BCI anun­cia re­cu­pe­ra­ção e dis­tri­bui­ção de di­vi­den­dos

Ban­co pú­bli­co ob­tém re­sul­ta­dos po­si­ti­vos e pro­jec­ta re­to­mar a dis­tri­bui­ção de di­vi­den­dos den­tro de um ano

Jornal de Angola - - PARTADA - Cris­tó­vão Ne­to

O Ban­co de Co­mér­cio e In­dús­tria (BCI) con­so­li­da, es­te ano, a re­cu­pe­ra­ção ini­ci­a­da em 2016, quan­do vol­tou a ob­ter re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, e pro­me­te re­co­me­çar a dis­tri­buir di­vi­den­dos e lu­cros en­tre os ac­ci­o­nis­tas e os tra­ba­lha­do­res den­tro de um ano, ca­so as ac­tu­ais va­riá­veis de cres­ci­men­to se man­te­nham.

O Ban­co de Co­mér­cio e In­dús­tria (BCI) con­so­li­dou em 2017 um pro­ces­so de sa­ne­a­men­to fi­nan­cei­ro ini­ci­a­do em 2011 com su­ces­si­vas que­das dos re­sul­ta­dos, pre­ven­do pa­ra 2017 lu­cros si­tu­a­dos aci­ma dos 500 mi­lhões de kwanzas (2,8 mi­lhões de dó­la­res), sou­be on­tem o Jor­nal de

An­go­la de fon­tes da ins­ti­tui­ção. Nu­ma en­tre­vis­ta com o Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, Leão Pe­res, ad­mi­nis­tra­dor pa­ra a área de con­ta­bi­li­da­de e fi­nan­ças, lem­brou que o re­sul­ta­do lí­qui­do do ban­co as­cen­deu aos 507, 162 mi­lhões de kwanzas em 2016, de­pois do ban­co ter re­gis­ta­do um sal­do ne­ga­ti­vo de al­go mais que 2.308 mi­lhões de kwanzas em 2015.

Leão Pe­res de­cla­rou que o BCI espera, ago­ra, que o re­sul­ta­do de 2017 su­pe­re o do ano an­te­ri­or, com o que se con­so­li­da a re­cu­pe­ra­ção e se pre­co­ni­za um pra­zo de um ano pa­ra que o ban­co re­to­me a dis­tri­bui­ção de lu­cros e di­vi­den­dos en­tre os tra­ba­lha­do­res e os ac­ci­o­nis­tas.

A di­vi­são des­ses pro­vei­tos foi in­ter­rom­pi­da por “im­pe­ra­ti­vos le­gais” du­ran­te o pe­río­do de sa­ne­a­men­to, quan­do os re­sul­ta­dos eram ne­ga­ti­vos, e ao lon­go de 2016, quan­do ini­ci­ou a re­cu­pe­ra­ção, mas o ban­co se viu obri­ga­do a uti­li­zar os lu­cros pa­ra co­brir os pre­juí­zos de cin­co anos con­se­cu­ti­vos de per­das, con­cor­da­ram em de­cla­rar os ad­mi­nis­tra­do­res do BCI.

“Há um im­pe­ra­ti­vo le­gal que não per­mi­te a dis­tri­bui­ção de di­vi­den­dos en­tre os ac­ci­o­nis­tas, nem dos lu­cros en­tre os tra­ba­lha­do­res, pa­ra mi­ti­gar os pre­juí­zos acu­mu­la­dos”, afir­mou Leão Pe­res.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, Fi­lo­me­no Cei­ta, re­cor­dou, pa­ra ex­pli­car os nú­me­ros ne­ga­ti­vos ob­ser­va­dos en­tre 2011 e 2015, que, na­que­le pri­mei­ro ano, quan­do a ac­tu­al li­de­ran­ça as­su­miu o ban­co, o BCI aca­ba­va de pu­bli­car um re­la­tó­rio e con­tas a anun­ci­ar um lu­cro de 16 mi­lhões de dó­la­res.

