Mé­di­ca opõe-se à me­di­da que li­mi­ta os en­fer­mei­ros

A mé­di­ca acre­di­ta que os hos­pi­tais não dis­põem de con­di­ções pa­ra dis­pen­sar o ser­vi­ço, que era pres­ta­do por en­fer­mei­ros

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Au­gus­to Cu­te­ta

A di­rec­to­ra do Cen­tro de Saú­de de Re­fe­rên­cia da Ci­da­de do Ki­lam­ba, Go­de­li­ve Lu­vu­a­lu, ma­ni­fes­tou-se con­tra a de­ci­são que im­pe­de os en­fer­mei­ros de fa­ze­rem a pres­cri­ção de re­cei­tas hos­pi­ta­la­res.

A mé­di­ca der­ma­to­lo­gis­ta re­fe­riu que as leis ou nor­mas de­vem ser ela­bo­ra­das e apli­ca­das em fun­ção da re­a­li­da­de de ca­da con­tex­to. E, no ca­so do país, não exis­tem con­di­ções pa­ra que se apli­que já o de­cre­to que ve­ta os en­fer­mei­ros de pas­sar re­cei­tas aos do­en­tes.

Os en­fer­mei­ros de hos­pi­tais, cen­tros e pos­tos de saú­de sus­pen­de­ram a pres­cri­ção e aten­di­men­tos aos do­en­tes, por al­gu­mas das su­as rei­vin­di­ca­ções não se­rem, até ago­ra, aten­di­das pe­lo Go­ver­no.

Os téc­ni­cos de saú­de pe­di­am a re­vo­ga­ção do De­cre­to 254/2010, so­bre as com­pe­tên­ci­as atri­buí­das às car­rei­ras mé­di­ca e de en­fer­ma­gem. Es­se do­cu­men­to per­mi­te ape­nas que os úl­ti­mos pro­fis­si­o­nais fa­çam pres­cri­ção de me­di­ca­men­tos pro­to­co­la­dos.

Ape­sar des­se de­cre­to, os en­fer­mei­ros con­ti­nu­a­vam a exer­cer ac­ti­vi­da­des ex­clu­si­vas pa­ra os mé­di­cos, mas sem re­mu­ne­ra­ção, dai as rei­vin­di­ca­ções do sin­di­ca­to da clas­se, que ori­en­tou a pa­ra­li­sa­ção, prin­ci­pal­men­te da pres­cri­ção de re­cei­tuá­ri­os.

Fru­to dos cons­tran­gi­men­tos que a me­di­da cau­sa, Go­de­li­ve Lu­vu­a­lu ape­la a uma mai­or pon­de­ra­ção da clas­se dos en­fer­mei­ros, em­bo­ra re­co­nhe­ça jus­ti­ça nas su­as rei­vin­di­ca­ções.

A mé­di­ca acre­di­ta que os hos­pi­tais na­ci­o­nais não dis­põem de con­di­ções pa­ra dis­pen­sar es­se ser­vi­ço, que era pres­ta­do, tam­bém, por en­fer­mei­ros, da­da a es­cas­sez de mé­di­cos. Por exem­plo, no cen­tro que di­ri­ge, tra­ba­lham cin­co mé­di­cos, que con­tam com aju­da de 35 en­fer­mei­ros.

Es­tes téc­ni­cos, mes­mo sem con­di­ções ne­nhu­mas, aten­dem cer­ca de 300 pa­ci­en­tes por dia, que sa­em de to­dos os bair­ros cir­cun­vi­zi­nhos da ci­da­de do Ki­lam­ba e do KK-5000, uma po­pu­la­ção que ron­da os 200 mil ha­bi­tan­tes.

O cen­tro em re­fe­rên­cia, sem or­ça­men­to do Es­ta­do, por não ser re­co­nhe­ci­do, aten­de mai­o­ri­ta­ri­a­men­te do­en­tes com cau­sas re­la­ci­o­na­das à ma­lá­ria, sen­do que a área de pe­di­a­tria re­ce­be en­tre 70 e 90 cri­an­ças por dia.

A ins­ti­tui­ção tem um la­bo­ra­tó­rio cons­ti­tuí­do por apa­re­lhos de he­ma­to­lo­gia, bi­oquí­mi­ca, mi­cros­có­pio, agi­ta­dor e au­to­cla­ve, es­te úl­ti­mo que ser­ve pa­ra es­te­ri­li­za­ção. To­dos es­tes equi­pa­men­tos es­tão pa­ra­li­sa­dos, por fal­ta de re­a­gen­tes e de ma­te­ri­al au­xi­li­ar.

“Te­mos mes­mo al­guns apa­re­lhos a en­fer­ru­jar, que, por fal­ta de coi­sas mí­ni­mas, es­tão, há mais de dois anos, sem fun­ci­o­nar”, la­men­tou a mé­di­ca pa­ra avan­çar que, nes­te mo­men­to, o la­bo­ra­tó­rio faz ape­nas tes­tes rá­pi­dos de ma­lá­ria.

Sem raio X e ou­tros mei­os

O cen­tro de re­fe­rên­cia não dis­põe de um apa­re­lho de raio X e en­fren­ta uma gri­tan­te fal­ta de ou­tros tan­tos equi­pa­men­tos, as­sim co­mo tem ape­nas uma ba­lan­ça, pa­ra aten­der mais de 90 pe­que­nos.

“Há al­tu­ras em que nós não te­mos nem um apa­re­lho pa­ra me­dir a pres­são ar­te­ri­al”, dis­se Go­de­li­ve Lu­vu­a­lu, pa­ra qu­em a far­má­cia pre­ci­sa tam­bém de ser re­for­ça­da, em ter­mos­de stock, por não ter qua­se na­da.

Ape­sar das di­fi­cul­da­des, os cin­co mé­di­cos e 35 en­fer­mei­ros e téc­ni­cos de di­ag­nós­ti­co aten­dem os pa­ci­en­tes em me­di­ci­na, ban­co de ur­gên­cia, con­sul­ta pré-na­tal, pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar, la­bo­ra­tó­rio, pro­gra­ma alar­ga­do de va­ci­na­ção, ma­ter­ni­da­de e far­má­cia.

Quan­to ao pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar, o cen­tro sub­me­te as pa­ci­en­tes à vá­ri­os mé­to­dos, com des­ta­que pa­ra o De­po-pro­ve­ra (in­jec­ções pa­ra não en­gra­vi­dar), pí­lu­las, im­plan­te hor­mo­nal (chip). Pa­ra os ho­mens, re­co­men­da­se a ca­mi­si­nha.

Ape­sar do de­cre­to, os en­fer­mei­ros con­ti­nu­a­vam a exer­cer ac­ti­vi­da­des ex­clu­si­vas pa­ra mé­di­cos, mas sem re­mu­ne­ra­ção, dai as rei­vin­di­ca­ções do sin­di­ca­to da clas­se, que ori­en­tou a pa­ra­li­sa­ção.

CONTREIRAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Pa­ci­en­tes do Cen­tro de Saú­de do Ki­lam­ba le­vam mais tem­po pa­ra re­ce­ber re­cei­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.