O mer­ca­do e a con­cor­rên­cia

Jornal de Angola - - PARTADA - Adebayo Vunge

O te­ma da con­cor­rên­cia tem si­do um dos mais aca­ri­nha­dos pe­lo no­vo Exe­cu­ti­vo, sob a li­de­ran­ça de João Lou­ren­ço, na me­di­da em que se ob­ser­vam sé­ri­os cons­tran­gi­men­tos do mer­ca­do que di­tam um am­bi­en­te atroz ao fo­men­to em­pre­sa­ri­al. Mas a con­cor­rên­cia na mai­or par­te dos ca­sos só fun­ci­o­na qu­an­do o Es­ta­do exer­ce efec­ti­va­men­te o po­der de re­gu­la­ção dos di­fe­ren­tes mer­ca­dos, não se dei­xan­do le­var pe­lo lobby – o que po­de­ria ser en­ten­di­do co­mo na­tu­ral.

Os eco­no­mis­tas de­sig­nam co­mo pre­ços de efi­ci­ên­cia os pre­ços que es­tão ba­se­a­dos nos cus­tos. Di­to de ou­tro mo­do, os pre­ços não efi­ci­en­tes cor­res­pon­dem a ló­gi­cas de for­ma­ção de pre­ços de mo­no­pó­lio e de car­tel, que ti­ram par­ti­do do fac­to de os con­su­mi­do­res não te­rem al­ter­na­ti­va e te­rem por is­so de pa­gar em fun­ção de uma úni­ca ofer­ta que é do­mi­na­do­ra do mer­ca­do – o que se no­ta, en­tre nós, em sec­to­res co­mo as te­le­co­mu­ni­ca­ções, seg­men­tos do imo­bi­liá­rio, trans­por­tes pú­bli­cos es­pe­ci­al­men­te na avi­a­ção e nos ro­do­viá­ri­os, etc.

Es­tes pre­ços de mo­no­pó­lio e/ou de car­tel di­mi­nu­em o be­mes­tar dos con­su­mi­do­res e au­men­tam as mar­gens de qu­em pro­duz es­ses bens e serviços. O re­sul­ta­do des­ta fal­ta de efi­ci­ên­cia dos mer­ca­dos é que as fa­mí­li­as com me­nos re­cur­sos fi­cam pre­sas nu­ma es­pé­cie de ar­ma­di­lha: por um la­do, es­tão li­mi­ta­das aos bai­xos ren­di­men­tos pro­vo­ca­dos pe­lo de­sem­pre­go e pe­los bai­xos sa­lá­ri­os; por ou­tro, es­tão vul­ne­rá­veis aos ele­va­dos pre­ços dos bens e serviços que con­so­mem. O re­sul­ta­do é o em­po­bre­ci­men­to evi­den­te na fal­ta de aces­so ou aces­so li­mi­ta­do aos bens de con­su­mo.

É cer­ta­men­te por acre­di­tar nas vir­tu­a­li­da­des da con­cor­rên­cia co­mo um fac­tor de di­mi­nui­ção das de­si­gual­da­des so­ci­ais que o Exe­cu­ti­vo a in­clui co­mo um vec­tor bá­si­co da no­va po­lí­ti­ca so­ci­al que es­tá a ser de­se­nha­da.

No en­tan­to, ape­sar do seu ele­va­do va­lor so­ci­al, a de­fe­sa da con­cor­rên­cia e a lu­ta con­tra os mo­no­pó­li­os e car­téis tem ti­do mui­to pou­co aco­lhi­men­to por par­te de qu­em con­ser­va ain­da uma vi­são an­ti­ga que le­va a di­a­bo­li­zar o mer­ca­do. De for­ma ge­ral, são ain­da mui­tas as pes­so­as que vêm o mer­ca­do co­mo a cau­sa de to­dos os ma­les de que pa­de­cem as so­ci­e­da­des. Re­gra ge­ral, es­tas pes­so­as – que es­tão no mun­do aca­dé­mi­co e em­pre­sa­ri­al e mui­tas ve­zes tam­bém na po­lí­ti­ca – não con­se­guem en­xer­gar que os ma­les atri­buí­dos ao mer­ca­do re­sul­tam de pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos mais com as for­mas não com­pe­ti­ti­vas do que com o mer­ca­do. Têm um pre­con­cei­to ba­se­a­do na cren­ça de que o mer­ca­do é o rei­no do in­te­res­se pri­va­do e não um ins­tru­men­to pa­ra o bem co­mum – co­mo de­mons­trou Je­an Ti­ro­le, pré­mio No­bel de Eco­no­mia.

