Do­en­ça do so­no não é ape­nas um dis­túr­bio

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Es­ta­nis­lau Cos­ta | Lu­ban­go

Uma equi­pa in­ter­na­ci­o­nal de ci­en­tis­tas, in­cluin­do uma por­tu­gue­sa (Luí­sa Fi­guei­re­do), con­cluiu, nu­ma ex­pe­ri­ên­cia com ra­ti­nhos, que a do­en­ça do so­no, uma do­en­ça in­fec­ci­o­sa le­tal em Áfri­ca, não é ape­nas um dis­túr­bio do so­no.

Se­gun­do o es­tu­do, pu­bli­ca­do na re­vis­ta Na­tu­re Com­mu­ni­ca­ti­ons, a Tri­pa­nos­so­mía­se Hu­ma­na Afri­ca­na, vul­gar­men­te co­nhe­ci­da co­mo do­en­ça do so­no, “re­sul­ta de um dis­túr­bio do rit­mo cir­cas­si­a­no, cau­sa­do pe­la ace­le­ra­ção dos re­ló­gi­os bi­o­ló­gi­cos que con­tro­lam di­ver­sas fun­ções vi­tais, além do so­no”, re­fe­re um co­mu­ni­ca­do do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na Mo­le­cu­lar João Lo­bo An­tu­nes, em Lis­boa.

A do­en­ça do so­no, que “ame­a­ça de­ze­nas de mi­lhões de pes­so­as nos paí­ses da Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na”, é trans­mi­ti­da pe­la pi­ca­da da mos­ca tsé-tsé, in­fec­ta­da com o pa­ra­si­ta “Try­pa­no­so­ma bru­cei”.

Pa­ra Luí­sa Fi­guei­re­do, ci­ta­da no co­mu­ni­ca­do, a do­en­ça “não é es­pe­ci­fi­ca­men­te um dis­túr­bio do so­no”.

O tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção, que re­sul­ta de uma co­la­bo­ra­ção en­tre o la­bo­ra­tó­rio da ci­en­tis­ta por­tu­gue­sa e o do in­ves­ti­ga­dor Jo­seph Ta­kahashi, da Uni­ver­si­da­de de Southwes­tern, nos Es­ta­dos Uni­dos, re­ve­la que o re­ló­gio bi­o­ló­gi­co dos ra­ti­nhos in­fec­ta­dos “avan­ça mais ra­pi­da­men­te, o que le­va a uma in­ver­são dos ci­clos do so­no e a uma anor­ma­li­da­de hor­mo­nal e na tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, se­me­lhan­te ao que se ob­ser­va em do­en­tes com a do­en­ça do so­no”.

Fa­ce aos re­sul­ta­dos ob­ti­dos na ex­pe­ri­ên­cia, se­rá ne­ces­sá­rio sa­ber em di­an­te, de acor­do com Luí­sa Fi­guei­re­do, o que al­te­ra o rit­mo do re­ló­gio bi­o­ló­gi­co na do­en­ça do so­no.

“Se­rá uma se­cre­ção do pa­ra­si­ta ou uma mo­lé­cu­la pro­du­zi­da pe­lo hos­pe­dei­ro em res­pos­ta à in­fec­ção? Co­nhe­cer a fon­te irá aju­dar­nos a ter um me­lhor en­ten­di­men­to da do­en­ça e po­ten­ci­al­men­te blo­que­ar os efei­tos”, afir­mou, ci­ta­da pe­lo Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na Mo­le­cu­lar João Lo­bo An­tu­nes. O di­rec­tor da Rá­dio 2000, Jo­sé Ma­nu­el Ro­dri­gues, des­men­tiu, on­tem, as in­for­ma­ções se­gun­do as quais o co­la­bo­ra­dor e apre­sen­ta­dor An­tó­nio Fran­cis­co Ma­nu­el foi des­vin­cu­la­do da es­ta­ção.

Jo­sé Ma­nu­el Ro­dri­gues ex­pli­cou, ao Jor­nal de An­go­la, que “hou­ve uma cer­ta pre­ci­pi­ta­ção, quer da par­te de An­tó­nio Fran­cis­co Ma­nu­el, mais co­nhe­ci­do por Tony Fancy, quer de al­gu­mas pes­so­as, que di­vul­ga­ram in­ver­da­des que le­sam o bom no­me da es­ta­ção emis­so­ra.

