Nil­ton, Só­nia e Mauro não se­rão ab­sol­vi­dos?

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­sé Luís Mendonça

Se até os mais fer­re­nhos “se­ri­al ki­lers” têm di­rei­to a ad­vo­ga­do, quan­to mais não es­ta­rão a dou­tri­na, a ju­ris­pru­dên­cia e a pró­prio di­rei­to po­si­ti­vo ap­tos pa­ra ar­ro­lar ma­té­ria ju­rí­di­ca pa­ra a de­fe­sa dum réu acu­sa­do de cri­me de pe­cu­la­to?

O que nos traz â tri­bu­na ho­je é o tão ba­da­la­do ca­so ape­li­da­do de Fun­do Glo­bal con­tra a Ma­lá­ria, en­vol­ven­do réus afec­tos ao Mi­nis­té­rio da Saú­de. Es­te ca­so es­tá sob a ju­ris­di­ção da 7.ª Sec­ção dos Cri­mes Co­muns do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, e vi­sa pro­var e jul­gar o des­vio de ver­bas atri­buí­das pe­lo Fun­do Glo­bal pa­ra a lu­ta con­tra a ma­lá­ria em An­go­la.

O meu pon­to de de­fe­sa do ex-co­or­de­na­dor ad­jun­to do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Con­tro­lo da Ma­lá­ria do MINSA, o mé­di­co Nil­ton Sa­rai­va Francisco, da ex-ad­mi­nis­tra­do­ra fi­nan­cei­ra da Uni­da­de Téc­ni­ca de Ges­tão do Fun­do Glo­bal / MINSA, Só­nia Ne­ves, e do ma­ri­do des­ta, Mauro Gon­çal­ves, ba­seia-se em três prin­cí­pi­os fun­da­men­tais do nos­so or­de­na­men­to ju­rí­di­co.

O pri­mei­ro é o prin­cí­pio da igual­da­de pe­ran­te a lei con­sa­gra­do pe­la Lei Mag­na. Ci­te­mos: “AR­TI­GO 18°: 1. To­dos os ci­da­dãos são iguais pe­ran­te a lei e go­zam dos mes­mos di­rei­tos e es­tão su­jei­tos aos mes­mos de­ve­res, sem dis­tin­ção da sua cor, ra­ça, et­nia, se­xo, lu­gar de nas­ci­men­to, re­li­gião, ide­o­lo­gia, grau de ins­tru­ção, con­di­ção eco­nó­mi­ca ou so­ci­al. 2. A lei pu­ne se­ve­ra­men­te to­dos os ac­tos que vi­sem pre­ju­di­car a har­mo­nia so­ci­al ou cri­ar dis­cri­mi­na­ções e pri­vi­lé­gi­os com ba­se nes­ses fac­to­res.”

A se­guir, tra­ze­mos à li­ça a ex­clu­são da ili­ci­tu­de pre­vis­ta no AR­TI­GO 30.º do Có­di­go Pe­nal an­go­la­no: 1. O fac­to não é pu­ní­vel quan­do a sua ili­ci­tu­de for ex­cluí­da pe­la or­dem ju­rí­di­ca con­si­de­ra­da na sua to­ta­li­da­de. 2. No­me­a­da­men­te não é lí­ci­to o fac­to pra­ti­ca­do: d) com o con­sen­ti­men­to do ti­tu­lar do in­te­res­se ju­rí­di­co le­sa­do.”

Mes­mo an­tes de se pu­bli­car a lei da Am­nis­tia, em vi­gor des­de 2016, os cri­mes de abu­so de po­der, pe­cu­la­to e cor­rup­ção ra­ra­men­te fo­ram le­va­dos a tri­bu­nal, des­de os lon­ge­vos anos da dé­ca­da de 90. Es­te com­por­ta­men­to do Po­der Ju­di­ci­al an­go­la­no cri­ou um pre­ce­den­te ju­rí­di­co que, ao con­trá­rio do que acon­te­ce na fa­mí­lia do di­rei­to an­glo-sa­xó­ni­co (dou­tri­na do ca­so jul­ga­do), pro­du­ziu en­tre nós, a dou­tri­na do “va­zio pro­ces­su­al pe­nal rei­te­ra­do”. Es­te jul­ga­men­to do ca­so Fun­do Glo­bal apa­re­ce, as­sim, co­mo um com­por­ta­me­to al­go in­só­li­to do po­der ju­di­ci­al an­go­la­no.

