Ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca mui­to lon­ge do fim

Jornal de Angola - - MUNDO -

Mi­lha­res de pes­so­as es­tão a fu­gir de dis­tri­tos an­gló­fo­nos dos Ca­ma­rões des­de que as au­to­ri­da­des ca­ma­ro­ne­sas de­cla­ra­ram guer­ra con­tra os se­pa­ra­tis­tas do país e nu­ma al­tu­ra em que ci­da­dãos acu­sam as for­ças go­ver­na­men­tais de vi­o­la­ção se­xu­al, mor­tes e per­se­gui­ção.

Na es­tra­da Kum­ba-Mam­fé, na re­gião an­gló­fo­na dos Ca­ma­rões, sul do país, o mo­vi­men­to di­mi­nuiu dras­ti­ca­men­te. É por meio des­ta es­tra­da que os bens co­mer­ci­ais da Ni­gé­ria são tra­zi­dos pa­ra os Ca­ma­rões e vi­ce-ver­sa.

A co­mer­ci­an­te Ta­kem Ethel, 32 anos, dis­se à agência ale­mã Deuts­che Wel­le que mui­tos ne­gó­ci­os da re­gião fo­ram sus­pen­sos des­de que o Pre­si­den­te ca­ma­ro­nês, Paul Biya, de­cla­rou no fi­nal da se­ma­na pas­sa­da guer­ra aos gru­pos se­pa­ra­tis­tas.

A si­tu­a­ção é ten­sa nas ci­da­des de Mam­fé e Eyu­mo­jock, on­de seis sol­da­dos e um po­lí­cia fo­ram mor­tos na se­ma­na pas­sa­da. O Go­ver­no diz que se­pa­ra­tis­tas es­ta­vam a ser trei­na­dos na­que­las ci­da­des. Mam­fé é a ci­da­de na­tal de Ju­lius Ayuk Ta­be, que diz ser o pri­mei­ro pre­si­den­te da Am­ba­zó­nia, o no­me da­do ao Es­ta­do que os se­pa­ra­tis­tas afir­mam ter cri­a­do. A Ará­bia Sau­di­ta pro­me­teu 100 mi­lhões de dó­la­res pa­ra a cha­ma­da G5 Sahel, for­ça mi­li­tar re­gi­o­nal in­te­gra­da por cin­co paí­ses afri­ca­nos, Ma­li, Mau­ri­tâ­nia, Ní­ger, Bur­ki­na Fas­so e Cha­de, des­ti­na­da a com­ba­ter os gru­pos ter­ro­ris­tas que ac­tu­am na Áfri­ca Oci­den­tal, no­ti­ci­ou na ter­ça­fei­ra a Reuters.

A agência ci­ta o Mi­nis­té­rio ma­li­a­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, se­gun­do o qu­al Ri­a­de fez a pro­mes­sa du­ran­te uma vi­si­ta ao país do Mé­dio Ori­en­te, no fi­nal de No­vem­bro, do mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Ma­lá­sia, Ab­dou­laye Di­op.

Paris, pa­ra a Reuters “o pa­tro­ci­na­dor es­tran­gei­ro mais ex­pres­si­vo do G5 Sahel”, pres­si­o­nou Ri­a­de a to­mar ac­ções con­cre­tas pa­ra com­ba­ter mi­li­tan­tes is­lâ­mi­cos e o Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, pe­diu ao prín­ci­pe her­dei­ro sau­di­ta, Moham­med bin Sal­man, pa­ra apoi­ar a for­ça re­gi­o­nal quan­do o vi­si­tou em Ri­a­de, em No­vem­bro, lê-se no ar­ti­go da agência.

Os 100 mi­lhões pro­me­ti­dos pe­la Ará­bia Sau­di­ta, se efec­ti­va­do, são um gran­de im­pul­so pa­ra a For­ça G5 Sahel, que diz pre­ci­sar de cer­ca de 500 mi­lhões de dó­la­res pa­ra o seu pri­mei­ro ano de ope­ra­ções.

Washington pro­me­teu, na voz de Rex Til­ler­son, o seu se­cre­tá­rio de Es­ta­do, apoi­ar com 60 mi­lhões de dó­la­res a For­ça G5 Sahel, que qua­li­fi­cou de “só­ci­os re­gi­o­nais” dos EUA.

A União Eu­ro­peia pro­me­teu apoi­ar com 50 mi­lhões de euros, a Fran­ça com oi­to mi­lhões e ca­da país afri­ca­no que in­te­gra o G5 Sahel com dez mi­lhões de euros ca­da.

Es­te va­lor, so­ma­do, dá mais de 268 mi­lhões de dó­la­res, sem con­tar com Ber­lim, que há me­ses con­fir­mou, atra­vés da chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel, o com­pro­mis­so de fi­nan­ci­ar o G5 Sahel “com treino e for­ne­ci­men­to de equi­pa­men­tos”.

