As­so­ci­a­ção pe­de de­ci­são do Tri­bu­nal

Pre­si­den­te da AADIC de­fen­de a apli­ca­ção do prin­cí­pio da ter­ri­to­ri­a­li­da­de, que obri­ga os co­lé­gi­os a ob­de­cer às leis

Jornal de Angola - - PARTADA - Adal­ber­to Cei­ta

A qua­se du­as se­ma­nas do ar­ran­que das au­las, o Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da ain­da não res­pon­deu à pro­vi­dên­cia cau­te­lar in­ter­pos­ta pe­la As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Di­rei­tos do Con­su­mi­dor (AADIC) so­bre o au­men­to dos pre­ços das pro­pi­nas fei­to pe­los co­lé­gi­os Lu­an­da In­ter­na­ci­o­nal Scho­ol, Fer­mas e o An­go­la­no de Ta­la­to­na. Em de­fe­sa dos in­te­res­ses eco­nó­mi­cos dos es­tu­dan­tes, a As­so­ci­a­ção pe­de a sus­pen­são ime­di­a­ta da me­di­da até que ha­ja uma de­ci­são de­fi­ni­ti­va do Tri­bu­nal. O do­cu­men­to foi re­me­ti­do há 15 di­as à Sa­la Cí­vel e Ad­mi­nis­tra­ti­va do Tri­bu­nal.

Quin­ze di­as de­pois de ter re­me­ti­do à Sa­la Cí­vel e Ad­mi­nis­tra­ti­va do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da uma pro­vi­dên­cia cau­te­lar em de­fe­sa dos in­te­res­ses eco­nó­mi­cos dos es­tu­dan­tes de al­guns co­lé­gi­os, fa­ce ao au­men­to dos pre­ços das pro­pi­nas, a As­so­ci­a­ção An­go­la­na dos Di­rei­tos do Con­su­mi­dor (AADIC) la­men­ta o si­lên­cio a que o as­sun­to foi vo­ta­do.

A quei­xa é con­tra os co­lé­gi­os Lu­an­da In­ter­na­ci­o­nal Scho­ol, Fer­mas e o An­go­la­no de Ta­la­to­na, ex­pli­cou o pre­si­den­te da AADIC, Dió­ge­nes de Oli­vei­ra. Lem­brou que a pro­vi­dên­cia cau­te­lar vi­sa sus­pen­der ime­di­a­ta­men­te os pre­ços das pro­pi­nas até que ha­ja uma de­ci­são de­fi­ni­ti­va do Tri­bu­al. Es­te pres­su­pos­to, ser­ve pa­ra pro­te­ger os in­te­res­ses eco­nó­mi­cos dos es­tu­dan­tes, aten­den­do a re­la­ção de con­su­mo exis­ten­te en­tre os co­lé­gi­os, pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção.

“Pas­sa­dos mais de 15 di­as, o tri­bu­nal não se pro­nun­ci­ou”, dis­se Dió­ge­nes de Oli­vei­ra, lem­bran­do que o ano lec­ti­vo co­me­ça na pró­xi­ma se­ma­na. Das três ins­ti­tui­ções de en­si­no, pros­se­guiu, ape­nas o Co­lé­gio An­go­la­no de Ta­la­to­na se re­tra­tou jun­to à AADIC, com­pro­me­ten­do­se a man­ter os va­lo­res das pro­pi­nas, emo­lu­men­tos e ou­tros ser­vi­ços.

Além da pro­vi­dên­cia cau­te­lar, dis­se, a AADIC fez uma par­ti­ci­pa­ção à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, igual­men­te sem res­pos­ta. Por for­ça do ar­ti­go 28 da Lei de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra agir em ca­sos do gé­ne­ro, lem­brou Dió­ge­nes de Oli­vei­ra.

Fren­te ao si­lên­cio do Tri­bu­nal e do Mi­nis­té­rio pú­bli­co, pros­se­guiu, “o Con­se­lho Su­pe­ri­or de Ma­gis­tra­tu­ra de­ve apu­rar as cau­sas e pe­dir res­pon­sa­bi­li­da­des pe­lo in­cum­pri­men­to do Des­pa­cho nú­me­ro 894 de 20 de De­zem­bro de 2017, exa­ra­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.”

O pre­si­den­te da AADIC su­ge­re um tra­ba­lho atu­ra­do da par­te da Ins­pec­ção-Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do, no qua­dro da pre­ven­ção e com­ba­te as más prá­ti­cas na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, pa­ra evi­tar que as vi­o­la­ções à lei per­sis­tam.

Prin­cí­pio de ter­ri­to­ri­a­li­da­de

Os es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pri­va­do, de pro­pri­e­da­de es­tran­gei­ra, de­sig­na­da­men­te os co­lé­gi­os São Francisco de As­sis, Es­co­la Por­tu­gue­sa e o Ly­cée Fran­çais de Lu­an­da, po­dem res­pon­der em tri­bu­nal, por ale­ga­da vi­o­la­ção das leis an­go­la­nas e o des­pa­cho n.º 894 de 20 de De­zem­bro de 2017, do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, afir­mou o pre­si­den­te da AADIC

Dió­ge­nes de Oli­vei­ra de­fen­de a apli­ca­ção do prin­cí­pio da ter­ri­to­ri­a­li­da­de, que obri­ga os co­lé­gi­os ci­ta­dos a obe­de­cer, es­cru­pu­lo­sa­men­te, às leis an­go­la­nas, e nes­te ca­so em con­cre­to a Lei de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, sal­va­guar­da­da no ar­ti­go 78 da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, bem co­mo o re­cen­te des­pa­cho do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

“Uma vez que as ins­ti­tui­ções de en­si­no se en­con­tram a exer­cer as su­as ac­ti­vi­da­des em An­go­la de­vem su­jei­tar­se às leis an­go­la­nas, o que não se ob­ser­va, por exem­plo, pe­los ele­va­dos pre­ços que pra­ti­cam”, dis­se. O pre­si­den­te da AADIC lem­brou que os ser­vi­ços de en­si­no em An­go­la obe­de­cem ao re­gi­me de pre­ços vi­gi­a­dos, sen­do que, “mes­mo que os co­lé­gi­os es­ti­ves­sem em re­gi­me de pre­ços li­vres, de­ve­ri­am igual­men­te res­pei­tar o De­cre­to Pre­si­den­ci­al nú­me­ro 33/96, de 1 de Ju­lho, que di­ta a ta­xa de mar­gem de lu­cro pa­ra o re­gi­me de pre­ços li­vres não su­pe­ri­or a 25 por cen­to”.

Pa­ra o pre­si­den­te da AADIC, se exis­te uma lei ou um Acor­do en­tre Es­ta­dos so­bre es­ta ma­té­ria, os ci­da­dãos de­vem to­mar co­nhe­ci­men­to da mes­ma, co­mo re­co­men­da a Lei de De­fe­sa do Con­su­mi­dor no seu ar­ti­go oi­ta­vo.

Pro­vi­dên­cia cau­te­lar vi­sou pro­te­ger os in­te­res­ses eco­nó­mi­cos dos es­tu­dan­tes, aten­den­do a re­la­ção de con­su­mo exis­ten­te en­tre os co­lé­gi­os, pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção

EDU­AR­DO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da con­ti­nua no si­lên­cio so­bre o ca­so de au­men­to de pre­ço das pro­pi­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.