LUCIANO RO­CHA

Jornal de Angola - - PARTADA - Luciano Ro­cha

Ou­tros sig­ni­fi­ca­dos de pa­la­vras de amor

Na­mo­ra­dos, aman­tes, pa­la­vras re­che­a­das de amor, fo­ram, ou têm vin­do a ser, adul­te­ra­das e ad­qui­ri­do sig­ni­fi­ca­dos di­fe­ren­tes.

Aman­te é ago­ra pa­la­vra di­ta mui­tas ve­zes em sur­di­na, com lai­vos de ve­ne­no. Em con­ver­sas de má-lín­gua se­me­a­das por in­ve­jo­sos que, mui­tas ve­zes, não des­de­nha­vam es­tar no lu­gar de qu­em pre­ten­dem ofen­der.

O vo­cá­bu­lo - usa­do, em to­das as épo­cas, por po­e­tas in­sig­nes de to­do o mun­do -, por­ven­tu­ra pe­los mo­ti­vos re­fe­ri­dos, foi-se es­va­zi­an­do do ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do e pas­sou a ser ape­nas al­guém que tem re­la­ções se­xu­ais fo­ra das re­gras ins­ti­tuí­das.

A pa­la­vra na­mo­ra­da(o) nem sem­pre tem o sen­ti­do de ou­tros tem­pos. Ago­ra, po­de tam­bém que­rer di­zer que du­as pes­so­as vi­vem jun­tas sem te­rem ofi­ci­a­li­za­do a união.

As mo­das mu­dam, al­te­ram-se há­bi­tos. Não te­nho na­da con­tra no­vos tem­pos, em­bo­ra nem sem­pre tra­gam ara­gens no­vas. Mes­mo sem ser sau­do­sis­ta - em­bir­ro com os cul­ti­va­do­res do “an­ti­ga­men­te é que era bom” - jul­go que às no­vas ge­ra­ções fal­ta a ins­pi­ra­ção dos po­e­tas, jar­di­nei­ros de to­das as es­pe­ran­ças, se­jam de que ín­do­le fo­rem. São eles, co­mo nin­guém, que acen­dem nos­sos so­nhos, ate­nu­am do­res, de­ses­pe­ros, in­cen­ti­vam à per­sis­tên­cia.

Vi­ri­a­to da Cruz reú­ne to­dos aque­les sen­ti­men­tos em “Na­mo­ro”. O de­ses­pe­ro dos apai­xo­na­dos ra­ra­men­te é des­cri­to co­mo na­que­le po­e­ma. Que con­ta a his­tó­ria de Ben­ja­mim. O ho­mem que, per­di­do de amo­res não cor­res­pon­di­dos, re­cor­reu a po­de­res ce­les­ti­ais por via das San­tas Efi­gé­nia, da Mu­xi­ma, Ilha do Ca­bo. Tam­bém ten­tou os ter­re­nos, na opi­nião de mui­tos, não me­nos efi­ca­zes. Mo­vi­do pe­la fe­bre da pai­xão, pal­mi­lhou as­fal­tos e are­ais pa­ra ro­gar à Ze­fa do Se­te que o aju­das­se a con­quis­tar a jo­vem be­la e pren­da­da. Qual quê! Do céu e da ter­ra não lhe che­ga­ram res­pos­tas. Nem os do­ces, com­pra­dos e ofe­re­ci­dos na Rua da Mis­são, re­sul­ta­ram. Co­mo pro­vou o can­ti­nho do “não”, em vez do “sim”, que ela do­brou no car­tão “por si meu co­ra­ção so­fre” ti­po­gra­fa­do pe­lo Ma­ni­nho da “Mi­ner­va”. Por is­so, os ami­gos de­ram­lhe en­con­tro so­zi­nho “no Mor­ro da Sam­ba”. “Su­jo e bar­ba­do”. Na ten­ta­ti­va de lhe ate­nu­ar a dor, le­va­ram-no “ao bai­le do Sô Ja­nuá­rio”. On­de es­ta­vam “as mo­ças mais lin­das do Bair­ro Ope­rá­rio”. En­tre as quais, a tal. O co­ra­ção em pe­da­ços do ena­mo­ra­do ba­teu com es­tron­do. Nem ngo­ma ba­tu­ca­do nas mãos jun­tas de Ama­deu, Xôdô, João­zi­nho. Na união das di­fe­ren­ças de ge­ra­ções. A tris­te­za, lo­go-lo­go, vi­rou co­ra­gem, atra­ves­sou o sa­lão e os dois dan­ça­ram, ro­do­pi­a­ram. Com ela a vo­ar-lhe nos bra­ços pa­re­cia era avião da fei­ra. E a mal­ta abu­a­ma­da gri­tou “Aí, Ben­ja­mim”.

O amor so­fri­do não su­ce­deu so­men­te a Ro­meu e Ju­li­e­ta. Dra­ma con­ta­do e can­ta­do em tan­tas lín­guas. Ou a Ben­ja­mim. Tam­bém açoi­tou Agos­ti­nho e Eu­gé­nia Ne­to. Na ca­deia, o po­e­ta es­cre­veu um po­e­ma pa­ra a mu­lher. Que era - foi, é -, “Buquê de ro­sas pa­ra ti”. Fei­tas de pa­la­vras re­ple­tas dos aro­mas de to­dos os afec­tos que ape­nas os ena­mo­ra­dos con­se­guem sen­tir. E re­ga­das com a for­ça do so­nho da li­ber­da­de cons­truí­do por qu­em es­ta­va im­pe­di­do de a ter.

An­tó­nio Ja­cin­to - ou­tro dos nos­sos po­e­tas mai­o­res - fa­la igual­men­te do de­ses­pe­ro so­fri­do pe­la se­pa­ra­ção for­ça­da. Nes­te ca­so, do con­tra­ta­do e da com­pa­nhei­ra que fi­cou na san­za­la, quan­do o le­va­ram à for­ça pa­ra ter­ra dis­tan­te. Aqui, a sau­da­de e a dis­tân­cia agi­gan­tam-se na fa­la do des­ter­ra­do: “Eu que­ria es­cre­ver-te uma car­ta amor/ mas não sei es­cre­ver/ e tu, não sa­bes ler”.

Os tem­pos são ou­tros, eu sei, mas ou­so su­ge­rir que no Dia dos Na­mo­ra­dos, que se apro­xi­ma, se es­que­çam no­vas tec­no­lo­gi­as e se en­vi­em car­tas de amor “em pa­pel per­fu­ma­do” ou ra­mos de ro­sas com pé­ta­las de po­e­sia. Mes­mo qu­em não sou­ber es­cre­ver, mes­mo que os des­ti­na­tá­ri­os não sai­bam ler.

As pa­la­vras aman­tes e na­mo­ra­dos têm ho­je mais sig­ni­fi­ca­dos do que on­tem. Mas, na ge­ne­ra­li­da­de, é o amor que os nor­teia. Co­mo nos po­e­mas de Vi­ri­a­to, Ne­to e Ja­cin­to, dos nos­sos po­e­tas mai­o­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.