Tony Fancy des­lo­cou-se a Lu­an­da pa­ra par­ti­ci­par na en­tre­vis­ta colectiva con­ce­di­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra. De acor­do com o apre­sen­ta­dor, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, de re­gres­so ao Lu­ban­go, con­fron­tou-se com a si­tu­a­ção de des­pe­di­men­to, o que, en­tre­tan­to, me­re­ce o des­men­ti­do do di­rec­tor da Rá­dio 2000.

“Di­ri­gi­mos uma rá­dio com mais de 25 anos de exis­tên­cia e te­mos a cons­ci­ên­cia de que não se des­pe­de um qua­dro por me­ras pa­la­vras, sem que ha­ja um pro­ces­so dis­ci­pli­nar, pre­vi­a­men­te, cons­ti­tuí­do, com a ob­ser­vân­cia dos trâ­mi­tes le­gais e com um des­fe­cho”, dis­se.

O res­pon­sá­vel es­cla­re­ceu que, após a sua che­ga­da ao Lu­ban­go, saí­do de Lu­an­da, on­de par­ti­ci­pou na en­tre­vis­ta colectiva com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o apre­sen­ta­dor “foi re­ce­bi­do co­mo qual­quer qua­dro li­ga­do a ca­sa. Po­rém, ao se di­ri­gir ao ga­bi­ne­te do di­rec­tor, ma­ni­fes­tou cer­ta ar­ro­gân­cia”. Jo­sé Ma­nu­el Ro­dri­gues fez sa­ber que a di­rec­ção da Rá­dio 2000 sen­te-se le­sa­da, por­que o apre­sen­ta­dor apa­re­ceu em pú­bli­co a ma­ni­fes­tar-se em no­me da es­ta­ção, na en­tre­vis­ta colectiva pre­si­den­ci­al, quan­do a so­li­ci­ta­ção de des­lo­ca­ção que apre­sen­tou não te­ve pa­re­cer fa­vo­rá­vel, por cau­sa dos com­pro­mis­sos pro­fis­si­o­nais lo­cais.

“As­sim que o nos­so co­la­bo­ra­dor nos di­ri­giu o pe­di­do de dis­pen­sa, pa­ra ir a Lu­an­da, por mei­os pró­pri­os, vi­mos que dei­xa­ria um va­zio acen­tu­a­do no pro­gra­ma que apre­sen­ta­va e op­tá­mos por não dar pa­re­cer fa­vo­rá­vel”, dis­se, exi­bin­do a car­ta en­tre­gue por Tony Fancy, a so­li­ci­tar per­mis­são pa­rar vi­a­jar à ca­pi­tal.

O res­pon­sá­vel acres­cen­tou que, à luz da ocor­rên­cia, o Con­se­lho de Di­rec­ção da emis­so­ra reu­niu-se on­tem, pa­ra, en­tre ou­tras ques­tões, ana­li­sar o fac­to de o apre­sen­ta­dor ter ig­no­ra­do o des­pa­cho, apa­re­cen­do, de­pois, em pú­bli­co, em no­me da rá­dio, sem au­to­ri­za­ção.

Se­gun­do o di­rec­tor, o Con­se­lho de Di­rec­ção de­ci­diu ins­tau­rar um pro­ces­so dis­ci­pli­nar con­tra o apre­sen­ta­dor e co­la­bo­rar, que vai cor­rer os trâ­mi­tes le­gais, de acor­do com a Lei Ge­ral do Tra­ba­lho, ou­vin­do to­das as par­tes.

“Até o pro­ces­so se­guir o cur­so nor­mal, o An­tó­nio Fran­cis­co Ma­nu­el vai con­ti­nu­ar con­nos­co, cum­prin­do com as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des”, re­ma­tou.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO |LU­BAN­GO Jo­sé Ma­nu­el Ro­dri­gues, di­rec­tor da Rá­dio 2000, da Huí­la

AFP Por­tu­gue­sa Lui­sa Fi­guei­re­do es­tá en­tre os ci­en­tis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.