Ins­ti­tu­to fis­ca­li­za obras pú­bli­cas

An­go­la vai con­tar com um Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Obras Pú­bli­cas, que te­rá a res­pon­sa­bi­li­da­de de es­ta­be­le­cer nor­mas e re­gu­la­men­tos a apli­car nos pro­ces­sos de con­cur­sos pú­bli­cos

Jornal de Angola - - PARTADA - Fon­se­ca Ben­gui

O mi­nis­tro Ma­nu­el Ta­va­res de Al­mei­da as­se­gu­rou on­tem, na aber­tu­ra do conselho con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção, que o Ins­ti­tu­to de Obras Pú­bli­cas, que vai nas­cer da ac­tu­al Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Ela­bo­ra­ção de Pro­jec­tos, te­rá a mis­são de re­gu­la­men­tar os pre­ços de con­sul­to­ria, ela­bo­ra­ção de pro­jec­tos, fis­ca­li­za­ção e cons­tru­ção. O mi­nis­té­rio vai igual­men­te po­ten­ci­ar o La­bo­ra­tó­rio de En­ge­nha­ria de An­go­la (LEA) com “equi­pa­men­tos e téc­ni­cos qua­li­fi­ca­dos, pa­ra po­der cer­ti­fi­car de fac­to a qua­li­da­de dos ma­te­ri­ais e das obras, atra­vés de pro­ces­sos mo­der­nos, efi­ca­zes e efi­ci­en­tes”. O mi­nis­tro apro­vei­tou o en­con­tro alar­ga­do pa­ra des­men­tir informações que acu­sam o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cons­tru­ção, Mo­la­res d’Abril, de des­vio de fun­dos. Não é ver­da­de. O Mi­nis­té­rio já com­pro­vou pu­bli­ca­men­te, de for­ma inequí­vo­ca, a fal­si­da­de des­sas informações, ga­ran­tiu.

O gru­po par­la­men­tar da UNITA con­si­de­rou, na ter­ça­fei­ra, que a si­tu­a­ção ac­tu­al vi­vi­da no mu­ni­cí­pio do Cu­an­go, pro­vín­cia da Lun­daNor­te, que en­fren­ta um sur­to de ma­lá­ria, "é o re­sul­ta­do de uma go­ver­na­ção ir­res­pon­sá­vel, uma go­ver­na­ção sem nor­te e sem pro­jec­tos so­ci­ais co­e­ren­tes".

"Há efec­ti­va­men­te uma do­en­ça com sin­to­mas de ma­lá­ria a ma­tar de cin­co a 12 cri­an­ças por dia", re­fe­re um re­la­tó­rio ela­bo­ra­do após a vi­si­ta efec­tu­a­da por uma de­le­ga­ção par­la­men­tar da UNITA à Lun­daNor­te, na sequên­cia de de­nún­ci­as de uma ale­ga­da epi­de­mia que es­ta­va a vi­ti­mar mai­o­ri­ta­ri­a­men­te cri­an­ças, na vi­la de Ca­fun­fo, mu­ni­cí­pio do Cu­an­go.

A do­en­ça, acres­cen­ta o do­cu­men­to, apre­sen­ta­do pe­lo pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar, Adal­ber­to Cos­ta Júnior, tor­na-se es­tra­nha na me­di­da em que "ac­tua de ma­nei­ra mui­to rá­pi­da le­van­do à mor­te as su­as ví­ti­mas".

A tí­tu­lo de exem­plo, se­gun­do os par­la­men­ta­res da UNITA, que vi­si­ta­ram a Lun­da-Nor­te en­tre os di­as 26 e 29 de No­vem­bro, de 1 de Se­tem­bro a 29 de No­vem­bro des­te ano te­rão pe­re­ci­do 1.080 cri­an­ças, dos ze­ro aos 17 anos.

"A au­sên­cia de po­lí­ti­cas pú­bli­cas con­tex­tu­a­li­za­das e a omis­são das au­to­ri­da­des lo­cais (des­de o Go­ver­no pro­vin­ci­al ao mu­ni­ci­pal) con­tri­buí­ram pa­ra a de­gra­da­ção do sis­te­ma de saú­de que ho­je tem, co­mo con­sequên­cia, o ele­va­do nú­me­ro de mor­tes, fru­to da ne­gli­gên­cia e da in­com­pe­tên­cia dos go­ver­nan­tes que per­mi­tiu o acu­mu­lar de li­xo e a pro­gres­são de ra­vi­nas pa­ra ní­veis as­sus­ta­do­res", re­fe­re o do­cu­men­to.

A UNITA dis­se que a po­pu­la­ção, na lo­ca­li­da­de de Ca­fun­fo, con­so­me água im­pró­pria, além de ha­ver au­sên­cia de sa­ne­a­men­to bá­si­co. "Pa­ra to­dos os pro­ble­mas que a po­pu­la­ção en­fren­ta, não exis­te uma ac­ção go­ver­na­ti­va pon­tu­al, com a fi­na­li­da­de de tra­zer soluções", re­fe­re o do­cu­men­to.

