An­go­la per­de com Ni­gé­ria mas dei­xou boa im­pres­são

Se­lec­ção Na­ci­o­nal fi­cou per­to da vi­tó­ria fren­te à Ni­gé­ria mas per­de no pro­lon­ga­men­to e fa­lha pre­sen­ça nas mei­as-fi­nais

Jornal de Angola - - PARTADA - Ma­ti­as Adri­a­no

Os Pa­lan­cas Ne­gras per­de­ram on­tem com a Ni­gé­ria, por 2-1, no jo­go dos quar­tos-de-fi­nal da V edi­ção do CHAN’ 2018, mas dei­xa­ram boa im­pres­são, já que ti­ve­ram pou­co tem­po de pre­pa­ra­ção. An­go­la te­ve a vi­tó­ria nas mãos, mas dei­xou-se em­pa­tar no úl­ti­mo mi­nu­to do tem­po re­gu­la­men­tar. No pro­lon­ga­men­to, os ni­ge­ri­a­nos fo­ram mais for­tes e mar­ca­ram o se­gun­do go­lo, que ga­ran­tiu a pas­sa­gem das Su­per Águi­as pa­ra as mei­as-fi­nais.

de fu­te­bol caiu on­tem aos pés da Ni­gé­ria com quem per­deu por 2-1, já no pro­lon­ga­men­to após igual­da­de a um go­lo no fi­nal do tem­po re­gu­la­men­tar. Os an­go­la­nos só po­dem quei­xar-se de si mes­mos, por não te­rem sa­bi­do ti­rar pro­vei­to da van­ta­gem que ti­ve­ram em mão.

De res­to, foi por um mi­la­gre que os ni­ge­ri­a­nos de­ram a vol­ta à le­tra ao ter­mi­na­rem o jo­go em van­ta­gem. As­sim, o com­bi­na­do an­go­la­no re­gres­sa a ca­sa, quan­do es­te­ve já mes­mo à bei­ra das mei­as-fi­nais. Quan­do se é per­mis­si­vo no fu­te­bol as coi­sas acon­te­cem as­sim. Quem es­ta­rá a es­fre­gar as mãos de con­ten­te é a Ni­gé­ria, que já ti­nha per­di­do a es­pe­ran­ça de con­ti­nu­ar em pro­va, em­bo­ra per­sis­ten­te em cam­po, em obe­di­ên­cia, cer­ta­men­te, ao prin­cí­pio de que a es­pe­ran­ça é a ul­ti­ma a morrer. Tam­bém fi­cou pa­ten­te nes­te jo­go o va­lor do tem­po. Afi­nal um mi­nu­to po­de mu­dar o mun­do ao aves­so, dis­to não te­nha­mos dú­vi­das. Foi a es­cas­sos se­gun­dos que a Ni­gé­ria vi­rou o ru­mo dos acon­te­ci­men­tos.

O ár­bi­tro já ti­nha le­va­do o api­to à bo­ca pa­ra man­dar as du­as equi­pas aos bal­neá­ri­os, quan­do Gabriel apro­vei­tan­do uma de­sa­ten­ção da de­fen­si­va an­go­la­na en­cheu o pé, ba­ten­do Lan­du pe­la pri­mei­ra vez. Foi, na ver­da­de, um bal­de de água fria pa­ra a equi­pa an­go­la­na, que já se pre­pa­ra­va pa­ra fes­te­jar a vi­tó­ria e, con­se­quen­te­men­te, a qua­li­fi­ca­ção pa­ra as mei­as­fi­nais. Pois, tam­bém, no banco nigeriano já se pre­pa­ra­vam pa­ra cho­rar a des­di­ta, ain­da que al­go in­con­for­ma­dos por ser di­an­te de uma se­lec­ção que sem­pre ti­ve­ram co­mo pre­sa fá­cil. O jo­go em si te­ve vá­ri­as par­tes e vá­ri­os mo­men­tos de in­ci­dên­ci­as di­fe­ren­tes. Co­me­ça com uma Ni­gé­ria agres­si­va que pro­cu­ra mos­trar que não es­ta­va em cam­po pa­ra mei­as me­di­das. Mas, en­con­tra um ad­ver­sá­rio que tam­bém ten­ta mos­trar a sua re­sis­tên­cia.

