LUÍS AL­BER­TO FER­REI­RA

Jornal de Angola - - PARTADA -

Mui­tas lem­bran­ças aos si­cá­ri­os da Gu­er­ra das Mal­vi­nas

Ma­ria Luí­sa Abran­tes é uma ci­da­dã an­go­la­na, ju­ris­ta de for­ma­ção e ad­vo­ga­da de pro­fis­são. Che­gou a ser di­rec­to­ra da ex­tin­ta Agência Na­ci­o­nal de In­ves­ti­men­to Pri­va­do, te­ve, an­tes, uma pas­sa­gem pe­los Es­ta­dos Uni­dos on­de re­pre­sen­tou in­te­res­ses di­plo­má­ti­cos co­mer­ci­ais e eco­nó­mi­cos do país. Con­se­guiu uma in­clu­são num “bo­ard” ban­cá­rio de ho­mens e mu­lhe­res de negócios in­flu­en­tes no con­ti­nen­te afri­ca­no.

Se is­so bas­ta pa­ra a sua apre­sen­ta­ção, a ra­zão des­se exer­cí­cio é a li­ga­ção que fa­ço nes­te ar­ti­go com en­si­na­men­tos ele­men­ta­res do Di­rei­to Pro­ces­su­al Pe­nal so­bre uma no­tí­cia de um cri­me que po­de de­sen­ca­de­ar um pro­ce­di­men­to cri­mi­nal por ac­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP).

A se­nho­ra em cau­sa fez re­cen­te­men­te re­ve­la­ções iné­di­tas e bom­bás­ti­cas a uma rá­dio co­mer­ci­al, em Lu­an­da, em que de­nun­ci­ou um es­que­ma de cor­rup­ção e de for­ma­ção de qua­dri­lha no an­te­ri­or go­ver­no. É a pri­mei­ra vez em 42 anos de in­de­pen­dên­cia, 15 anos de paz efec­ti­va, em 38 anos do an­te­ri­or re­gi­me, de tu­do, se qui­ser­mos. Mas não foi a pri­mei­ra vez que a se­nho­ra mais co­nhe­ci­da co­mo “Ex-mu­lher” de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos – ex-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca - o faz. Des­ta vez, foi mais in­ci­si­va, di­rec­ta e ci­tou no­mes, quan­do pre­ten­dia de­fen­der dois fi­lhos acu­sa­dos de cor­rup­ção pas­si­va e de apro­pri­a­ção in­de­vi­da de bens pú­bli­cos.

O bu­ro­crá­ti­co MP, pa­ra ini­ci­ar um pro­ce­di­men­to de um pro­ces­so pre­ci­sa de in­for­ma­ção (no­tí­cia do cri­me) e po­de ob­tê-la por co­nhe­ci­men­to pró­prio (atra­vés de ór­gãos de po­lí­cia cri­mi­nal ou de denúncia). O MP não tem, po­rém, de pro­mo­ver o pro­ce­di­men­to cri­mi­nal pe­ran­te qual­quer in­for­ma­ção de even­tu­al prá­ti­ca de um cri­me. Se há ca­sos que a con­si­de­ra des­de lo­go co­mo no­tí­cia de even­tu­al prá­ti­ca de um cri­me, e im­põe que se­ja ins­tau­ra­do o pro­ce­di­men­to, em mui­tos ou­tros ca­sos a no­tí­cia o é se­quer da prá­ti­ca de um cri­me, em­bo­ra qu­em de­nun­cie pen­se ou o qua­li­fi­que co­mo tal, ou a no­tí­cia não me­re­ça cre­di­bi­li­da­de.

Fre­quen­te­men­te is­so acon­te­ce com no­tí­ci­as anó­ni­mas ou, ain­da que te­nha por ob­jec­to um cri­me, é des­de lo­go ma­ni­fes­ta a ex­tin­ção de pu­ni­bi­li­da­de. O MP de­ve pro­mo­ver ne­ces­sa­ri­a­men­te o pro­ce­di­men­to, se a no­tí­cia do cri­me lhe é trans­mi­ti­da de mo­do in­for­mal só o de­ve­rá fa­zer se se con­ven­cer da se­ri­e­da­de da no­tí­cia.

