Nós e a cor­rup­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - Luísa Ro­gé­rio

A cor­rup­ção ma­ni­fes­ta-se igual­men­te por in­ter­mé­dio de pe­que­nas ac­ções. Qu­an­do de­sem­bol­sa­mos va­lo­res não re­gu­la­men­ta­dos por um ser­vi­ço, es­ta­mos a ali­men­tar exer­cí­ci­os que afir­ma­mos de­plo­rar

Pre­ci­sei de dei­xar aque­la que tra­to ca­ri­nho­sa­men­te por car­ro­ça nas ins­ta­la­ções da em­pre­sa. Co­mo a vi­a­tu­ra fi­ca­ria al­guns di­as par­que­a­da achei cor­rec­to ofe­re­cer uma gra­ti­fi­ca­ção bá­si­ca. Pa­ra to­dos efei­tos, a fa­mo­sa ga­so­sa faz par­te da pra­xe en­tre nós. A prá­ti­ca es­tá tão pro­fun­da­men­te ar­rai­ga­da na nos­sa so­ci­e­da­de que não se­ria exa­ge­ro afir­mar que qua­se faz par­te dos nos­sos usos e cos­tu­mes. Ima­gi­nem en­tão a mi­nha re­ac­ção qu­an­do o co­le­ga da pro­tec­ção fí­si­ca se re­cu­sou a re­ce­ber o di­nhei­ro. In­sis­ti, meio sem gra­ça. Dis­se que não pre­ten­dia ofen­der ou al­go pa­re­ci­do. Que­ria so­men­te ex­pres­sar gra­ti­dão por cui­dar do tão pre­ci­o­so bem. Em Lu­an­da é co­mum pa­gar­mos ta­xas pa­ra­le­las por serviços que nos pres­tam, mas tam­bém por tu­do e por qua­se na­da. Con­tra­ri­an­do o há­bi­to o co­le­ga foi pe­remp­tó­rio. Já es­tá a agra­de­cer. Es­tou ape­nas a fa­zer o meu tra­ba­lho.

Res­tou-me rei­te­rar a gra­ti­dão e ba­ter em re­ti­ra­da. Ape­sar de não ter tro­pe­ça­do, bus­quei con­for­to no di­ta­do em lín­gua kim­bun­du mui­to ci­ta­do no meu nú­cleo fa­mi­li­ar. Em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos só con­se­gui­mos ca­mi­nhar por­que a ver­go­nha nos atin­ge na ca­ra e não nas per­nas. Cres­cem as ra­zões que me re­me­tem pa­ra a ati­tu­de do pro­tec­tor fí­si­co, um se­nhor mui­to dis­cre­to e aten­ci­o­so em igual me­di­da que, mes­mo com o re­la­ti­vo atra­so do sa­lá­rio, de­cli­na­ra a re­com­pen­sa ex­tra por ser ze­lo­so. Des­co­bri pos­te­ri­or­men­te que ele é sem­pre as­sim. A ín­do­le faz com que res­pei­te a éti­ca e de­on­to­lo­gia no exer­cí­cio da sua pro­fis­são.

Não pen­sa­ria tan­to no ca­so se a re­a­li­da­de fos­se ou­tra. Os va­lo­res es­tão de tal ma­nei­ra in­ver­ti­dos que um ges­to co­mum nou­tras la­ti­tu­des aqui ga­nha par­ti­cu­lar re­al­ce. Ao abor­dar o as­sun­to com mi­nha mãe, es­ta sim­pli­fi­cou as res­pos­tas. “Cor­rup­tos não são ape­nas eles. Cor­rup­tos so­mos to­dos nós”. Li­mi­tei-me a con­cor­dar, si­len­ci­o­sa­men­te, com a li­nha de pen­sa­men­to da Do­na Gui­du­cha. Con­tra­por o quê di­an­te das evi­dên­ci­as? De fac­to, a cor­rup­ção ma­ni­fes­ta-se igual­men­te por in­ter­mé­dio de pe­que­nas ac­ções. Qu­an­do de­sem­bol­sa­mos va­lo­res não re­gu­la­men­ta­dos por um ser­vi­ço, es­ta­mos a ali­men­tar exer­cí­ci­os que afir­ma­mos de­plo­rar. Agi­li­zar a efec­ti­va­ção se­ja do que for com al­gum ti­po de con­tra­par­ti­da não mais é do que ali­nhar em es­que­mas cor­rup­tos.

Des­ne­ces­sá­rio lem­brar que a cor­rup­ção cons­ti­tui um dos mai­o­res fla­ge­los das so­ci­e­da­des mo­der­nas. Em An­go­la até as au­to­ri­da­des re­co­nhe­cem que a prá­ti­ca tem ten­tá­cu­los pro­fun­dos. Es­tá ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da, em­bo­ra nem sem­pre se­ja fá­cil pro­var de­nún­ci­as de cor­rup­ção. O país apri­mo­ra me­ca­nis­mos de com­ba­te à cor­rup­ção, há le­gis­la­ção e von­ta­des po­lí­ti­cas anun­ci­a­das, mas os ran­kings mun­di­ais não men­tem. Ocu­pa­mos lu­ga­res de­son­ro­sos no mun­do. Por ser po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to e por­que as­sim o re­co­men­dam as con­ven­ções so­ci­ais, con­de­na­mos a cor­rup­ção atri­buí­da a ins­ti­tui­ções go­ver­na­men­tais e or­ga­nis­mos pú­bli­cos. Exor­ta­mos ao cum­pri­men­to de po­lí­ti­cas vol­ta­das aos di­ta­mes da boa go­ver­na­ção, mas pou­cas ve­zes nos ques­ti­o­na­mos em re­la­ção às res­pon­sa­bi­li­da­des in­di­vi­du­ais.

De um mo­do ge­ral, é co­mum pre­ten­der­mos ti­rar van­ta­gem das si­tu­a­ções. No trân­si­to ul­tra­pas­sa­mos pe­la di­rei­ta com a mai­or das tran­qui­li­da­des, fa­ze­mos fi­las in­fi­ni­tas por­que ca­da um de nós se sen­te no di­rei­to de che­gar pri­mei­ro do que a mai­o­ria cum­pri­do­ra. Qua­se nin­guém es­tra­nha qu­an­do pes­so­as os­ten­tam bens mui­to su­pe­ri­o­res aos seus ren­di­men­tos, ain­da que não es­te­ja à al­tu­ra de fa­zer em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os pa­ra os gas­tos. Não é ra­ro pe­di­rem a bên­ção de pa­dres, pas­to­res e xi­ran­gas dis­far­ça­dos de men­to­res es­pi­ri­tu­ais pa­ra que “ve­nham mais de on­de saí­ram es­tes bens”. Pa­ren­tes, fa­mi­li­a­res e ami­gos aplau­dem o su­pos­to su­ces­so. E ain­da di­zem: “tra­ba­lhas­te!” Caia pois a más­ca­ra da hi­po­cri­sia. So­mos po­ten­ci­al­men­te cor­rup­tos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.