Es­te eco­no­mis­ta fran­cês, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Tou­lou­se, foi es­co­lhi­do pa­ra o No­bel de Eco­no­mia em 2014 pe­la sua aná­li­se do po­der de mer­ca­do e re­gu­la­ção. A Aca­de­mia Re­al de Ci­ên­ci­as da Sué­cia con­si­de­rou fun­da­men­tais os seus con­tri­bu­tos pa­ra o que de­sig­nou co­mo “A Ci­ên­cia de Do­mar as Em­pre­sas Po­de­ro­sas”.

Mui­tas in­dús­tri­as são do­mi­na­das por um pe­que­no nú­me­ro de gran­des em­pre­sas (car­tel) ou por um úni­co mo­no­pó­lio. Sem re­gu­la­ção, tais mer­ca­dos pro­du­zem com frequên­cia re­sul­ta­dos so­ci­al­men­te in­de­se­já­veis.

Exem­plos des­ses re­sul­ta­dos in­de­se­ja­dos são pre­ços mais ele­va­dos do que aque­les que re­sul­ta­ri­am da efi­ci­ên­cia do mer­ca­do, pre­ços es­ses mo­ti­va­dos por cus­tos ou por em­pre­sas im­pro­du­ti­vas que so­bre­vi­vem atra­vés do blo­queio da en­tra­da de ne­gó­ci­os no­vos e mais pro­du­ti­vos.

Ape­sar de se­rem crí­ti­cos com os mo­no­pó­li­os pri­va­dos, os arau­tos da men­ta­li­da­de an­ti mer­ca­do são le­va­dos a pen­sar que mo­no­pó­li­os cri­a­dos ou fa­vo­re­ci­dos pe­las ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­cas são be­né­fi­cos. Mas es­tes têm os mes­mos efei­tos per­ni­ci­o­sos que os mo­no­pó­li­os pri­va­dos e é nos­sa con­vic­ção que de­ve­mos igual­men­te com­ba­ter os mo­no­pó­li­os de em­pre­sas pú­bli­cas co­mo a TAAG, de cu­ja ine­fi­ci­ên­cia co­nhe­ce­mos, não obs­tan­te to­dos os es­for­ços pa­ra re­ver­ter o qua­dro.

Ur­ge as­sim com­ba­ter prá­ti­cas an­ti con­cor­ren­ci­ais, ge­ran­do ga­nhos con­si­de­rá­veis pa­ra a ino­va­ção, com­pe­ti­ti­vi­da­de e be­mes­tar so­ci­al. Mais do que o Es­ta­do ou os con­su­mi­do­res, são as em­pre­sas (fo­ra dos mo­no­pó­li­os ou oli­go­pó­li­os) que mais ga­nham com o am­bi­en­te de sã con­cor­rên­cia.

Tal­vez aju­de a mu­dar o fo­co a to­ma­da de cons­ci­ên­cia de que, ho­je por ho­je, a de­fe­sa da con­cor­rên­cia e a lu­ta con­tra os mo­no­pó­li­os é um vec­tor fun­da­men­tal da no­va po­lí­ti­ca so­ci­al. Mas es­sa cau­sa só se­rá ga­nha se o Es­ta­do se im­pu­ser, atra­vés de uma re­gu­la­ção for­te, re­gras de ser­vi­ço uni­ver­sal pa­ra os sec­to­res cha­ve da eco­no­mia e da so­ci­e­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.