Ge­ne­ral An­dra­de re­jei­ta aca­tar or­dem de tri­bu­nal

Po­lí­cia le­vou ho­ras pa­ra de­sa­lo­jar o ge­ne­ral de com­ple­xos ha­bi­ta­ci­o­nais que ocu­pou ile­gal­men­te na Ilha do Ca­bo

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Ya­ra Simão

“Eu da­qui não saio por­que sou ge­ne­ral.” A ci­ta­ção é do ge­ne­ral An­tó­nio An­dra­de, fei­ta du­ran­te vá­ri­as ho­ras, quan­do ten­ta­va im­pe­dir o cum­pri­men­to de uma sen­ten­ça do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, que or­de­nou a res­ti­tui­ção ime­di­a­ta dos dois com­ple­xos com mais de 60 apar­ta­men­tos que es­bu­lhou de for­ma vi­o­len­ta.

A re­sis­tên­cia à de­ci­são do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da acon­te­ceu na pre­sen­ça de 24 agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, que le­va­ram, ter­ça­fei­ra, seis ho­ras pa­ra de­sa­lo­jar o ge­ne­ral An­tó­nio An­dra­de e a se­gu­ran­ça pri­va­da que pro­te­gia os dois com­ple­xos re­si­den­ci­ais to­ma­dos à for­ça por si, na Ilha do Ca­bo.

Os agen­tes es­ti­ve­ram no lo­cal pa­ra cons­ta­tar o cum­pri­men­to por ofi­ci­ais de di­li­gên­cia de uma sen­ten­ça di­ta­da a 23 de No­vem­bro pas­sa­do pe­la juíza Zi­nai­da da Cos­ta Men­des, da 1ª Sec­ção do Cí­vel e Ad­mi­nis­tra­ti­vo, que con­fir­mou o es­bu­lho vi­o­len­to dos dois com­ple­xos pe­lo ge­ne­ral e sua fa­mí­lia e or­de­nou a res­ti­tui­ção ime­di­a­ta das pro­pri­e­da­des, que per­ten­cem, em mais de 90 por cen­to, a in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros.

An­tó­nio An­dra­de ain­da cha­mou o seu ad­vo­ga­do, Fumwathu Gahu­ma Gui­lher­me, que, de acor­do com tes­te­mu­nhas ocu­la­res, con­ven­ceu os ofi­ci­ais de di­li­gên­cia e os agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal a che­ga­rem a “um meio ter­mo”, pa­ra que o ge­ne­ral não fos­se des­pe­ja­do à for­ça.

Por for­ça do “meio ter­mo” ne­go­ci­a­do, os agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal per­mi­ti­ram que o ge­ne­ral dei­xas­se um dos seus guar­das na can­ce­la do com­ple­xo Isha, on­de vi­vem os seus dois fi­lhos, a pro­cu­ra­do­ra Na­tasha An­dra­de San­tos e o ca­pi­tão Mi­guel Ke­nehe­le An­dra­de, sen­do es­te de­ten­tor da par­ti­ci­pa­ção de se­te por cen­to na so­ci­e­da­de pro­pri­e­tá­ria dos com­ple­xos ha­bi­ta­ci­o­nais.

O li­tí­gio co­me­çou quan­do a fa­mí­lia An­dra­de ha­via es­cor­ra­ça­do os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros com o ob­jec­ti­vo de­cla­ra­do de fi­car com tu­do, quan­do, na ver­da­de, só tem uma par­ti­ci­pa­ção de se­te por cen­to.

Con­tac­ta­do pe­lo Jor­nal de An­go­la, o ge­ne­ral An­tó­nio An­dra­de ne­gou que te­nha re­ce­bi­do or­dem de des­pe­jo do Tri­bu­nal. “Eu con­ti­nuo aqui, não fui des­pe­ja­do”, dis­se, acres­cen­tan­do que re­ce­beu uma pro­vi­dên­cia cau­te­lar de res­ti­tui­ção de pos­se.

A lu­ta pe­la re­cu­pe­ra­ção to­tal das pro­pri­e­da­des vai con­ti­nu­ar com os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros a en­ce­ta­rem di­li­gên­ci­as pa­ra que a pro­cu­ra­do­ra Na­tasha An­dra­de San­tos e o ir­mão pa­guem ren­da pe­los apar­ta­men­tos que ocu­pam, sob pe­na de se­rem des­pe­ja­dos. Idên­ti­co des­ti­no po­de ter o ad­vo­ga­do Fumwathu Gui­lher­me, que tem es­cri­tó­rio no se­gun­do com­ple­xo, Pi­na. A pro­cu­ra­do­ra foi re­cen­te­men­te sus­pen­sa pe­la sua par­ti­ci­pa­ção na bur­la.

