Os es­pir­ros im­pe­ri­a­lis­tas con­tra a Síria

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - MANUEL RUI

Trump tem o pre­di­ca­do de acu­mu­lar os pro­ble­mas de for­ma a ba­ra­lhar tu­do, in­clu­si­vé, di­zen­do ho­je o con­trá­rio do que dis­se on­tem, ago­ra a ma­ka sem sen­ti­do mas com pa­ra o “pu­ri­ta­nis­mo” é a da­que­la se­nho­ra dos fil­mes por­no­grá­fi­cos. The­re­sa May, que co­mo Trump nem me­re­ceu con­vi­te pa­ra o ca­sa­men­to dos prín­ci­pes re­ais, an­da apres­sa­da e fa­la ner­vo­sa por­que o Bre­xit ain­da vai dar que fa­zer. Má­cron, o jo­vem mu­a­ta fran­cês, an­da atra­pa­lha­do com os sin­di­ca­tos. Quer di­zer, os três têm pro­ble­mas do­més­ti­cos acres­ci­dos dos efei­tos co­la­te­rais do que fi­ze­ram des­de a in­va­são do Ira­que, as “pri­ma­ve­ras e prin­ci­pal­men­te o dos re­fu­gi­a­dos.

Um ex-es­pião rus­so re­si­din­do em In­gla­ter­ra, foi en­con­tra­do, jul­go que num ban­co de jar­dim, in­to­xi­ca­do mais a fi­lha. Nin­guém es­cla­re­ceu ain­da mas vai daí May em­pur­rou pa­ra a Rús­sia, re­ti­rou di­plo­ma­tas in­gle­ses da Rús­sia e ex­pul­sou os di­plo­ma­tas rus­sos no rei­no Uni­do. Trump fez o mes­mo, Má­cron e ou­tros paí­ses oci­den­tais. No en­tan­to, o che­fe do la­bo­ra­tó­rio mi­li­tar bri­tâ­ni­co de Por­ton Down, Garya Ait­ke­nhe­ad, afir­mou que não foi pos­sí­vel de­ter­mi­nar que o agen­te neu­ro­tó­xi­co usa­do no en­ve­ne­na­men­to pro­ce­des­se da Rús­sia. Re­pe­tia-se a ver­go­nha do Ira­que com ar­ma prin­ci­pal de con­ven­ci­men­to que é a te­le­vi­são ma­ni­pu­la­do­ra. No Ira­que, pri­mei­ro reu­ni­ram três cri­mi­no­sos, au­to­res de ac­tos pre­pa­ra­tó­ri­os pa­ra cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de, Du­rão Bar­ro­so, o an­fi­trião da ba­se nos Aço­res, Aze­nard, ca­chi­co do ame­ri­ca­no e Bush o che­fe, com a ur­gên­cia de vin­gar as tor­res. E O Ira­que foi in­va­di­do sem au­to­ri­za­ção das Na­ções Uni­das e con­tra o ve­re­dic­to da Co­mis­são In­ter­na­ci­o­nal que não en­con­trou ar­mas nu­cle­a­res. E as­sim se des­truiu um pe­da­ço da cul­tu­ra da hu­ma­ni­da­de.

O ge­no­cí­dio no Ira­que am­pli­ou a de­ses­ta­bi­li­za­ção no mé­dio ori­en­te. Por ou­tro la­do, a União Eu­ro­peia ten­tou a ex­pan­são pa­ra o ex bloco so­ci­a­lis­ta e co­li­diu com a Rús­sia por cau­sa da Cri­meia e da Ucrâ­nia.

Co­mo a Rús­sia apoia o pre­si­den­te da Síria e aju­dou a re­cu­pe­rar es­pa­ço, en­tão to­dos con­tra a Rús­sia, ima­gens na te­le­vi­são pas­sa­das re­pe­ti­da­men­te pa­ra to­car as emo­ções con­tra a guerra quí­mi­ca acu­san­do a Rús­sia que pe­diu pro­vas. Má­cron te­ve a la­ta de di­zer que as pro­vas eram se­cre­tas e, pe­los vis­tos, de­pois de lan­ça­dos os 105 mís­seis, com o apa­ra­to do por­ta-aviões, dos aviões, tu­do num am­bi­en­te de sus­ci­tar o me­do e de­mons­tra­ção de for­ça. Des­pe­ja­ram os mís­seis. Os rus­sos fa­lam que aba­te­ram 71 e os sí­ri­os apa­re­ce­ram na te­le­vi­são a fes­te­jar o fra­cas­so…

Es­pan­to­so é que só cum­pre o tra­ta­do con­tra as ar­mas quí­mi­cas quem as não pro­duz. Ora a Amé­ri­ca é o mai­or pro­du­tor des­sas ar­mas. Pa­ra quê? Pa­ra usar co­mo fez no Vi­et­nam e no Ira­que com na­palm. E for­ne­ceu na­palm a Portugal que des­pe­jou, por exem­plo, no mas­sa­cre so­bre tra­ba­lha­do­res do al­go­dão.