A de­le­ga­ção par­la­men­tar da UNITA, in­te­gra­da pe­los de­pu­ta­dos Jo­a­quim Na­foia e Cla­ris­se Mu­kin­da, vi­si­tou o hos­pi­tal de Ca­fun­fo e o ce­mi­té­rio lo­cal e man­te­ve en­con­tros com res­pon­sá­veis da saú­de, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções re­li­gi­o­sas e da so­ci­e­da­de ci­vil.

Os par­la­men­ta­res in­for­ma­ram que "di­an­te da an­gús­tia da po­pu­la­ção, as au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais re­sol­ve­ram es­con­der, de for­ma cri­mi­no­sa, a epi­de­mia e as mor­tes de cri­an­ças com o úni­co ob­jec­ti­vo de se man­ter no po­der". No en­ten­der dos par­la­men­ta­res, os go­ver­nan­tes da Lun­da-Nor­te es­con­dem o nú­me­ro re­al de óbi­tos hos­pi­ta­la­res e ig­no­ram as mor­tes ex­tra-hos­pi­ta­la­res. "São in­sen­sí­veis ao so­fri­men­to da po­pu­la­ção e são hos­tis a quem de­nun­cia a si­tu­a­ção deplorável a que a po­pu­la­ção de Ca­fun­fo se vê ex­pos­ta", re­fe­rem.

Da vi­si­ta às es­ta­ções de cap­ta­ção de água dos ri­os Bun­do, Nos­sa, Can­dan­ji e Cam­bam­ba, a co­mi­ti­va re­ve­lou ter fi­ca­do "cho­ca­da" com o es­ta­do dos ri­os e a qua­li­da­de da água que a po­pu­la­ção con­so­me. "A água que a po­pu­la­ção de Ca­fun­fo con­so­me é acas­ta­nha­da e po­de es­tar con­ta­mi­na­da, já que no ci­mo das res­pec­ti­vas nas­cen­tes se si­tu­am li­xei­ras gi­gan­tes", re­fe­re o re­la­tó­rio.

O do­cu­men­to des­cre­ve tam­bém a vi­si­tas a três ra­vi­nas na lo­ca­li­da­de, que no en­ten­der dos par­la­men­ta­res, "cons­ti­tu­em uma ver­da­dei­ra ame­a­ça pa­ra as po­pu­la­ções do Ca­fun­fo" e re­fe­re que mui­tas fa­mí­li­as fo­ram for­ça­das a aban­do­nar as su­as ca­sas de­vi­do à ame­a­ça da ero­são dos so­los.

A de­le­ga­ção man­te­ve um en­con­tro com re­pre­sen­tan­tes do Nú­cleo do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to e De­mo­cra­cia (IDD), que in­for­mou do que con­si­de­ra "con­di­ções sub-hu­ma­nas" em que a po­pu­la­ção lo­cal vi­ve.

Da vi­si­ta ao ce­mi­té­rio lo­cal, os de­pu­ta­dos di­zem que a ima­gem e ex­ten­são das cam­pas no­vas "é as­sus­ta­do­ra". "A ima­gem as­se­me­lha-se ao de uma la­vra de plan­ta­ção de man­di­o­ca, re­cen­te­men­te pre­pa­ra­da".

Das cons­ta­ta­ções fei­tas, a UNITA re­co­men­da a re­a­bi­li­ta­ção ur­gen­te do hos­pi­tal re­gi­o­nal, a re­qua­li­fi­ca­ção da vi­la de Ca­fun­fo, alo­ca­ção de mei­os à ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal do Cu­an­go pa­ra a re­co­lha do li­xo e sa­ne­a­men­to bá­si­co, com­ba­te e es­tan­ca­men­to de ra­vi­nas, re­flo­res­ta­men­to e ar­bo­ri­za­ção da vi­la e áre­as ad­ja­cen­tes, bem co­mo o es­tan­ca­men­to de des­vi­os e de­vas­ta­ção de ri­os, so­bre­tu­do do rio Cu­an­go, e cam­pa­nha de edu­ca­ção cí­vi­ca per­ma­nen­te.

Se­gun­do Adal­ber­to Cos­ta Júnior, o pro­pó­si­to do Gru­po Gru­po par­la­men­tar da UNITA foi pa­ra fa­zer um aler­ta que per­mi­tis­se uma re­ac­ção ur­gen­te da par­te das au­to­ri­da­des.

A au­sên­cia de po­lí­ti­cas pú­bli­cas con­tex­tu­a­li­za­das e a omis­são das au­to­ri­da­des con­tri­buí­ram pa­ra a de­gra­da­ção do sis­te­ma de saú­de que ho­je tem um ele­va­do nú­me­ro de mor­tes

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Adal­ber­to da Cos­ta Júnior dis­se que o pro­pó­si­to foi lan­çar um aler­ta pa­ra uma re­ac­ção ur­gen­te das au­to­ri­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.