Po­rém, em Ou­tu­bro, um es­pe­ci­a­lis­ta mau­ri­ta­ni­a­no em ter­ro­ris­mo, Is­sel­mou Ould Sa­lihi, dis­se ao ca­nal de te­le­vi­são Deuts­che Wel­le que mui­tas das pro­mes­sas ain­da não fo­ram efec­ti­va­das.

A ONU, ape­sar de ter apro­va­do a cri­a­ção da for­ça em Ju­nho des­te ano, re­cu­sa-se a fi­nan­ciá-la.

“Gran­des pro­mes­sas fo­ram fei­tas na reu­nião de do­a­do­res em Ber­lim, mas qua­se na­da che­gou à re­gião do Sahel”, la­men­tou Is­sel­mou Ould Sa­lihi.

Tam­bém em Ou­tu­bro, a agência ale­mã no­ti­ci­ou que a for­ça G5 Sahel es­ta­va sem di­nhei­ro pa­ra exe­cu­tar a fun­ção pa­ra a qu­al foi con­ce­bi­da. No mes­mo mês, o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU dis­se pe­ran­te o Conselho de Se­gu­ran­ça que a si­tu­a­ção no Sahel “re­quer ac­ções ino­va­do­ras” pa­ra apoi­ar os es­for­ços da For­ça re­gi­o­nal em áre­as co­mo se­gu­ran­ça, de­sen­vol­vi­men­to e go­ver­na­ção.

Ao dis­cur­sar num de­ba­te de­di­ca­do à for­ça in­ter­na­ci­o­nal de com­ba­te ao ter­ro­ris­mo re­a­li­za­do após uma de­le­ga­ção da­que­le ór­gão ava­li­ar a ope­ra­ci­o­na­li­za­ção da for­ça, An­tó­nio Gu­ter­res dis­se que a ONU pre­ci­sa de “unir es­for­ços pa­ra abor­dar as cau­sas pro­fun­das da ins­ta­bi­li­da­de” no Sahel, sob pe­na da fal­ta de ac­ção “ter gra­ves con­sequên­ci­as pa­ra a re­gião e além fron­tei­ras”.

An­tó­nio Gu­ter­res pe­diu “mais am­bi­ção nas su­as op­ções” ao Conselho de Se­gu­ran­ça, dis­se ser cru­ci­al “um for­te apoio po­lí­ti­co com ma­te­ri­al e nas ope­ra­ções do G5Sahel” e que “ape­nas uma res­pos­ta mul­ti­di­men­si­o­nal vai pôr fim à ins­ta­bi­li­da­de na re­gião”.

In­ter­ven­ção es­sa que “de­ve ser re­for­ça­da nas áre­as de go­ver­na­ção, de­sen­vol­vi­men­to e re­si­li­ên­cia”,dis­se.

O G5 Sahel lan­çou a pri­mei­ra cam­pa­nha mi­li­tar em Ou­tu­bro, nu­ma al­tu­ra de for­te agi­ta­ção na re­gião cu­jas fron­tei­ras são re­gu­lar­men­te atra­ves­sa­das por gru­pos re­bel­des, com des­ta­que pa­ra a Al Qa­e­da e o Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Es­tes gru­pos in­ten­si­fi­ca­ram os ata­ques a al­vos mi­li­ta­res e ci­vis, in­cluin­do atrac­ções tu­rís­ti­cas em ca­pi­tais re­gi­o­nais, sus­ci­tan­do re­cei­os de que a zo­na se tor­ne um no­vo vi­vei­ro pa­ra mi­li­tan­tes.

A re­gião do Sahel en­fren­ta o ca­os des­de a que­da, em 2011, do en­tão Pre­si­den­te lí­bio Mu­am­mar Kadha­fi, des­de que re­bel­des is­la­mi­tas as­su­mi­ram o con­tro­lo do nor­te do Ma­li, em 2012, e des­de que o Bo­ko Ha­ram au­men­tou a pre­sen­ça no nor­te da Ni­gé­ria.

A si­tu­a­ção no Ma­li é par­ti­cu­lar­men­te pre­o­cu­pan­te. A Mis­são Mul­ti­di­men­si­o­nal In­te­gra­da pa­ra Es­ta­bi­li­za­ção da ONU no Ma­li (MINUSMA) é con­si­de­ra­da a mais pe­ri­go­sa no mun­do. En­tre 2013 e 2017, um to­tal de 116 ca­pa­ce­tes azuis mor­re­ram no Ma­li.

Ará­bia Sau­di­ta é o mais re­cen­te de vá­ri­os paí­ses que pro­me­te­ram apoio à For­ça G5 Sahel in­te­gra­da por cin­co Es­ta­dos afri­ca­nos e que con­ti­nua à es­pe­ra da aju­da pro­me­ti­da

STRINGER| AFP Ca­ma­ro­ne­ses fa­lan­tes de in­glês di­zem ser mar­gi­na­li­za­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.