Ago­ra. Se hou­ve cri­an­ças ví­ti­mas de ar­mas quí­mi­cas não era mais “po­lí­ti­co” ofe­re­cer hos­pi­tais em vez de en­vi­ar mís­seis de gran­de im­pac­to am­bi­en­tal. Ima­gi­ne­mos que a Síria ti­nha la­bo­ra­tó­rio e fá­bri­ca de ar­mas quí­mi­cas. Cain­do em tais lu­ga­res mís­seis, mul­ti­pli­ca-se o im­pac­to am­bi­en­tal, quer di­zer, em no­me das cri­an­ças in­to­xi­ca-se o ar pa­ra que as pes­so­as pos­sam até vir a mor­rer pas­sa­do al­guns anos (di­zem os pe­ri­tos).

É uma pe­na pa­ra quem se in­te­res­sa pe­la his­tó­ria das an­ti­gas ci­vi­li­za­ções an­tes de Cris­to. Nes­se en­tão, a Síria in­cluía a Me­so­po­tâ­mia (ho­je Ira­que) e o Lí­ba­no. A re­gião com­pre­en­di­da en­tre a Pe­nín­su­la da Ana­tó­lia, a Tur­quia e a Pe­nín­su­la do Si­nai já era de­no­mi­na­da co­mo Síria. Os egíp­ci­os sem­pre co­bi­ça­vam aque­la re­gião que vi­am co­mo por­ta de en­tra­da do país e, pa­ra os per­sas, pon­te pa­ra am­pli­a­ção do seu im­pé­rio. Na Síria acon­te­ceu a Ci­vi­li­za­ção Fe­ní­cia que cri­ou a pri­mei­ra ci­vi­li­za­ção mer­can­til do pla­ne­ta, in­ven­ta­ram o al­fa­be­to, fo­ram grandes em ar­te, ce­râ­mi­ca, cons­tru­ção na­val, fa­bri­co de te­ci­dos, ins­tru­men­tos de na­ve­ga­ção. A ex­pan­são des­ses co­nhe­ci­men­tos em to­da a re­gião me­di­ter­râ­ni­ca es­tá na ori­gem da­qui­lo a que vi­ria a ser cha­ma­da Ci­vi­li­za­ção Oci­den­tal, cu­jos ex­po­en­tes prin­ci­pais fo­ram os gre­gos. Em Avei­ro, Portugal, di­zem que os bar­cos que pas­sei­am os tu­ris­tas na ria, de proa ca­pri­cho­sa­men­te le­van­ta­da co­mo pal­ma de mão, são de ori­gem fe­ní­cia.

A Síria até che­gar aos di­as de ho­je pas­sou pe­lo Ca­li­fa­do Omía­da que mu­dou a Igre­ja de S. João Bap­tis­ta pa­ra Mes­qui­ta Omía­da de Da­mas­co. Pa­ra o cris­ti­a­nis­mo é sig­ni­fi­ca­ti­va por se pen­sar que o após­to­lo Paulo foi con­ver­ti­do na es­tra­da de Da­mas­co. No séc. XVI foi pro­vín­cia Oto­ma­na (Tur­ca). De­pois da que­da do Im­pé­rio Oto­ma­no, du­ran­te a pri­mei­ra guerra mun­di­al a Síria foi ad­mi­nis­tra­da pe­la Fran­ça até à sua in­de­pen­dên­cia em 1946. Man­te­ve uma pos­tu­ra em defesa da Pa­les­ti­na e fo­ram ali­a­dos do Egip­to na guerra do Su­ez. Nas­ser, lí­der ca­ris­má­ti­co do Egip­to, ten­tou a ex­pe­ri­ên­cia da Re­pú­bli­ca Ára­be Uni­da que só du­rou de 1958 a 1961.

Em 1963 uma re­vo­lu­ção po­pu­lar le­vou ao po­der o Par­ti­do Ára­be So­ci­a­lis­ta. De­pois da “Guerra Fria,”em 2000 Bashar al-As­sad su­ce­de ao pai no po­der. Os pro­tes­tos po­pu­la­res con­tra o go­ver­no de As­sad co­me­çam em 2011 e aca­ba nu­ma guerra ci­vil de gran­de es­ca­la até aos nos­sos di­as.

E vol­tan­do à mis­si­la­gem, os Es­ta­dos Uni­dos te­rão de gas­tar cer­ca de 60 mi­lhões de dó­la­res pa­ra re­por o ar­se­nal de mís­seis usa­dos no ata­que à Síria…e a em­pre­sa fa­bri­can­te viu su­as ac­ções su­bi­rem no mer­ca­do co­mo nun­ca.

Ago­ra, quan­do hou­ver tu­ris­mo em An­go­la, se uma se­nho­ra ven­de uma ca­ne­ca de kis­san­gua e um car­tu­cho de jin­gu­ba a um in­glês, ele fi­ca mal dis­pos­to e vai pa­ra o hos­pi­tal, a kis­san­gua era dos rus­sos? E se um rus­so e a fi­lha to­mam vod­ka em Lon­dres e de­pois vão pa­ra o hos­pi­tal? Cla­ro que fo­ram os rus­sos. E se em vez de vod­ka for uís­que?

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.