Ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra ul­tra­pas­sa me­ta pre­vis­ta

A agência de clas­si­fi­ca­ção de ris­co fi­nan­cei­ro aler­tou on­tem, nu­ma co­mu­ni­ca­ção en­vi­a­da aos in­ves­ti­do­res, que uma re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da so­be­ra­na de An­go­la que im­pli­que per­das pa­ra os cre­do­res te­rá con­sequên­ci­as no “ra­ting” do país

Jornal de Angola - - PARTADA - An­dré dos Anjos

A ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra na pro­vín­cia do Cuando Cubango ul­tra­pas­sou a me­ta pre­vis­ta pe­las au­to­ri­da­des lo­cais , em fun­ção do aba­te in­dis­cri­mi­na­do de ár­vo­res.

O eco­no­mis­ta Rui Ma­la­qui­as mi­ni­mi­zou os pro­nun­ci­a­men­tos da agência de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Mo­ody's, fei­tos on­tem, na sequên­cia do anún­cio pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, da re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da so­be­ra­na do país.

“Uma re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da so­be­ra­na de An­go­la que im­pli­que per­das pa­ra os cre­do­res te­rá con­sequên­ci­as no 'ra­ting' do país”, es­cre­vem es­pe­ci­a­lis­tas da agência nu­ma no­ta de aná­li­se à pro­ba­bi­li­da­de da re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da pú­bli­ca an­go­la­na, ar­gu­men­tan­do que a re­ne­go­ci­a­ção dos em­prés­ti­mos bi­la­te­rais evi­den­cia os ris­cos.

O es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças, Rui Ma­la­qui­as, sa­li­en­ta que a de­cla­ra­ção do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço é po­si­ti­va e os mer­ca­dos apre­ci­am ges­tos des­ta na­tu­re­za, na me­di­da em que re­ve­lam sen­ti­do de com­pro­mis­so e res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra com os cre­do­res. No ca­so con­cre­to de An­go­la, “com is­so o país mos­tra que tem cons­ci­ên­cia das su­as li­mi­ta­ções, mas acre­di­ta na sua ca­pa­ci­da­de de se en­di­vi­dar de for­ma sus­ten­tá­vel”.

Rui Ma­la­qui­as lem­bra que a re­ne­go­ci­a­ção da di­vi­da ex­ter­na, tal co­mo acon­te­ce em ou­tras la­ti­tu­des, po­de acon­te­cer de vá­ri­as for­mas, con­quan­to os cri­té­ri­os se­jam de­fi­ni­dos em con­jun­to e, em al­guns ca­sos, com a pre­sen­ça de or­ga­nis­mos su­pra­na­ci­o­nais, de mo­do a es­ti­mu­lar a tra­jec­tó­ria de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel dos paí­ses de­ve­do­res.

Na prá­ti­ca, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta, es­se ti­po de re­ne­go­ci­a­ções le­vam à mes­ma me­sa cre­do­res e de­ve­do­res, conduzindo à al­te­ra­ção das ta­xas de ju­ro, ao alar­ga­men­to da ma­tu­ri­da­de dos em­prés­ti­mos, à con­ces­são de van­ta­gens e be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra em­pre­sas es­tran­gei­ras a ope­rar no país, fa­zen­do com que tais em­pre­sas re­for­cem as su­as li­nhas de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­nas à ex­por­ta­ção.

Pa­ra tal, aler­ta o eco­no­mis­ta, o país tem de dar mos­tras, com ac­tos con­cre­tos, de que pre­ten­de fa­zer mu­dan­ças na for­ma co­mo se en­di­vi­da e co­mo apli­ca o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co.

“O pri­mei­ro pas­so foi da­do com o Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca (PEM), que vi­sa, en­tre ou­tros ob­jec­ti­vos, ajus­ta­men­tos fis­cais e a me­lho­ria da des­pe­sa pú­bli­ca”, sa­li­en­tou.

Rui Ma­la­qui­as in­sis­te na ne­ces­si­da­de de o país adop­tar me­di­das mais “en­ge­nho­sas”, pa­ra fa­zer cres­cer a re­cei­ta pú­bli­ca e tor­nar o en­di­vi­da­men­to in­ter­no e ex­ter­no ca­da vez mais sus­ten­tá­vel. A ou­tra van­ta­gem que po­de re­sul­tar dis­so, apon­tou, é a me­lho­ria das con­di­ções de ne­go­ci­a­ções. “Quan­to pi­or es­ti­ver a eco­no­mia, mai­o­res são as exi­gên­ci­as dos cre­do­res”, lem­brou.

Pa­ra An­go­la, mais do que nun­ca, é fun­da­men­tal ga­nhar o vo­to de con­fi­an­ça dos cre­do­res ex­ter­nos. “Olhan­do pa­ra a tra­jec­tó­ria da dí­vi­da ex­ter­na que de 2014 a 2017 cres­ceu 106,81 por cen­to, acom­pa­nha­do de um de­sem­pe­nho de­sas­tro­so da re­cei­ta pú­bli­ca, que no mes­mo pe­río­do caiu de 4,4 mil mi­lhões de kwanzas pa­ra me­nos de 3,0 mil mi­lhões, per­fa­zen­do uma re­du­ção de mais de 34 por cen­to”, a cre­di­bi­li­da­de do país nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros as­su­me par­ti­cu­lar im­por­tân­cia.

