Mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O mo­men­to por que pas­sa o país exi­ge mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia que, sob o sig­no da me­lho­ria do que es­tá bem e cor­rec­ção do que es­tá mal, de­ve ser as­su­mi­do por to­dos de Cabinda ao Cu­ne­ne.

Não se tra­ta ape­nas de um de­sa­fio da go­ver­na­ção, co­mo apa­ren­te­men­te ten­de a ser a per­cep­ção, na me­di­da em que com pe­que­nos pas­sos che­ga­mos às me­tas pre­co­ni­za­das.

E não há dú­vi­das de que nes­tes cer­ca de 70 di­as do no­vo Go­ver­no, li­de­ra­do pe­lo Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, si­nais en­co­ra­ja­do­res têm já sur­gi­do ao ní­vel da fi­lo­so­fia de tra­ba­lho, do con­tri­bu­to que se es­pe­ra de ca­da um de nós e que de­ve con­ti­nu­ar co­mo pa­ra­dig­ma pa­ra as mu­dan­ças efec­ti­vas de que to­dos pre­ci­sa­mos.

Fo­mos ca­pa­zes e exem­pla­res na ges­tão do pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca pa­ci­fi­ca, um ac­ti­vo im­por­tan­te pa­ra os pro­pó­si­tos so­ci­ais e eco­nó­mi­cos que o país per­se­gue, e pre­ci­sa­mos de per­sis­tir nes­te ca­mi­nho de mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia. Es­tes úl­ti­mos dois ac­ti­vos são re­le­van­tes pa­ra o mo­men­to que o país vi­ve não ape­nas in­ter­na­men­te mas tam­bém ex­ter­na­men­te nu­ma al­tu­ra em que os in­ves­ti­do­res e as ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais se en­con­tram "de olho" no país.

É fun­da­men­tal que con­ti­nu­e­mos a fa­zer o nos­so tra­ba­lho de ca­sa ten­do co­mo ac­ti­vos vi­tais aque­les dois fac­to­res, mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia, in­clu­si­ve co­mo for­ma de as­se­gu­rar­mos os no­vos ru­mos per­se­gui­dos pe­lo país.

Es­ta no­va re­a­li­da­de pres­su­põe ne­ces­sá­ria e obri­ga­to­ri­a­men­te al­gu­mas rup­tu­ras com mo­de­los com­por­ta­men­tais e de ac­tu­a­ções do pas­sa­do, ra­zão pe­la qu­al de­ve exis­tir co­ra­gem, se­ri­e­da­de e se­re­ni­da­de pa­ra as­su­mir de­sa­fi­os de mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia. É pre­ci­so que o cum­pri­men­to de nor­mas ele­men­ta­res por par­te de to­dos co­mo o ho­rá­rio de tra­ba­lho, a as­si­dui­da­de, o exer­cí­cio da au­to­ri­da­de a to­dos os ní­veis, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes, se efec­ti­vem com o im­pac­to es­pe­ra­do na so­ci­e­da­de e nas ins­ti­tui­ções.

In­de­pen­den­te­men­te da ha­bi­tu­al e com­pre­en­sí­vel ten­dên­cia de se afe­rir as mu­dan­ças no seu as­pec­to ma­cro, nu­me­ro­sas me­di­das da ini­ci­a­ti­va do po­der Exe­cu­ti­vo inau­gu­ram uma fa­se com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. E é im­por­tan­te que es­sa ex­pe­ri­ên­cia se­ja não ape­nas pre­ser­va­da mas so­bre­tu­do en­co­ra­ja­da pa­ra que em tem­pos de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e de­sen­vol­vi­men­to, An­go­la dê pas­sos pa­ra me­lho­rar o bem-es­tar das fa­mí­li­as.

Não faz sen­ti­do en­ca­rar o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­sões, des­de que in­ci­da em mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as acom­pa­nha­das da trans­pa­rên­cia, com as in­ter­pre­ta­ções de su­pos­ta "ca­ça às bru­xas". Pre­ci­sa­mos de olhar pa­ra o fu­tu­ro, com di­ag­nós­ti­co pre­ci­so do es­ta­do pre­sen­te do país.

É en­co­ra­ja­dor e po­si­ti­vo sa­ber que as mu­dan­ças que An­go­la vi­ve eco­am pe­lo mun­do e são vis­tas co­mo a efec­ti­va­ção do com­pro­mis­so as­su­mi­do pe­lo Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, João Lou­ren­ço, pa­ra me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal.

As pa­la­vras da re­cém-no­me­a­da em­bai­xa­do­ra dos Es­ta­dos Uni­dos em An­go­la, Ni­na Ma­ria Fi­te, re­la­ti­vas às mu­dan­ças no país, de­vem ser­vir co­mo es­tí­mu­lo pa­ra que as mu­dan­ças ocor­ram e te­nham im­pac­to da vi­da das po­pu­la­ções.

"As com­pa­nhi­as ame­ri­ca­nas es­tão a acom­pa­nhar as mu­dan­ças com mui­to in­te­res­se, uma vez que as mes­mas vão me­lho­rar os ne­gó­ci­os en­tre am­bos os Es­ta­dos. É de­se­jo de to­dos ve­rem a eco­no­mia angolana a cres­cer e os EUA es­tão pron­tos a ajudar", dis­se a di­plo­ma­ta ame­ri­ca­na em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la.

Mu­dan­ça e trans­pa­rên­cia cons­ti­tu­em car­tões de vi­si­ta pa­ra a atrac­ção de bons in­ves­ti­men­tos in­ter­na­ci­o­nais no nos­so país.

É en­co­ra­ja­dor e po­si­ti­vo sa­ber que as mu­dan­ças que An­go­la vi­ve eco­am pe­lo mun­do e são vis­tas co­mo a efec­ti­va­ção do com­pro­mis­so as­su­mi­do pe­lo Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, João Lou­ren­ço, pa­ra me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.