Conselho de Mi­nis­tros apre­cia pro­pos­ta de OGE

Or­ça­men­to do pró­xi­mo ano pre­vê ma­xi­mi­zar as re­cei­tas em sec­to­res co­mo o da agri­cul­tu­ra

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Ade­li­na Iná­cio

A pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra exer­cí­cio eco­nó­mi­co do pró­xi­mo ano é apre­ci­a­do ama­nhã pe­la Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Conselho de Mi­nis­tros.

A pro­pos­ta de OGE pre­vê ma­xi­mi­zar as re­cei­tas em sec­to­res co­mo os da agri­cul­tu­ra, di­a­man­tes e pe­tró­leo, bem co­mo evi­tar o en­di­vi­da­men­to ex­ter­no e exe­cu­tar as des­pe­sas com ba­se nas re­cei­tas ar­re­ca­da­das. A Lei Qua­dro do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (Lei n.º 15/10, de 14 de Ju­lho) es­ta­be­le­ce que as des­pe­sas cor­ren­tes não de­vem em ca­so al­gum ul­tra­pas­sar as re­cei­tas cor­ren­tes.

O pe­tró­leo ain­da con­ti­nua a ser a prin­ci­pal fon­te de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas em An­go­la. A pro­pos­ta de OGE pa­ra 2018 apre­sen­ta co­mo re­fe­rên­cia do pre­ço do bar­ril do pe­tró­leo 50 dó­la­res, com ba­se nas pro­jec­ções da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP) e do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI). O Pla­no In­ter­ca­lar do Go­ver­no fez uma pro­jec­ção de 45 dó­la­res do pre­ço do bar­ril.

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) de 2018, o prin­ci­pal ins­tru­men­to de exe­cu­ção fi­nan­cei­ro do Exe­cu­ti­vo saí­do das elei­ções de 23 de Agos­to pa­ra o pró­xi­mo ano, in­clui o Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos (PIP/2018), que in­te­gra a cons­tru­ção de es­co­las, hos­pi­tais, es­tra­das, pon­tes e ou­tras obras, in­cluin­do in­fra-es­tru­tu­ras que o Go­ver­no vai er­guer em to­do o país.

O Conselho de Mi­nis­tros ava­li­ou em Ou­tu­bro des­te ano o cro­no­gra­ma ac­tu­a­li­za­do pa­ra a ela­bo­ra­ção do OGE pa­ra 2018. “Te­mos um con­jun­to de ac­ções vi­ra­das pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de da des­pe­sa e da ar­re­ca­da­ção fis­cal”, dis­se, na oca­sião, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, pa­ra lem­brar que es­tá em cur­so o Pro­gra­ma de Po­ten­ci­a­ção da Re­cei­ta Tri­bu­tá­ria fo­ca­do no alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria. O ob­jec­ti­vo é fa­zer com que mais pes­so­as pa­guem im­pos­tos e is­so re­for­ce o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do.

De­pois de ser apre­ci­a­do pe­la Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Conselho de Mi­nis­tros, a pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de­ve ser sub­me­ti­do, ain­da es­te mês, à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra a sua dis­cus­são e vo­ta­ção. A Lei n.º 15/10 es­ta­be­le­ce que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­me­te à As­sem­bleia Na­ci­o­nal a pro­pos­ta fi­nal de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­la­ti­va ao exer­cí­cio sub­se­quen­te até ao dia 31 de Ou­tu­bro, a qu­al de­ve ser vo­ta­da, na­que­le ór­gão de so­be­ra­nia, até 15 de De­zem­bro.

No en­tan­to, uma aden­da à lei in­tro­du­zi­da em 2012 per­mi­te o alar­ga­men­to do pe­río­do pa­ra apre­sen­ta­ção do pro­jec­to de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o ano sub­se­quen­te em ano de elei­ções. Es­ta al­te­ra­ção per­mi­te que a pro­pos­ta se­ja le­va­da ao Par­la­men­to an­go­la­no até 15 de De­zem­bro e que a vo­ta­ção acon­te­ça até 15 de Fe­ve­rei­ro, nes­te ca­so de 2018.

Nes­te cenário, con­for­me de­ter­mi­na a mes­ma lei, sem a vo­ta­ção de um no­vo Or­ça­men­to no Par­la­men­to, "re­con­duz­se o or­ça­men­to do ano an­te­ri­or, até a sua apro­va­ção fi­nal, vi­go­ran­do as re­gras du­o­de­ci­mais so­bre a ges­tão or­ça­men­tal até a apro­va­ção da no­va pro­pos­ta”. Cres­ci­men­to do PIB O Go­ver­no an­go­la­no es­tá a tra­ba­lhar nu­ma ba­se ma­cro­e­co­nó­mi­ca pa­ra 2018 que as­sen­ta no cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) de 3,4 por cen­to, mas uma ta­xa de in­fla­ção ain­da a dois dí­gi­tos, aci­ma dos 17 por cen­to a um ano.

As pro­jec­ções cons­tam do Pla­no In­ter­ca­lar do Exe­cu­ti­vo a seis me­ses (Ou­tu­bro a Mar­ço), pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país, apro­va­do a 10 de Ou­tu­bro, na pri­mei­ra reu­nião do Conselho de Mi­nis­tros pre­si­di­da pe­lo no­vo Che­fe de Es­ta­do, João Lou­ren­ço e que an­te­ce­deu a apre­sen­ta­ção do de 2018.

No do­cu­men­to, a pre­vi­são do cres­ci­men­to da eco­no­mia é im­pul­si­o­na­da es­sen­ci­al­men­te pe­lo au­men­to no PIB não pe­tro­lí­fe­ro, que so­be 4,4 por cen­to, en­quan­to o PIB pe­tro­lí­fe­ro au­men­ta ape­nas 1,3%. Em 2016, de acor­do com as es­ti­ma­ti­vas apre­sen­ta­das es­te mês pe­lo Go­ver­no, a eco­no­mia angolana cres­ceu ape­nas 0,1 por cen­to.

A pro­pos­ta do OGE pa­ra 2018 apre­sen­ta co­mo re­fe­rên­cia do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo 50 dó­la­res com ba­se nas pro­jec­ções da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP)

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Ór­gão au­xi­li­ar do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo re­a­li­za mais uma ses­são ama­nhã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.