CUANDO-CUBANGO

Po­pu­la­res da pro­vín­cia cor­rem ris­co quan­do se des­lo­cam ao rio em bus­ca de água ou pa­ra la­var uten­sí­li­os de ca­sa

Jornal de Angola - - PARTADA - We­za Pas­co­al| Me­non­gue

Au­men­tam ata­ques de ja­ca­rés na pro­vín­cia

O Ser­vi­ço de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros (SPCB) no Cuando Cubango es­tá pre­o­cu­pa­do com o au­men­to de ca­sos de ata­ques de ja­ca­rés às pes­so­as que tomam ba­nho ou fa­zem tra­ba­lhos do­més­ti­cos em vá­ri­os ri­os da pro­vín­cia, dis­se ao Jor­nal de An­go­la, o seu por­ta-voz , Jú­lio Mu­li­a­ta.

Jú­lio Mu­li­a­ta in­for­mou que du­ran­te o ano de 2017 o SPCB re­gis­tou 13 ata­ques nos mu­ni­cí­pi­os de Me­non­gue, Cu­an­gar, Cu­chi e Cui­to Cu­a­na­va­le, dos quais seis ci­da­dãos mor­re­ram e se­te fi­ca­ram gra­ve­men­te fe­ri­dos.

“Ape­sar das su­ces­si­vas cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção que o Ser­vi­ço de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros tem re­a­li­za­do nas co­mu­ni­da­des, pa­ra ex­pli­car as me­di­das de pre­ven­ção que de­vem ser adop­ta­das, mui­ta gen­te con­ti­nua ig­no­rar, e vai ao rio sem to­mar qual­quer ti­po de pre­cau­ção”, de­plo­rou o por­ta-voz.

Se­gun­do Jú­lio Mu­li­a­ta, a fal­ta de água cor­ren­te na mai­or par­te das lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia obri­ga, ir­re­me­di­a­vel­men­te, às po­pu­la­ções a re­cor­re­rem aos ri­os pa­ra to­mar ba­nho ou la­va­rem vá­ri­os uten­sí­li­os de ca­sa. ”Sa­be­mos que as pes­so­as não têm al­ter­na­ti­vas pa­ra ob­te­rem água, daí a ne­ces­si­da­de de irem bus­car ao rio e es­tar a mer­cê da fú­ria dos ja­ca­rés ”, fri­sou, acres­cen­ta­do que , “por es­te fac­to, se afi­gu­ra ur­gen­te a cons­tru­ção de sis­te­mas de abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel em to­das as lo­ca­li­da­des”.

Ou­tros ca­sos

Por ou­tro la­do, Jú­lio Mu­li­a­ta fez sa­ber que no ano fin­do o seu sec­tor re­gis­tou 28 afo­ga­men­tos, 115 in­cên­di­os, três ata­ques de abe­lhas, uma des­car­ga eléc­tri­ca, um der­ra­me de com­bus­tí­vel, en­tre ou­tras ocor­rên­ci­as. Dos in­cên­di­os ano­ta­dos , 98 ocor­re­ram no mu­ni­cí­pio de Me­non­gue, cin­co no Ca­lai, igual nú­me­ro no Cu­chi, três no Cui­to Cu­a­na­va­le, dois em Ma­vin­ga e igual nú­me­ro no Dirico, sen­do as prin­ci­pais cau­sas, cur­tos cir­cui­tos, ne­gli­gên­cia, fo­go pos­to e fu­ga de gás.

Em re­la­ção aos afo­ga­men­tos , 25 ca­sos ocor­re­ram no mu­ni­cí­pio de Me­non­gue, dois em Ma­vin­ga e um no Ca­lai, cau­sa­dos, na sua mai­o­ria, por ne­gli­gên­cia da po­pu­la­ção que in­sis­te to­mar ba­nho no rio e em zo­nas des­cri­tas co­mo pe­ri­go­sas pe­lo SPCB.

No que to­ca a Pro­tec­ção Ci­vil, Jú­lio Mu­li­a­ta re­fe­riu que no pe­río­do em re­fe­rên­cia, 88 ca­sas fi­ca­ram par­ci­al­men­te des­truí­das e 15 to­tal­men­te, em con­sequên­cia das for­tes chu­vas que se aba­te­ram na re­gião, o que re­sul­tou no de­sa­lo­ja­men­to de 103 fa­mí­li­as nos mu­ni­cí­pi­os de Me­non­gue, Ma­vin­ga, Ca­lai, Cu­chi e Dirico.

Os mu­ni­cí­pi­os que mais apre­sen­tam ris­cos de inun­da­ções e ero­são hí­dri­ca de­vi­do às chu­vas, se­gun­do o nos­so in­ter­lo­cu­tor, são Me­non­gue, Ca­lai e Cui­to Cu­a­na­va­le, que tam­bém en­fren­tam a ame­a­ça de pro­gres­são de ra­vi­nas.

Se­gun­do ain­da Jú­lio Mu­li­a­ta, no ano pas­sa­do, o Ser­vi­ço de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros, as­sis­tiu 467 ae­ro­na­ves, re­a­li­zou 51 ac­ções de pro­tec­ção em ac­tos po­lí­ti­cos, efec­tu­ou 48 aten­di­men­tos pré-hos­pi­ta­la­res e 115 ex­tin­ções de in­cên­di­os. Re­a­li­zou ain­da 90 pa­les­tras nos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos da ci­da­de de Me­non­gue e ou­tros mu­ni­cí­pi­os so­bre os mé­to­dos adop­tar em ca­sos de afo­ga­men­to e de in­cên­di­os .

“Ape­sar das su­ces­si­vas cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção que o Ser­vi­ço de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros tem re­a­li­za­do nas co­mu­ni­da­des, pa­ra ex­pli­car as me­di­das de pre­ven­ção”

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO O pe­ri­go es­tá sem­pre a es­prei­ta à bei­ra de ri­os em vá­ri­as re­giões da pro­vín­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.