O ca­so que opõe a fa­mí­lia An­dra­de aos só­ci­os es­tran­gei­ros foi men­ci­o­na­do, na úl­ti­ma se­ma­na de No­vem­bro, pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, João Ma­ria de Sousa, que des­men­tiu o en­vol­vi­men­to do Es­ta­do an­go­la­no na ac­ção in­ten­ta­da pe­la em­pre­sa Áfri­ca Growth Cor­po­ra­ti­on (AGC), no Tri­bu­nal do Dis­tri­to de Co­lúm­bia, nos Es­ta­dos Uni­dos, por ale­ga­do rou­bo de 55 mi­lhões de dó­la­res pe­lo ge­ne­ral na re­ser­va e dois fi­lhos, com quem ti­nha so­ci­e­da­de num ne­gó­cio de cons­tru­ção de imóveis.

O ge­ne­ral An­tó­nio An­dra­de ne­gou o seu en­vol­vi­men­to e dos fi­lhos Mi­guel e Na­ta­cha An­dra­de na ac­ção ju­di­ci­al num tri­bu­nal dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca in­ter­pos­ta pe­la em­pre­sa nor­te-ame­ri­ca­na Afri­ca Growth Cor­po­ra­ti­on (AGC), por ale­ga­do rou­bo de 55 mi­lhões de dó­la­res à em­pre­sa es­tran­gei­ra, com quem su­pos­ta­men­te ti­nha so­ci­e­da­de num ne­gó­cio de cons­tru­ção de imóveis.

Nu­ma no­ta di­ri­gi­da ao Jor­nal de An­go­la pa­ra es­cla­re­cer informações di­vul­ga­das pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, o ge­ne­ral na re­ser­va, An­tó­nio An­dra­de, afir­ma que “a fa­mí­lia, em que se des­ta­ca a pro­cu­ra­do­ra Na­ta­cha An­dra­de, não tem e nun­ca te­ve ne­gó­ci­os com em­pre­sa ame­ri­ca­na.” Lu­an­da pre­ci­sa atin­gir, nos pró­xi­mos tem­pos, a ci­fra de um mi­lhão de me­tros cú­bi­cos de água pa­ra abas­te­cer a po­pu­la­ção, co­mo for­ma de su­pe­rar a ac­tu­al ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de 750 mil me­tros cú­bi­cos, deu a co­nhe­cer on­tem, o vi­ce go­ver­na­dor pa­ra a Área Eco­nó­mi­ca.

Ape­sar de a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da ser de 750 mil me­tros cú­bi­cos de água, nes­te mo­men­to, Lu­an­da es­tá a con­su­mir ape­nas 500 mil me­tros cú­bi­cos, ní­veis con­si­de­ra­dos bai­xos pe­lo vi­ce­go­ver­na­dor pa­ra Área Eco­nó­mi­ca, Júlio Bes­sa.

Num en­con­tro so­bre a pro­ble­má­ti­ca da água em Lu­an­da, re­a­li­za­do na se­de do GPL, Júlio Bes­sa dis­se que a EPAL tem es­ta­do a efec­tu­ar o abas­te­ci­men­to de água à ca­pi­tal, con­for­me as su­as pos­si­bi­li­da­des e es­tá ori­en­ta­da a in­for­mar a po­pu­la­ção sem­pre que ten­ci­o­nar efec­tu­ar cor­tes e res­tri­ções.

O vi­ce go­ver­na­dor tam­bém pe­diu mais vi­gi­lân­cia e du­re­za con­tra os ga­rim­pei­ros de água. “Nós va­mos apre­sen­tar ao Go­ver­no Cen­tral as pre­o­cu­pa­ções da EPAL, no sen­ti­do de se au­men­tar o in­ves­ti­men­to da água na pro­vín­cia”.

Os prin­ci­pais cons­tran­gi­men­tos no abas­te­ci­men­to de água es­tão re­la­ci­o­na­dos com a in­su­fi­ci­ên­cia da pro­du­ção, de­vi­do ao es­ta­do téc­ni­co das es­ta­ções, des­va­lo­ri­za­ção dos dis­po­si­ti­vos hí­dri­cos da re­de de dis­tri­bui­ção, bem co­mo as ma­no­bras e cor­tes do fu­so de vál­vu­las, o que di­fi­cul­ta a ope­ra­ção de fecho e aber­tu­ra de zo­nas.

A da­ni­fi­ca­ção de con­du­tas cau­sa­das por ter­cei­ros, em tra­ba­lhos de ter­ra­pla­na­gem, re­qua­li­fi­ca­ção das vi­as, es­ca­va­ção de ou­tras re­des téc­ni­cas e re­co­lha de re­sí­du­os só­li­dos, tam­bém fo­ram apon­ta­dos co­mo cons­tran­gi­men­tos que em­per­ram o for­ne­ci­men­to de água em Lu­an­da.

Pa­ra o re­a­bas­te­ci­men­to da água fo­ram apre­sen­ta­das al­gu­mas soluções, co­mo a re­po­si­ção da ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da, por via de re­a­bi­li­ta­ção dos sis­te­mas exis­ten­tes, a im­ple­men­ta­ção do sis­te­ma de te­le­ges­tão e te­le­me­tria, pa­ra a mo­ni­to­ri­za­ção dos sis­te­mas de abas­te­ci­men­to de água e o re­for­ço à in­te­rac­ção com as ins­ti­tui­ções no sen­ti­do de evi­tar da­nos nas con­du­tas ins­ta­la­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.