sa­vim­bi no rol dos pais da in­de­pen­dên­cia de An­go­la. Ou Hol­den Roberto que, mes­mo ten­do si­do en­ter­ra­do com hon­ras pro­to­co­la­res, tem a cam­pa vo­ta­da ao aban­do­no em Mban­za Kon­go, a sua ci­da­de na­tal. A his­tó­ria se tra­duz em fac­tos. Não se des­men­te. Con­tor­nan­do even­tu­ais ver­sões so­bre a re­al di­men­são dos in­ci­den­tes na sequên­cia da que­bra dos Acor­dos de Al­vor, estes fo­ram as­si­na­dos pe­los pre­si­den­tes do MPLA, da FNLA e da UNITA. Ou se­ja, Agostinho Ne­to, Hol­den Roberto e Jonas Sa­vim­bi. Por­tan­to, os jo­vens li­mi­ta­ram-se a ir atrás dos acon­te­ci­men­tos e di­vul­gá-los no ví­deo apre­sen­ta­do du­ran­te a ga­la.

O da­do não te­ria tanta re­le­vân­cia se, ao lon­go dos anos, não ti­vés­se­mos cul­ti­va­do o há­bi­to de si­len­ci­ar ca­pí­tu­los im­por­tan­tes da His­tó­ria de An­go­la. Os ma­nu­ais es­co­la­res re­flec­tem a omis­são, tal­vez de­vi­do ao con­tex­to po­lí­ti­co vi­gen­te du­ran­te o re­gi­me de par­ti­do úni­co, na­tu­ral­men­te agra­va­do na sequên­cia do con­fli­to pós-elei­to­ral. Fe­liz­men­te te­mos as­sis­ti­do à mu­dan­ça de pa­ra­dig­mas. Quin­ze anos após a con­quis­ta da paz é pos­sí­vel fa­lar de te­mas ou­tro­ra con­si­de­ra­dos de­ma­si­a­do sen­sí­veis. Já se fa­la de pais da in­de­pen­dên­cia no plu­ral sem o ris­co de se ser con­si­de­ra­do “ini­mi­go do po­vo”.

Não es­tá em cau­sa re­mar con­tra a ma­ré ou tão so­men­te ques­ti­o­nar os ma­nu­ais. In­te­res­sa apu­rar os fac­tos, ou­vir to­das as fon­tes his­tó­ri­cas, cru­zar as in­for­ma­ções e con­fron­tá-las. Ao in­tro­du­zi­rem di­fe­ren­tes vi­sões so­bre fac­tos co­muns, os jo­vens mos­tram-se in­te­res­sa­dos em sair do script pré-de­fi­ni­do. Cer­to! Ou não fos­sem eles jo­vens da ban­da. Ou­sa­dos e di­li­gen­tes. So­li­dá­ri­os e op­ti­mis­tas. Le­gí­ti­mos gu­ar­diões de so­nhos. Eles são os do­nos do fu­tu­ro.

Quin­ze anos após a con­quis­ta da paz é pos­sí­vel fa­lar de te­mas ou­tro­ra con­si­de­ra­dos de­ma­si­a­do sen­sí­veis, Já se fa­la dos pais da in­de­pen­dên­cia no plu­ral sem o ris­co de se ser con­si­de­ra­do “ini­mi­go do po­vo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.