As­sim, ga­nhou uma cer­ta ve­lo­ci­da­de, com as du­as equi­pas a jo­ga­rem qua­se em igual­da­de de cir­cuns­tân­ci­as. A bo­la tan­to cir­cu­la­va no meio cam­po an­go­la­no quan­to no nigeriano. As opor­tu­ni­da­de de go­los sur­gi­am, qu­er de um qu­er de ou­tro la­do, sen­do que no ata­que an­go­la­no des­ta­ca­va-se Ma­no Ca­les­so, ao pas­so que no la­do opos­to Ok­po­tu era, in­va­ri­a­vel­men­te, o se­nhor da si­tu­a­ção. Aliás, se hou­ve jo­ga­dor em cam­po com uma mão cheia de opor­tu­ni­da­des, es­te foi Ma­no Ca­les­so, que mui­tas ve­zes te­ve o go­lo nos pés, mas des­per­di­çan­do sem­pre ao úl­ti­mo to­que. Mas as su­as in­ves­ti­das le­va­ram a Ni­gé­ria a per­ce­ber, que es­ta­va em cam­po com um ad­ver­sá­rio no ver­da­dei­ro sen­ti­do da pa­la­vra, e não com uma equi­pa que se po­dia sub­me­ter às su­as or­dens.

Na sequên­cia da sua in­ves­ti­da a Ni­gé­ria tam­bém cri­ou vá­ri­as si­tu­a­ções de pe­ri­go. Aos 44 mi­nu­tos qua­se mar­cou por in­ter­mé­dio de Ok­po­ku, não es­ti­ves­sem no lu­gar cer­to, e no mo­men­to cer­to, Na­ri e Tó Car­nei­ro. E as­sim, com as du­as equi­pas qua­se em igual­da­de de for­ças, che­ga­vam aos 45 mi­nu­tos.

A se­gun­da par­te era de­ci­si­va. As equi­pas ti­nham ao dis­por 45 mi­nu­tos pa­ra de­ci­dir a eli­mi­na­tó­ria. E te­rão vol­ta­do do bal­neá­rio com es­ta ori­en­ta­ção. En­tre­tan­to, mais sor­tu­da foi An­go­la, que aos 55 mi­nu­tos nu­ma jo­ga­da de ata­que bem com­bi­na­da, en­tre Fo­fó e Vá, as­su­mia a van­ta­gem, com es­te úl­ti­mo a ser res­pon­sá­vel pe­lo go­lo. A ver­da­de é que se a Ni­gé­ria es­ta­va a fa­ci­li­tar, de­pois do go­lo cres­ceu em jo­go, e An­go­la, viu-se na con­tin­gên­cia de de­fen­der a van­ta­gem. O jo­go de­sen­ro­la­va-se ape­nas no seu meio cam­po, em­bo­ra mes­mo su­fo­ca­da ain­da apa­re­cia tam­bém, vez ou ou­tra, com al­gum pe­ri­go pe­ran­te a ba­li­za ad­ver­sá­ria, mas qua­se sem­pre nas saí­das em con­tra-ata­que. Dos 70 aos 76 mi­nu­tos há uma sequên­cia de pon­ta­pés de can­to fa­vo­rá­veis à Ni­gé­ria, que evi­den­ci­a­vam a sua ca­pa­ci­da­de de lu­ta e de­ter­mi­na­ção no jo­go. Tu­do in­di­ca­va que ape­sar da van­ta­gem no re­sul­ta­do, ain­da na­da da­va ga­ran­ti­as de qua­li­fi­ca­ção. Pois, o meio cam­po an­go­la­no con­ti­nu­ou a ser fus­ti­ga­do. Co­mo água em pe­dra du­ra tan­to ba­te até que fu­ra, as “Su­per Águi­as” che­ga­vam ao em­pa­te já no tem­po com­pen­sa­tó­rio com go­lo de Gabriel.

Le­va­do o jo­go ao pro­lon­ga­men­to e com as equi­pas qua­se fi­si­ca­men­te es­go­ta­das, tu­do apon­ta­va pa­ra a pre­va­lên­cia da “lei do mais for­te”. E a Ni­gé­ria che­gou à gló­ria aos 106 mi­nu­tos, com go­lo de Ok­po­ku. En­fim, os Pa­lan­cas ti­nham tu­do pa­ra se­guir em fren­te na pro­va, mas aca­ba­ram por morrer in­glo­ri­a­men­te na praia.

Foi um mi­la­gre que os ni­ge­ri­a­nos de­ram a vol­ta à le­tra ao ter­mi­na­rem o jo­go em van­ta­gem. As­sim, o com­bi­na­do an­go­la­no re­gres­sa a ca­sa, quan­do já es­te­ve mes­mo à bei­ra das mei­as-fi­nais

CAFONUNE.COM Se­lec­ção Na­ci­o­nal ba­teu-se com va­len­tia no CHAN

CAFONLINE.COM Su­per Águi­as ti­ra­ram pro­vei­to dos fa­lhan­ços dos an­go­la­nos pa­ra ca­rim­ba­rem o pas­sa­por­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.