Se a aqui­si­ção da no­tí­cia do cri­me por co­nhe­ci­men­to pró­prio ou denúncia é di­rec­ta, ob­ti­da de for­ma ime­di­a­ta atra­vés dos ór­gãos de po­lí­cia cri­mi­nal em es­pé­cie de denúncia, a no­tí­cia de um cri­me po­de tam­bém ser sus­ci­ta­da no MP de for­ma in­di­rec­ta, não for­mal, atra­vés de ru­mo­res pú­bli­cos, no­tí­ci­as anó­ni­mas e com no­tí­ci­as di­fun­di­das pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al.

A se­nho­ra Ma­ria Luí­sa Abran­tes fa­lou de coi­sas que sa­be me­lhor do que nin­guém em fun­ção da sua “qua­li­da­de es­pe­ci­al”. Fa­lou de coi­sas des­co­nhe­ci­das de mui­tos an­go­la­nos que con­fi­am nas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. E o MP po­de to­mar co­nhe­ci­men­to de ru­mo­res da prá­ti­ca de cri­mes sem que de­le co­nhe­ça in­dí­ci­os. A re­gra é de que sim­ples ru­mo­res não de­ter­mi­nam a pro­mo­ção do pro­ces­so, an­tes po­de­rão e de­ve­rão ser ob­jec­to de in­ves­ti­ga­ções de na­tu­re­za me­ra­men­te po­li­ci­al no sen­ti­do da sua con­fir­ma­ção, da ob­ten­ção de in­dí­ci­os cre­dí­veis.

O mes­mo tam­bém acon­te­ce quan­do a no­tí­cia é ano­ni­ma­men­te trans­mi­ti­da ao MP. Es­sa no­tí­cia po­de não lhe me­re­cer qual­quer cre­di­bi­li­da­de, mas po­de tam­bém su­ce­der que, em ra­zão das ca­rac­te­rís­ti­cas da no­tí­cia, mes­mo sen­do anó­ni­ma, se jus­ti­fi­que uma ac­ti­vi­da­de pre­li­mi­nar do pro­ces­so, ain­da que de na­tu­re­za po­li­ci­al, no sen­ti­do de apu­rar da sua even­tu­al exis­tên­cia de in­dí­ci­os.

Sen­ti­do se­me­lhan­te de­ve ter o MP pe­ran­te no­tí­ci­as de cri­mes pu­bli­ci­ta­das pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Não é obri­ga­tó­rio ins­tau­rar o pro­ce­di­men­to pe­ran­te quais­quer no­tí­ci­as da even­tu­al prá­ti­ca de cri­me pu­bli­ci­ta­dos pe­los Me­dia. Tu­do de­pen­de da cre­di­bi­li­da­de que a no­tí­cia me­re­ça e o juí­zo so­bre a cre­di­bi­li­da­de per­ten­ce ex­clu­si­va­men­te ao MP. Se a no­tí­cia dos Me­dia for­ne­cer in­dí­ci­os cre­dí­veis da even­tu­al prá­ti­ca de cri­me, o MP de­ve pro­mo­ver o pro­ce­di­men­to cri­mi­nal.

E to­dos os es­tes “in­gre­di­en­tes” es­tão lá. A se­nho­ra de­sa­fi­ou a PGR e agu­çou a in­te­li­gên­cia das pes­so­as des­ta ins­ti­tui­ção. É aqui on­de jus­ti­fi­co o tí­tu­lo des­te ar­ti­go. "Uma lu­va pa­ra a PGR". É que na Ida­de Mé­dia, o con­vi­te pa­ra um du­e­lo era fei­to me­di­an­te a en­tre­ga pe­lo pro­po­nen­te de uma lu­va ao ad­ver­sá­rio. Se acei­tas­se, o du­e­lo es­ta­va mar­ca­do em da­ta e lu­gar de­ter­mi­na­dos de­pois. Se o opo­nen­te se re­cu­sas­se era ti­do co­mo co­bar­de e via a sua honra be­lis­ca­da.

Os re­gis­tos do de­ba­te es­tão lá na rá­dio, e não vão os di­ri­gen­tes da rá­dio apa­gar, por­que es­tão obri­ga­dos a man­ter tais re­gis­tos por cer­to tem­po. Tam­bém já che­ga­ram às re­des so­ci­ais em­bo­ra aqui o ris­co de ma­ni­pu­la­ção é mai­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.