Ava­li­a­ção re­ve­la ris­co ele­va­do

Jornal de Angola - - PARTADA -

A ava­li­a­ção a que o Exe­cu­ti­vo sub­me­teu o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la re­ve­lou “a exis­tên­cia de um ris­co ele­va­do, re­sul­tan­te da ex­po­si­ção cau­sa­da pe­lo vo­lu­me de ac­ti­vos que se en­con­tram sob ges­tão de ape­nas uma en­ti­da­de ex­ter­na”.

A exis­tên­cia de um ris­co ele­va­do, re­sul­tan­te da ex­po­si­ção cau­sa­da pe­lo vo­lu­me de ac­ti­vos que se en­con­tram sob ges­tão de ape­nas uma en­ti­da­de ex­ter­na, é uma das con­clu­sões a que o Exe­cu­ti­vo che­gou, de­pois de ava­li­a­ção ri­go­ro­sa so­bre a ges­tão, alo­ca­ção dos ac­ti­vos e es­tru­tu­ra de go­ver­na­ção cor­po­ra­ti­va do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la.

De acor­do com um co­mu­ni­ca­do do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, di­vul­ga­do on­tem, da ava­li­a­ção que, com o apoio de uma fir­ma de con­sul­to­ria in­ter­na­ci­o­nal, sub­me­teu o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la, foi, igual­men­te, di­ag­nos­ti­ca­da “fal­ta de trans­pa­rên­cia nos pro­ces­sos de con­tra­ta­ção dos ges­to­res de ac­ti­vos e pres­ta­do­res de ser­vi­ços da Ins­ti­tui­ção”.

“In­su­fi­ci­en­te re­por­te, bem co­mo um fra­co con­tro­lo e su­per­vi­são às ac­ti­vi­da­des do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la, pe­las en­ti­da­des go­ver­na­men­tais, bem co­mo a au­sên­cia de po­lí­ti­cas, es­tra­té­gi­as e pla­nos de in­ves­ti­men­tos con­sis­ten­tes e trans­pa­ren­tes” é ou­tro pon­to do di­ag­nós­ti­co.

Fi­nal­men­te, o di­ag­nós­ti­co apon­tou pa­ra a “ne­ces­si­da­de de re­vi­são do mo­de­lo de go­ver­na­ção cor­po­ra­ti­va”.

Nes­ta con­for­mi­da­de, de acor­do ain­da com o co­mu­ni­ca­do, o Exe­cu­ti­vo es­tá a im­ple­men­tar ac­ções de re­es­tru­tu­ra­ção do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la, com vis­ta à cri­a­ção de uma ade­qua­da es­tra­té­gia e pla­no de in­ves­ti­men­tos, por for­ma a as­se­gu­rar mai­or trans­pa­rên­cia e con­tro­lo da ins­ti­tui­ção, em ali­nha­men­to com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, me­lho­ran­do a su­per­vi­são dos Ór­gãos do Es­ta­do, no­me­a­da­men­te, do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e de­mais ór­gãos.

Avan­ça a no­ta que “um dos pas­sos nes­ta di­rec­ção foi a no­me­a­ção de um no­vo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, que in­te­gra qua­dros na­ci­o­nais de re­pu­ta­da com­pe­tên­cia téc­ni­ca, só­li­do per­cur­so pro­fis­si­o­nal e ido­nei­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra o pro­vi­men­to de car­gos em ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras”.

o Exe­cu­ti­vo, lê-se no do­cu­men­to, irá pros­se­guir o seu en­ga­ja­men­to no sen­ti­do da apro­va­ção cé­le­re dos ins­tru­men­tos le­gais, ne­ces­sá­ri­os à con­clu­são do pro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção, ga­ran­tir que o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la de­sem­pe­nhe, com mais efi­cá­cia, o seu pa­pel na es­ta­bi­li­za­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca e sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra do país, ga­ran­ti­do, des­te mo­do, pros­pe­ri­da­de às fu­tu­ras ge­ra­ções”.

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, em ali­nha­men­to com es­ta ori­en­ta­ção, “ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­rá um Co­mi­té de Su­per­vi­são do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la, ten­do em aten­ção a ga­ran­tia de uma ges­tão mais efi­ci­en­te e trans­pa­ren­te dos re­cur­sos es­tra­té­gi­cos do Es­ta­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.