Li­mi­tes e pe­ri­gos no uso das re­des so­ci­ais

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O te­ma é ac­tu­al, ga­nha no­vas ten­dên­ci­as a ca­da mi­nu­to e ques­ti­o­na-se até que pon­to os li­mi­tes e pe­ri­gos no uso das re­des so­ci­ais po­dem in­flu­en­ci­ar sociedades, num mo­men­to que, em An­go­la, tu­do, ou qua­se tu­do, pá­ra nes­tas pla­ta­for­mas di­gi­tais.

O pe­ri­go é re­al, os li­mi­tes sub­jec­ti­vos, mas os da­nos são evi­tá­veis, des­de que se cum­pram al­guns re­qui­si­tos no ma­nu­seio. A pre­o­cu­pa­ção pe­lo as­sun­to ga­nha tom di­fe­ren­te, jus­ta­men­te por se no­tar que, em An­go­la, a “fe­bre” por es­pa­lhar bo­a­tos ocu­pa es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do, não im­por­tan­do o es­ta­tu­to ou a clas­se so­ci­al.

É bem ver­da­de que, com o avan­ço tec­no­ló­gi­co, o aces­so à In­ter­net tor­nou-se ine­vi­tá­vel. Ho­je, es­tá-se ca­da vez mais pró­xi­mo das pes­so­as dis­tan­tes de nós e o in­ver­so tam­bém se apli­ca, em fun­ção do afas­ta­men­to “pre­sen­ci­al” de mem­bros da mes­ma co­mu­ni­da­de fí­si­ca, mas que, com a che­ga­da da “in­tru­sa ri­val”, mu­dou tu­do à vol­ta.

Não ten­do es­ta­tís­ti­ca ri­go­ro­sa à mão so­bre qu­an­tos an­go­la­nos es­tão co­nec­ta­dos às re­des so­ci­ais, hi­po­te­ti­ca­men­te, po­de di­zer-se que há mais usuá­ri­os do Facebook e Whatsapp, em­bo­ra ha­ja tam­bém os aman­tes do Twitter e Ins­ta­gram, en­tre ou­tras. Es­se fe­nó­me­no in­va­de la­res e cen­tros pro­fis­si­o­nais, traz con­si­go in­for­ma­ção glo­bal, mui­tas ve­zes sem fil­tro, ape­sar de ser um meio tam­bém de apren­di­za­gem pa­ra, in­fe­liz­men­te, a mi­no­ria.

Os ges­to­res des­tas pla­ta­for­mas es­tu­dam ago­ra mei­os pa­ra con­tro­lar a si­tu­a­ção. Mas es­tá di­fí­cil. Bus­ca-se meio-ter­mo. Há du­as cor­ren­tes: a pri­mei­ra de­fen­de a le­gis­la­ção pa­ra a sua re­gu­la­ção, em fa­ce dos es­tra­gos já cau­sa­dos e que pos­sam cres­cer, a ou­tra é con­tra e ar­gu­men­ta que uma lei so­bre elas li­mi­ta­ria a li­ber­da­de de ex­pres­são.

To­dos, po­rém, con­cor­dam num pon­to: as re­des so­ci­ais são mei­os de co­mu­ni­ca­ção que in­ter­li­gam pes­so­as por área de in­te­res­se de for­ma vir­tu­al, com ra­pi­dez de di­vul­ga­ção, in­de­pen­den­te­men­te da dis­tân­cia e com cus­to ir­ri­só­rio. Mas es­sa fa­ci­li­da­de e am­pli­tu­de no aces­so tra­zem as­pec­tos ne­ga­ti­vos que nor­mal­men­te ca­re­cem de cui­da­dos.

Co­mo a mai­o­ria da po­pu­la­ção angolana es­tá abai­xo dos 30 anos de ida­de, mais cui­da­do se im­põe. Es­sa fai­xa etá­ria en­con­tra-se na fa­se ac­ti­va e gran­de par­te em bus­ca do pri­mei­ro em­pre­go. Os jo­vens es­que­cem-se de que mui­tas em­pre­sas ho­je “ca­çam” ta­len­tos e se co­nec­tam às re­des so­ci­ais pa­ra es­co­lher o per­fil ade­qua­do do pro­fis­si­o­nal.

Bus­cam informações so­bre a con­du­ta, pre­fe­rên­cia, há­bi­tos, com­por­ta­men­to éti­co e, nas áre­as que en­vol­vem a es­cri­ta (prin­ci­pal­men­te), pro­cu­ra­se a boa re­dac­ção. Se­rá que o jo­vem aman­te das re­des so­ci­ais sa­be que es­tá a ser ob­ser­va­do e que po­de com­pro­me­ter o seu fu­tu­ro, por me­ro des­cui­do com­por­ta­men­tal no mun­do vir­tu­al?

Mu­dan­do de di­rec­ção, es­sa fa­ci­li­da­de (no mau uso) tam­bém po­de des­truir re­la­ci­o­na­men­tos, em­pre­gos e le­var à ca­deia (pri­são). Bem ou mal, elas são uti­li­za­das pa­ra a di­vul­ga­ção de cul­tu­ra, po­lí­ti­ca, la­zer, di­fa­ma­ção, de­nún­ci­as, in­tri­gas, fo­fo­cas e ou­tras informações, além de pro­mo­ve­rem vi­o­la­ções de Direitos Humanos (aten­ta­dos, apo­lo­gia a cri­mes, ra­cis­mo, in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa).