Uma rá­pi­da ve­ri­fi­ca­ção le­va­da a ca­bo pe­la sua ad­mi­nis­tra­ção veio a apu­rar que, afi­nal, o ban­co ti­nha cré­di­tos do equi­va­len­te a 50 mi­lhões de dó­la­res por re­gu­la­ri­zar, uns 52 mi­lhões de dó­la­res em cré­di­to con­ge­la­do - quan­do o be­ne­fi­ciá­rio re­ce­be os fun­dos, mas não paga men­sa­li­da­des nem quais­quer ou­tras obri­ga­ções - e prá­ti­cas rei­te­ra­das de re­fi­nan­ci­a­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra so­lu­ci­o­nar as im­pa­ri­da­des.

Com es­sa prá­ti­ca, apon­tou Fi­lo­me­no Cei­ta, sem­pre que a car­tei­ra de cré­di­to dis­pa­ras­se, o ban­co ma­qui­na­va “pa­ra que tu­do fi­cas­se co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do” - o que só era pos­sí­vel fal­se­an­do os nú­me­ros - em ope­ra­ções de que não se da­va co­nhe­ci­men­to aos cli­en­tes.

O aban­do­no des­tas prá­ti­cas le­vou a que, lo­go em 2011, o re­sul­ta­do, de­pu­ra­do das ve­lhas prá­ti­cos, caiu pa­ra ní­veis ne­ga­ti­vos de 47.575 mi­lhões de kwanzas, pa­ra 30.723 mi­lhões em 2013 e pa­ra 2.308 mi­lhões em 2015, as­cen­den­do pa­ra mais de 500 mi­lhões em 2016.

Pri­va­ti­za­ção e de­sem­pe­nho

Leão Pe­res atri­buiu es­sa evo­lu­ção ao sa­ne­a­men­to, com o que Fi­lo­me­no Cei­ta con­cor­dou ao afir­mar que, apoi­os ins­ti­tu­ci­o­nais, co­mo a re­ca­pi­ta­li­za­ção le­va­da a ca­bo pe­lo Exe­cu­ti­vo e que ocor­reu até ao ano pas­sa­do, ti­ve­ram pou­co pe­so na evo­lu­ção po­si­ti­va do ban­co.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção e a ad­mi­nis­tra­do­ra pa­ra a área co­mer­ci­al e mar­ke­ting, Ma­ria do Car­mo Ber­nar­do, re­ve­za­ram-se a des­cre­ver a úl­ti­ma re­ca­pi­ta­li­za­ção, um de­sem­bol­so de 12 mil mi­lhões de kwanzas em Obri­ga­ções do Te­sou­ro a 25 anos e juros se­mes­trais de 2,5 por cen­to, pou­co re­le­van­te pa­ra a ope­ra­ções do ban­co.

As “per­for­man­ces” dos anos pos­te­ri­o­res a 2010, de­cla­rou o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, des­car­tam os ru­mo­res de pri­va­ti­za­ção, “uma ques­tão que pai­ra per­ma­nen­te­men­te so­bre o BCI por se­rem dois ban­cos pú­bli­cos” a ope­ra­rem no mer­ca­do an­go­la­no.

Nes­se pe­río­do, o ban­co uti­li­zou fun­dos pró­pri­os pa­ra se as­su­mir co­mo um ins­tru­men­to vá­li­do da in­ter­ven­ção do Es­ta­do, fi­nan­ci­an­do pro­gra­mas co­mo o An­go­la In­ves­te - no qual com­pro­me­teu três mil mi­lhões de kwanzas até ano em cur­so -, Pro­jo­vem, Meu Ne­gó­cio Mi­nha Vi­da, Cré­di­to Ami­go e ou­tros.

Fi­lo­me­no Cei­ta con­si­de­rou que o de­sem­pe­nho do BCI tam­bém de­sa­cre­di­ta in­for­ma­ções vei­cu­la­das nas úl­ti­mas se­ma­nas em cer­tos sec­to­res da opi­nião pú­bli­ca a ale­gar “má ges­tão, fa­lên­cia téc­ni­ca do ban­co, des­pe­di­men­to de 1.200 guar­das e não pres­ta­ção de con­tas”.

O BCI espera que o re­sul­ta­do de 2017 su­pe­re o do ano an­te­ri­or, com o que se con­so­li­da a re­cu­pe­ra­ção

KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Fi­lo­me­no Cei­ta (cen­tro) e ou­tros ad­mi­nis­tra­do­res do BCI fa­lam ao Jor­nal de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.