Ora, a ina­ção dos tri­bu­nais pe­ran­te ac­tos ju­ri­di­ca­men­te re­le­van­tes que to­dos nós cons­ta­tá­mos se­rem pas­sí­veis de im­pe­ri­o­sa in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, da­das as con­di­ções de pra­cri­da­de no aten­di­men­to pú­bli­co a que che­ga­ram cer­tas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do ou de ma­ni­fes­to es­va­zi­a­men­to dos co­fres de de­ter­mi­na­dos ban­cos – Cai­xa Agro-Pe­cuá­ria e Pes­cas e BESA e mui­to mais re­cen­te­men­te do pró­prio BNA – cri­ou uma tra­di­ção ju­di­ciá­ria ca­paz de ge­rar uma con­di­ção fa­vo­rá­vel aos réus do ca­so Fun­do Glo­bal, co­mo se de um ca­so jul­ga­do se tra­tas­se, mas pe­la ne­ga­ção (ca­so não jul­ga­do pe­lo Tri­bu­nal).

Aqui ac­tua em de­fe­sa dos ar­gui­dos des­te ca­so a co­mi­na­ção pre­vis­ta no ar­ti­go 18º da Lei Cons­ti­tu­ci­o­nal aci­ma ali­nha­va­da, pois que a igual­da­de pe­ran­te a lei é pre­mis­sa pa­ra a afir­ma­ção da igual­da­de pe­ran­te o juiz, por­que da­que­la norma cons­ti­tu­ci­o­nal bro­ta o prin­cí­pio da igual­da­de pro­ces­su­al.

Quan­to ao ar­ti­go 30º do Có­di­go Pe­nal, ele re­me­te-nos, pois, pa­ra o prin­cí­pio do "Fa­vor Rei" que diz res­pei­to, es­sen­ci­al­men­te, à in­ter­pre­ta­ção do tex­to le­gal, nas hi­pó­te­ses em que es­ta apre­sen­ta uma cer­ta am­bi­gui­da­de de­ven­do, nes­se ca­so, o juíz fa­zer pre­va­le­cer a norma mais be­né­fi­ca pa­ra o réu.

Diz o ju­ris­ta bra­si­lei­ro Fer­nan­do da Cos­ta Tou­ri­nho Fi­lho que “o prin­cí­pio do fa­vor rei (ou fa­vor ino­cen­ti­ae, ou fa­vor li­ber­ta­tis)”, é aque­le que, num con­fli­to en­tre o jus pu­ni­en­di do Es­ta­do e o jus li­ber­ta­tis do acu­sa­do, le­va a ba­lan­ça a in­cli­nar-se a fa­vor des­te úl­ti­mo. Is­so sig­ni­fi­ca que, na dú­vi­da, sem­pre pre­va­le­ce o in­te­res­se do acu­sa­do (in du­bio pro reo).

Daí que o Di­rei­to Pro­ces­su­al Pe­nal é pro­pen­so à ab­sol­vi­ção do réu se per­sis­ti­rem dú­vi­das a res­pei­to do ac­to pra­ti­ca­do pe­lo réu. E on­de re­si­de es­ta dú­vi­da? Re­si­de no fac­to de a prá­ti­ca de que sáo acu­sa­dos Nil­ton Sa­rai­va Francisco, Só­nia Ne­ves e Mauro Gon­çal­ves cons­ti­tuí­rem, à al­tu­ra da sua prá­ti­ca, ac­tos co­muns ou nor­mais dos ti­tu­la­res de car­gos pú­bli­cos. Ora, es­te uso ou cos­tu­me “le­gal” e ”lí­ci­to” de­vi­do â omis­são da pró­pria Lei, con­fi­gu­ra um con­sen­ti­men­to tá­ci­to le­gi­ti­ma­do pe­lo Es­ta­do an­go­la­no, o ti­tu­lar do in­te­res­se ju­rí­di­co le­sa­do. Co­mo vi­mos, o AR­TI­GO 30.º do Có­di­go Pe­nal an­go­la­no ili­ba de cul­pa o fac­to pra­ti­ca­do com o con­sen­ti­men­to do ti­tu­lar do in­te­res­se ju­rí­di­co le­sa­do.

E, se ago­ra, na vi­gên­cia do no­vo Go­ver­no, pre­fe­re o Es­ta­do não pu­nir os ac­tos de cor­rup­ção, pe­cu­la­to e abu­so de po­der, tal­vez pa­ra sal­va­guar­dar a es­ta­bi­li­da­de so­ci­al e po­lí­ti­ca nes­ta fa­se de tran­si­ção, en­tão de­vem, por mai­o­ria de ra­zão (in fa­vor rei) Nil­ton Sa­rai­va Francisco, Só­nia Ne­ves e Mauro Gon­çal­ves ser man­da­dos em paz pa­ra ca­sa. Com a or­dem ex­pres­sa pe­lo tri­bu­nal de de­vol­ve­rem os fun­dos des­vi­a­dos. E mais na­da além dis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.