Di­an­te dis­so, o que se­ria uma boa so­lu­ção se tem re­ve­la­do mais um ca­so de es­tu­do, no qu­al to­dos são cha­ma­dos a ajudar no re­di­rec­ci­o­na­men­to com­por­ta­men­tal da so­ci­e­da­de. Afi­nal, qu­al é o li­mi­te en­tre o pú­bli­co e o pri­va­do? To­dos os usuá­ri­os es­tão ci­en­tes dos ris­cos so­bre o que se pu­bli­ca nas re­des so­ci­ais di­a­ri­a­men­te? Em ca­sa ou es­co­la, en­si­nam-se os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os no uso cor­rec­to de­las? Com que ida­de se de­ve ace­der a elas?

Ca­da an­go­la­no de­ve­ria sa­ber que, quan­do com­par­ti­lha, nas re­des so­ci­ais, informações pessoais e de vi­da par­ti­cu­lar, co­mo fo­tos, ví­de­os, en­de­re­ço, te­le­fo­ne, ho­rá­rio ou lo­cais que fre­quen­ta, es­tá a ex­por-se pa­ra to­dos e po­de co­lo­car-se em ris­co. Nun­ca é de­mais aler­tar que o usuá­rio de­ve sen­tir­se con­for­tá­vel com o que pu­bli­ca na In­ter­net e, ao cri­ar o seu per­fil, de­ve ser cau­te­lo­so. Nun­ca se sa­be a in­ten­ção do “ami­go ocul­to” que es­tá a ler ou a ver as informações. Se, ao cons­truir a ca­sa, por ques­tões de se­gu­ran­ça, co­lo­cam-se por­tões e gra­de­a­men­tos, além de ca­de­a­dos, por que ra­zão não pre­ser­var a pri­va­ci­da­de?

Ou­tro exem­plo de fá­cil com­pre­en­são é o que se re­gis­ta em Lu­an­da e nou­tros can­tos des­ta An­go­la. A vi­o­lên­cia e o cri­me ga­nham ter­re­no. Os ris­cos são in­con­tá­veis. To­dos os di­as ou­vem-se, lêem-se e vêem-se ce­nas de cri­me di­fe­ren­tes, mas gran­de par­te po­de es­tar li­ga­da ao que se ex­põe no mun­do vir­tu­al: se­ques­tros, rap­tos, as­sas­si­na­tos e ame­a­ças. Tam­bém um re­ca­do aos pais e edu­ca­do­res. Mai­or aten­ção qu­an­to ao uso das no­vas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção pe­las cri­an­ças e ado­les­cen­tes, pois cri­ar pá­gi­nas, fa­zer ví­de­os e ma­ni­pu­lá-las po­de ser di­fí­cil pa­ra si, mas pa­ra elas não. Proi­bir não adi­an­ta. Po­rém, mos­trar a for­ma cor­rec­ta e res­pon­sá­vel de usá-las po­de ser o ca­mi­nho. As cri­an­ças têm o di­rei­to de não ser ex­pos­tas, con­tu­do, a an­si­e­da­de e vai­da­de adul­tas vi­o­lam a pre­mis­sa im­pos­ta pe­la Cons­ti­tui­ção.

Por is­so, re­co­men­da-se evi­tar a ex­po­si­ção de por­me­no­res da vi­da, por­que a in­ti­mi­da­de é pre­ci­o­sa e não de­ve ser aber­ta pa­ra qual­quer pes­soa, ten­do que, quan­do se di­vul­ga in­for­ma­ção pes­so­al na in­ter­net, se tor­na pú­bli­ca.

Além dis­so, após a publicação, é im­pos­sí­vel vol­tar a es­con­dê-la. Su­bli­nha-se tam­bém que os “ca­de­a­dos” ou blo­quei­os de aces­so po­dem ser “que­bra­dos” por mal­do­sos, até por­que os da­dos são sus­cep­tí­veis de ser rou­ba­dos e ma­ni­pu­la­dos pa­ra ofen­der e chan­ta­ge­ar.

Em­bo­ra ha­ja ex­cep­ções, nun­ca acei­te con­vi­te de en­con­tro pre­sen­ci­al com des­co­nhe­ci­dos, prin­ci­pal­men­te, em lo­cais pou­co mo­vi­men­ta­dos. Qu­an­to me­nos informações no seu per­fil, me­lhor. Se di­vul­gar fo­tos, evi­te ex­por cri­an­ças ou en­de­re­ço de ca­sa ou es­co­las/cre­ches. Não par­ti­lhe informações ca­lu­ni­o­sas, es­te­ja lon­ge das bri­gas ci­ber­né­ti­cas. Ca­so se sin­ta ame­a­ça­do, o me­lhor é de­nun­ci­ar às au­to­ri­da­des e blo­que­ar.

Acon­se­lha-se aos pais a ob­ser­va­rem se exis­te al­gu­ma mu­dan­ça brus­ca no com­por­ta­men­to dos fi­lhos, es­ta­rem mais pre­sen­tes nas re­des so­ci­ais e na In­ter­net, pa­ra ga­nhar a sua con­fi­an­ça, na­ve­gar com eles e, de ma­nei­ra amá­vel, ir-lhes ad­ver­tin­do dos ris­cos que têm, im­por re­gras so­bre o uso das re­des so­ci­ais (co­mo não pu­bli­car fo­tos que iden­ti­fi­quem o lo­cal on­de se en­con­tram, pu­bli­car nú­me­ros de te­le­fo­nes, etc.).

As cri­an­ças têm o di­rei­to de não ser ex­pos­tas, con­tu­do, a an­si­e­da­de e vai­da­de adul­tas vi­o­lam a pre­mis­sa im­pos­ta pe­la Cons­ti­tui­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.