So­li­ci­ta­do um au­men­to pa­ra a Saú­de e Edu­ca­ção

Jornal de Angola - - POLÍTCA - Ade­li­na Iná­cio

Os gru­pos par­la­men­ta­res da UNITA e CA­SA-CE pro­põem à As­sem­bleia Na­ci­o­nal o au­men­to, de três pa­ra cin­co por cento, das ver­bas atri­buí­das aos sec­to­res da Saú­de e Edu­ca­ção no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra o ano em cur­so. As pro­pos­tas fo­ram en­tre­gues à Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal pa­ra a aná­li­se e de­vem ser en­tre­gues até ao dia 8 deste mês ao pre­si­den­te do Par­la­men­to.

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da UNITA, Adal­ber­to Costa Jú­ni­or, con­fir­mou ao Jor­nal de An­go­la a en­tre­ga ao Par­la­men­to do con­jun­to de pro­pos­tas pa­ra o OGE deste ano. Na sua pro­pos­ta, dis­se, a UNITA abor­da a qu­es­tão pro­ble­má­ti­ca da dí­vi­da pú­bli­ca, e so­li­ci­ta a dis­po­ni­bi­li­da­de do Exe­cu­ti­vo pa­ra de­sen­ca­de­ar uma ac­ção de ve­ri­fi­ca­ção e trans­pa­rên­cia dos con­teú­dos e da­dos da dí­vi­da pú­bli­ca.

“Por­que os in­di­ca­do­res que exis­tem le­vam-nos a pen­sar que no fi­nal deste tra­ba­lho te­re­mos a pos­si­bi­li­da­de de ob­ter uma res­pos­ta di­fe­ren­te, com me­nos pe­na­li­za­ções so­bre os ci­da­dãos e cri­an­ças e mais aber­tu­ra no que diz res­pei­to à cons­tru­ção do fu­tu­ro. É pe­ri­go­so cons­truir­mos An­go­la do ama­nhã quan­do mais de 50 por cento da dis­po­ni­bi­li­da­de da des­pe­sa pú­bli­ca é pa­ra pa­gar a dí­vi­da cu­ja ori­gem não se”, sus­ten­tou o deputado da UNITA.

A UNITA, dis­se, pro­põe al­te­ra­ções em al­gu­mas áre­as, ele­gen­do co­mo pri­o­ri­da­de o sec­tor so­ci­al. “A UNITA pro­põe que os três por cento alo­ca­dos à área so­ci­al su­bam pa­ra cin­co por cento. A qu­es­tão da saú­de de­ve ser pri­o­ri­tá­ria e não a Ca­sa de Se­gu­ran­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que ou­vi­mos di­zer na cam­pa­nha que vai re­du­zir efec­ti­vos mas que au­men­tou as ver­bas”, de­fen­deu Adal­ber­to Costa Jú­ni­or, pa­ra quem não faz sen­ti­do que uma Ca­sa de Se­gu­ran­ça que está si­tu­a­da em Lu­an­da te­nha efec­ti­vos em Ca­bin­da, Cu­an­za-Sul, Cu­an­do Cu­ban­go, en­tre ou­tras pro­vín­ci­as, em so­bre­po­si­ção às For­ças Ar­ma­das", de­fen­deu Adal­ber­to Costa Jú­ni­or, pa­ra quem es­sas ver­bas de­vem ser trans­fe­ri­das em sec­to­res pri­o­ri­tá­ri­os co­mo a Saú­de e Edu­ca­ção.

Se­gun­do o deputado, além da me­lho­ria das des­pe­sas des­ti­na­das à saú­de e à edu­ca­ção, a UNITA tam­bém pe­de a adop­ção de me­di­das que tra­gam con­di­ções pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e po­ten­ci­a­ção dos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos.

O par­la­men­tar de­fen­deu tam­bém mais es­for­ços pa­ra so­lu­ção dos “gra­ves pro­ble­mas” no sec­tor da saú­de, uma vez que, dis­se, ve­ri­fi­ca-se ex­ces­so de ver­bas em al­gu­mas áre­as que con­si­de­rou ina­cei­tá­veis. “Es­tão a ser atri­buí­das ver­bas à ins­ti­tui­ções pú­bli­cas com vín­cu­lo par­ti­dá­rio e a afec­tar di­nhei­ros que po­dem ser­vir de re­for­ço à área so­ci­al, co­mo saú­de e edu­ca­ção, e ao pa­ga­men­to de dí­vi­das aos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos”, de­nun­ci­ou.

Au­di­to­ria à dí­vi­da pú­bli­ca

Já a co­li­ga­ção CA­SA-CE, se­gun­da mai­or for­ça po­lí­ti­ca na opo­si­ção, pro­põe que o di­nhei­ro que de­ri­va da va­ri­a­ção do pre­ço do barril do pe­tró­leo e de ou­tras fon­tes re­for­ce as receitas do sec­tor pro­du­ti­vo, so­bre­tu­do as áre­as que con­tri­bu­em pa­ra a au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar, di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, au­men­to das ex­por­ta­ções, re­for­ço nas receitas da saú­de e da edu­ca­ção.

A po­si­ção da co­li­ga­ção foi apre­sen­ta­da pe­lo pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar, An­dré Men­des de Car­va­lho, que de­nun­ci­ou tam­bém a exis­tên­cia de cer­ca de 20 mil ofi­ci­ais que há mais de cin­co anos não en­tram pa­ra a Cai­xa de Se­gu­ran­ça So­ci­al das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas.

Com efei­to, a CA­SA-CE pro­põe que se re­ti­re do di­nhei­ro pa­ra o pa­ga­men­to da dí­vi­da ver­bas pa­ra que se fa­ça a ins­cri­ção des­ses mi­li­ta­res na Cai­xa So­ci­al. An­dré Men­des de Car­va­lho dis­se que a CA­SA-CE tam­bém quer que as associações “di­tas" de uti­li­da­de pú­bli­ca co­mo o Mo­vi­men­to Es­pon­tâ­neo, AJAPRAZ, FESA en­tre ou­tras que te­nham ca­rác­ter for­te­men­te par­ti­dá­rio dei­xem de be­ne­fi­ci­ar de apoios do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do. A CA­SA-CE, adi­an­tou, apre­sen­tou igual­men­te uma gran­de cor­rec­ção à lei que apro­va o OGE em vá­ri­as ma­té­ri­as e de­fen­de a cri­a­ção de me­ca­nis­mos pa­ra que as ver­bas ex­tra­or­di­ná­ri­as que são da­das aos sec­to­res li­ga­dos à In­te­li­gên­cia se­jam apro­va­das pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da CA­SA-CE es­pe­ra que a Lei que apro­va o OGE não se­ja trans­for­ma­da nu­ma Lei de au­to­ri­za­ção le­gis­la­ti­va ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

O deputado do PRS Be­ne­di­to Da­ni­el dis­se que o seu par­ti­do não deu ne­nhu­ma con­tri­bui­ção ao Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, uma vez que as su­as opi­niões são ig­no­ra­das pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.