Odis­seia dos pes­ca­do­res per­di­dos

Os seis pes­ca­do­res an­go­la­nos de­sa­pa­re­ci­dos há mais de 23 di­as no mar de Cabinda e res­ga­ta­dos na re­gião de Ogo­oué, no Ga­bão, re­gres­sa­ram já sãos e sal­vos ao con­ví­vio dos fa­mi­li­a­res e ami­gos

Jornal de Angola - - DESTAQUE - Al­ber­to Coelho / Cabinda

Acom­pa­nha­dos pe­lo vi­ce- côn­sul ge­ral de An­go­la em Pon­ta Ne­gra (Re­pú­bli­ca do Con­go Braz­za­vil­le), Celestino Fer­nan­des, e pe­lo se­gun­do se­cre­tá­rio da Em­bai­xa­da de An­go­la no Ga­bão, Laér­cio Da­vid, os pes­ca­do­res an­go­la­nos cru­za­ram o pos­to fron­tei­ri­ço de Mas­sa­bi, que se­pa­ra Cabinda e Pon­ta Ne­gra, as 11 ho­ras e 40 mi­nu­tos e fo­ram re­ce­bi­dos pe­la ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal de Ca­con­go, Mar­ga­ri­da Is­sa­co Bar­ros.

De­pois de re­ce­be­rem as bo­as vin­das, no Mas­sa­bi, "os ho­mens do mar" per­cor­ram 90 qui­ló­me­tros de es­tra­da até a se­de do Go­ver­no Pro­vin­ci­al, on­de fo­ram re­ce­bi­dos pe­lo vi­ce-go­ver­na­dor pa­ra a área Po­lí­ti­ca e So­ci­al, Al­ber­to Pa­ca, em re­pre­sen­ta­ção do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al.

Pe­ran­te os re­pre­sen­tan­tes das mis­sões di­plo­má­ti­cas an­go­la­nas no Ga­bão e em Pon­taNe­gra, o vi­ce-go­ver­na­dor de­se­jou aos pes­ca­do­res bom re­gres­so à ter­ra na­tal e ao con­ví­vio dos seus fa­mi­li­a­res e ami­gos que fi­ca­ram pre­o­cu­pa­dos com o seu de­sa­pa­re­ci­men­to.

Al­ber­to Pa­ca dis­se que a po­pu­la­ção da pro­vín­cia fi­cou cons­ter­na­da com a si­tu­a­ção mas, "tam­bém es­pe­ran­ço­sa que al­gu­ma sor­te nos ba­tes­se a por­ta e que es­ti­ves­sem vi­vos, aguen­tan­do to­das as ad­ver­si­da­des que o mar ofe­re­ce."

"As au­to­ri­da­des an­go­la­nas pre­o­cu­pa­ram-se bas­tan­te com o vos­so de­sa­pa­re­ci­men­to. O vos­so re­gres­so re­pre­sen­ta uma gran­de sa­tis­fa­ção, um alívio e uma ale­gria pa­ra to­dos. O im­por­tan­tes é es­ta­rem vi­vos e re­to­ma­rem as vos­sas vi­das jun­tos das fa­mí­li­as que tam­bém so­fre­ram mui­to com o vos­so de­sa­pa­re­ci­men­to", re­la­çou o go­ver­nan­te. Al­ber­to Pa­ca ani­mou os pes­ca­do­res e in­cen­ti­vou-os a pra­ti­car com mais res­pon­sa­bi­li­da­de as su­as ta­re­fas, so­bre­tu­do no que se re­fe­re as con­di­ções téc­ni­cas das em­bar­ca­ções e aos mei­os in­dis­pen­sá­veis à ac­ti­vi­da­de de pes­ca.

"São os­sos do ofí­cio, ca­da um com a sua pro­fis­são há-de en­con­trar sem­pre um aci­den­te e ago­ra têm de ter um pou­co mais de cui­da­do. É um sus­to gra­ve que ti­ve­ram pa­ra a vos­sa vi­da, pa­ra a fa­mí­lia e pa­ra o país, que, fe­liz­men­te, ter­mi­nou bem e es­ta­mos to­dos sa­tis­fei­tos," re­fe­riu.

Al­ber­to Pa­ca ga­ran­tiu apoio do Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Cabinda em re­la­ção à si­tu­a­ção de saú­de dos mes­mos, de­vi­do ao lon­go pe­río­do que fi­ca­ram pri­va­dos de ali­men­ta­ção e de água e que vi­ve­ram uma si­tu­a­ção dra­má­ti­ca.

Os di­as da odis­seia

Pas­sa­vam já das do­ze ho­ras do dia 30 de Ou­tu­bro do pre­sen­te ano quan­do Emí­lio Ma­vun­go, 48 anos, Se­bas­tião Sim­ba, 54, Ma­teus Buéia, 37, To­más Ndon­gui, 32, Ca­si­mi­ro Lu­em­ba, 33, e An­tó­nio Pú­cu­ta, 37, em­bar­ca­ram pa­ra mais uma jor­na­da de pes­ca co­mo era ha­bi­tu­al.