Num do­cu­men­to en­vi­a­do aos in­ves­ti­do­res, ana­lis­tas da Mo­ody's adi­an­tam que, ape­sar de o Exe­cu­ti­vo que­rer re­al­men­te ge­rir mais ac­ti­va­men­te as su­as vul­ne­ra­bi­li­da­des em 2018, não exis­te ac­tu­al­men­te uma in­ten­ção de en­trar em dis­cus­sões com quais­quer cre­do­res pa­ra en­gen­drar um re­sul­ta­do que a Mo­ody's po­de­ria con­si­de­rar um even­to de in­cum­pri­men­to fi­nan­cei­ro”.

“Se tor­nar-se cla­ro que as re­ne­go­ci­a­ções fo­ram de fac­to con­tem­pla­das, is­so po­de­ria le­var a um even­to que a Mo­ody's con­si­de­ra­ria um in­cum­pri­men­to fi­nan­cei­ro e nes­se ca­so a Mo­ody's as­se­gu­ra­ria que a ava­li­a­ção do per­fil de cré­di­to era con­sis­ten­te com o au­men­to da pro­ba­bi­li­da­de de um in­cum­pri­men­to fi­nan­cei­ro”, di­zem os ana­lis­tas.

Nas de­fi­ni­ções me­to­do­ló­gi­cas da Mo­ody's, um even­to de cré­di­to con­si­de­ra­do um “de­fault” acon­te­ce sem­pre que o Go­ver­no pro­põe aos cre­do­res uma re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da, que im­pli­que al­te­ra­ções nos pra­zos ou nos mon­tan­tes do pa­ga­men­to, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu com Mo­çam­bi­que em 2016, quan­do propôs aos cre­do­res re­ce­be­rem juros mais ele­va­dos e um alar­ga­men­to do pra­zo de pa­ga­men­to do mon­tan­te in­ves­ti­do ini­ci­al­men­te.

Em re­la­ção a An­go­la, a Mo­ody's ex­pli­ca que não an­te­ci­pa que is­to vá acon­te­cer, no­tan­do que en­ca­ra co­mo pro­vá­vel que o Go­ver­no ten­te ape­nas re­ne­go­ci­ar os em­prés­ti­mos, o que, na de­fi­ni­ção me­to­do­ló­gi­ca da agência de no­ta­ção fi­nan­cei­ra, não im­pli­ca um 'de­fault' e con­se­quen­te des­ci­da do 'ra­ting'.

De­vi­do ao fim da in­de­xa­ção do kwan­za ao dó­lar, a mo­e­da an­go­la­na de­ve des­va­lo­ri­zar­se e au­men­tar o rá­cio da dí­vi­da pú­bli­ca fa­ce ao PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to), o que au­men­ta au­to­ma­ti­ca­men­te o cus­to da dí­vi­da. “Con­fron­ta­do com a pers­pec­ti­va de um au­men­to do pe­so da dí­vi­da e dos cus­tos de re­fi­nan­ci­a­men­to, o Go­ver­no quer me­lho­rar a com­po­si­ção e o per­fil da sua dí­vi­da, ten­tan­do, sem­pre que pos­sí­vel, tro­car a dí­vi­da de cur­to pra­zo e dí­vi­da em mo­e­da es­tran­gei­ra por ins­tru­men­tos de lon­go pra­zo”, diz a Mo­ody's.

Rui Ma­la­qui­as lem­bra que a dí­vi­da “não é um bi­cho de se­te ca­be­ças” e que, mais im­por­tan­te do que evi­tá-las, o es­sen­ci­al é co­lo­cá-las ao ser­vi­ço da eco­no­mia. “As dí­vi­das de cur­to pra­zo de­vem fi­nan­ci­ar ac­ti­vos de cur­to pra­zo e as de mé­dio e lon­go pra­zo de­vem fi­nan­ci­ar ac­ti­vos com a mes­ma ma­tu­ri­da­de”, sus­ten­tou.

No en­tan­to, a agência avi­sa ain­da que vai “con­ti­nu­ar a acom­pa­nhar de per­to a ges­tão fi­nan­cei­ra de An­go­la”, mas es­cre­ve que, “pa­ra já, os prin­ci­pais fac­to­res que sus­ten­tam a tra­jec­tó­ria do ‘ra­ting’ no cur­to pra­zo con­ti­nu­am os mes­mos que mo­ti­va­ram a de­gra­da­ção em Ou­tu­bro pa­ra B2 (abai­xo do ní­vel de re­co­men­da­ção de in­ves­ti­men­to, ou “'li­xo”, co­mo é co­nhe­ci­do), abran­da­men­to do cres­ci­men­to, au­men­to do ris­co de li­qui­dez e pres­sões ex­ter­nas”.

Com a que­da do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, a dí­vi­da pú­bli­ca an­go­la­na cres­ceu de 30 por cen­to do PIB em 2013 pa­ra qua­se 60 por cen­to em 2016. Em ter­mos lí­qui­dos, ho­je, es­tá si­tu­a­da em 12,2 tri­liões de kwanzas, 67 por cen­to do PIB, com a dí­vi­da ex­ter­na a re­pre­sen­tar 38,06 mil mi­lhões de dó­la­res.

Nas de­fi­ni­ções me­to­do­ló­gi­cas da Mo­ody's, um even­to de cré­di­to con­si­de­ra­do um “de­fault” acon­te­ce sem­pre que o Go­ver­no pro­põe aos cre­do­res uma re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da

KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Re­ne­go­ci­a­ções le­vam à mes­ma me­sa cre­do­res e de­ve­do­res, conduzindo à al­te­ra­ção das ta­xas de ju­ro e ao alar­ga­men­to da ma­tu­ri­da­de dos em­prés­ti­mos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.