Car­na­val mo­lha­do

DES­FI­LE CEN­TRAL DE LU­AN­DA RETOMA SÁ­BA­DO

Jornal de Angola - - PARTADA - Ma­nu­el Al­ba­no

Cor, ale­gria e mui­ta di­ver­são foi o que se cons­ta­tou, on­tem ao cair da tar­de até a noi­te na Mar­gi­nal da Praia do Bis­po, no des­fi­le cen­tral do Car­na­val de Lu­an­da da clas­se A (adul­to), que con­tou com a pre­sen­ça pe­la pri­mei­ra vez de João Lou­ren­ço, na con­di­ção de Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no.

Eram pre­ci­sa­men­te 16h22, qu­an­do o Go­ver­na­dor da Pro­vín­cia de Lu­an­da, Adri­a­no Men­des de Car­va­lho, com a per­mis­são do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, da­va as bo­as vin­das e au­to­ri­zou a aber­tu­ra da­que­la que é con­si­de­ra­da a mai­or ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral en­tre os an­go­la­nos.

Fe­liz­men­te a tar­de não es­ta­va tão quen­te co­mo nos di­as an­te­ri­o­res, o que per­mi­tiu aos gru­pos exi­bi­rem to­da a sua ale­gria e cri­a­ti­vi­da­de.

Na pre­sen­ça da mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, mem­bros do Exe­cu­ti­vo, da Co­mis­são Pre­pa­ra­tó­ria do Car­na­val de Lu­an­da e da As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al do Car­na­val de Lu­an­da (Apro­cal), o “es­pec­tá­cu­lo” co­me­çou com uma exi­bi­ção mo­des­ta, mas vis­to­sa com o gru­po ho­me­na­ge­a­do da 40.ª edi­ção do En­tru­do de Lu­an­da, União Jo­vens da Ca­cim­ba, que te­ve a hon­ra de abrir a fes­ta. A agre­mi­a­ção que es­te ano le­vou à Mar­gi­nal uma ala com­pos­ta por professores de dan­ça e mú­si­ca ki­zom­ba de vá­ri­as na­ci­o­na­li­da­des, fez uma re­tros­pec­ti­va dos seus 30 anos de exis­tên­cia.

Pa­ra qu­em pen­sou que o Car­na­val des­te ano se­ria um fra­cas­so, en­ga­nou-se. Nem mes­mo as di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras dos gru­pos im­pe­di­ram a dan­ça do Car­na­val. O país mo­bi­li­zou-se e a fes­ta acon­te­ceu. Se a cul­tu­ra for­ta­le­ce a Na­ção co­mo diz um dos slo­gans do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, en­tão to­dos os que on­tem se des­lo­ca­ram à Mar­gi­nal da Praia do Bis­po, saí­ram con­vic­tos de que a cul­tu­ra an­go­la­na es­tá e con­ti­nua vi­va.

Re­ce­bi­dos com for­tes aplau­sos e as­so­bi­os, e de acor­do com a or­dem do des­fi­le, os gru­pos das pro­vín­ci­as con­se­gui­ram dei­xar a sua mar­ca com exi­bi­ções de “en­cher os olhos”. En­tre pas­sos e com­pas­sos mos­tran­do a gin­ga ca­rac­te­rís­ti­ca dos an­go­la­nos, ca­da um ao seu jei­to mos­trou a for­ça do seu po­vo. A cu­ri­o­si­da­de e sa­tis­fa­ção era vi­sí­vel no ros­to dos es­pec­ta­do­res, que não ar­re­da­ram pé do lo­cal até que a chu­va se fez sen­tir.

Es­pec­tá­cu­lo a par­te

Ape­sar de não te­rem par­ti­ci­pa­do no des­fi­le com­pe­ti­ti­vo, os gru­pos Ma­rin­gas (Lun­da-Nor­te), Tcha­coT­cha­co (Ca­bin­da), Ovin­jen­ji (Hu­am­bo), União Mu­te­ba (Cu­an­za-Sul) e Bra­vos da Vi­tó­ria (Ben­gue­la), ti­ve­ram di­rei­to a 15 mi­nu­tos de exi­bi­ção, não dei­xan­do os seus cré­di­tos em mãos alhei­as.

Pri­mei­ro a des­fi­lar, o gru­po Ma­rin­gas mos­trou que nas Lun­das não são ape­nas os di­a­man­tes que bri­lham. Com mais de 80 ele­men­tos, mos­tra­ram em pal­co a di­ver­si­da­de cul­tu­ral da­que­la re­gião. Dan­do se­gui­men­to, o gru­po Tcha­co-Tcha­co, de Ca­bin­da, apre­sen­tou o es­ti­lo de mú­si­ca

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NOVEMBRO A for­te chu­va que se aba­teu on­tem so­bre Lu­an­da obri­gou a or­ga­ni­za­ção do Car­na­val a in­ter­rom­per o des­fi­le cen­tral na Ave­ni­da Dou­tor Agos­ti­nho Ne­to. Os três úl­ti­mos gru­pos exi­bem-se no sá­ba­do

DOMBELE BERNARDO E KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.