Zar­pa­ram da baía de Cabinda nu­ma pe­que­na em­bar­ca­ção do ti­po cha­ta, de fa­bri­co artesanal de­no­mi­na­da Is­ma­el e re­gis­ta­da na Ca­pi­ta­nia do Por­to de Cabinda com a ma­trí­cu­la CPC-1054.

Per­cor­re­ram mi­lhas e mi­lhas cer­ca de 14 ho­ras até che­gar ao des­ti­no pró­xi­mo do mu­ni­cí­pio do Soyo, pro­vín­cia do Zai­re. Pas­sa­vam já das du­as ho­ras de ma­dru­ga­da do dia se­guin­te.

Fo­ram cin­co di­as de in­ten­sa pes­ca. O pei­xe "pi­cou" bem, na lin­gua­gem dos pes­ca­do­res e as quan­ti­da­des eram já sa­tis­fa­tó­ri­as. As­sim, na tar­de de sá­ba­do, 4 de No­vem­bro, ha­via que em­pre­en­der o pro­ces­so de re­gres­so.

Os pes­ca­do­res con­ta­ram a his­tó­ria na pri­mei­ra pes­soa à re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la. Dis­se­ram que, as 23 ho­ras do dia 4 de No­vem­bro, quan­do já pre­pa­ra­vam a vi­a­gem de re­gres­so, o mo­tor de po­pa de 40 ca­va­los re­cu­sou a res­pon­der aos im­pul­sos da­dos a par­tir da ala­van­ca de li­ga­ção. To­das as ma­no­bras fo­ram fei­tas pa­ra pôr a má­qui­na a tra­ba­lhar, mas na­da. O es­for­ço fei­to pa­ra su­pe­rar a ava­ria do mo­tor foi em vão até a ma­nhã do dia se­guin­te, do­min­go. Co­mo o azar nun­ca vem só, as 22 ho­ras de do­min­go co­me­çou a cho­ver com al­gu­ma in­ten­si­da­de. A chu­va era acom­pa­nha­da de uma for­te ven­ta­nia. A for­ça do ven­to e a cor­ren­te­za das águas, em gran­de me­di­da por cul­pa da cor­ren­te fria de Ben­gue­la e do rio Zai­re, a pe­que­na em­bar­ca­ção de ma­dei­ra foi ar­ras­ta­da pa­ra o al­to mar, sem que os seus ocu­pan­tes des­sem por tal.

Na ma­nhã de se­gun­da-fei­ra, os "ho­mens do mar" aper­ce­be­ram-se de que es­ta­vam dis­tan­te do lo­cal on­de ha­vi­am an­co­ra­do a em­bar­ca­ção. Fi­ze­ram su­bir a ân­co­ra e es­ti­ca­ram a lo­na à fren­te da em­bar­ca­ção pa­ra que o ven­to os ar­ras­tas­se pa­ra a bei­ra. "Es­sa ma­no­bra não deu cer­to", ex­pli­ca­ram.

Re­ma­ram du­ran­te di­as sem su­ces­so. À me­di­da em que os di­as iam pas­san­do, a es­pe­ran­ça de ve­rem ter­ra fir­me se es­fu­ma­va. Fo­ram per­den­do for­ças pa­ra con­ti­nu­a­rem a re­mar. Dei­xa­ram-se le­var a be­lo pra­zer do ven­to e da cor­ren­te das águas. A em­bar­ca­ção foi de­ri­van­do no sen­ti­do Sul/Nor­te, sem pa­rar.

De­pois de uma se­ma­na à de­ri­va, os man­ti­men­tos que le­va­vam aca­ba­ram, res­tan­do ape­nas cin­co qui­los de fu­ba. "Eco­no­mi­za­mos a fu­ba ao má­xi­mo que pu­de­mos. Co­zi­nhá­va­mos um qui­lo por dia, o que deu pa­ra en­ga­nar o estô­ma­go du­ran­te mais al­guns di­as", dis­se

Na se­gun­da se­ma­na, a odis­seia no al­to mar pa­re­cia não ter fim. Qu­er a co­mi­da, qu­er a água aca­ba­ram. Al­guns ele­men­tos co­me­ça­ram a pa­de­cer de ane­mia. Fi­ca­ram de­si­dra­ta­dos de­vi­do à fal­ta de água. Daí co­me­ça­ram a con­su­mir a pró­pria uri­na. Fo­ram di­as tris­tes, per­de­ram a es­pe­ran­ça de vol­tar a ver os seus fa­mi­li­a­res e os ami­gos. A mor­te es­ta­va di­an­te de­les. Na ter­cei­ra se­ma­na, a cha­ta con­ti­nu­a­va à de­ri­va, acom­pa­nhan­do o sen­ti­do da cor­ren­te­za das águas.

“As au­to­ri­da­des an­go­la­nas pre­o­cu­pa­ram-se bas­tan­te com o vos­so de­sa­pa­re­ci­men­to. O vos­so re­gres­so re­pre­sen­ta uma gran­de sa­tis­fa­ção, um alívio e uma ale­gria pa­ra to­dos.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.