O rir à toa

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - ADRIANO MIXINGE

O lu­gar so­ci­al do ri­so na vi­da, na so­ci­e­da­de, na po­lí­ti­ca e na cul­tu­ra, em An­go­la, é ca­da vez mais pro­e­mi­nen­te. An­tes da apa­ri­ção da ba­ta­lha dos Reis do Rom­pi­men­to que po­de­mos ver na Zap ou no You­tu­be, a es­ti­ga era só uma ma­nei­ra ima­gi­na­ti­va, cru­el e ba­nal de rir e de zom­bar de ou­tros.

O ri­so fá­cil não era, en­tre os an­go­la­nos, uma ca­rac­te­rís­ti­ca re­le­van­te e mui­to me­nos ver­te­bral até há uns vin­te anos, quan­do as coi­sas co­me­ça­ram a mu­dar. Ve­mos o sor­ri­so de ore­lha à ore­lha de um adul­to co­mo pro­va de es­pon­ta­nei­da­de, mas é o “fi­ca lá ma­zé bem dis­pos­to” o es­ti­cão que ac­ti­va em nós, a des­con­tra­ção, a gar­ga­lha­da e a bo­no­mia.

Ri­mos pou­co no tem­po co­lo­ni­al: se não fos­se pe­lo “Mes­tre Ta­mo­da”, de­pois, nem nos re­cor­da­ría­mos que pa­ra além da opres­são, na­que­la épo­ca hou­ve ri­sos, brin­ca­dei­ras e cha­co­ta. De­pois da In­de­pen­dên­cia, com o “Quem me de­ra ser on­da” de Manuel Rui Mon­tei­ro, a du­pla “Pi­pof” e “Cas­ca­du­ra” deu pa­ra rir. Po­rém, com “os re­co­lher obri­ga­tó­ri­os”, as rus­gas, os car­tões de abas­te­ci­men­to e a guerra à mis­tu­ra, não ri­mos gran­de coi­sa.

Pe­río­dos hou­ve em que ri­mos por de­cre­to: o “Car­na­val da Vi­tó­ria” era a fes­ta que mos­tra­va o “sor­ri­so ama­re­lo”, pró­prio da di­ta­du­ra do pro­le­ta­ri­a­do. Os que fi­ze­ram uma pe­ça de te­a­tro pa­ra cri­ti­car, rin­do-se do Che­fe fo­ram ba­ni­dos: rir pas­sou a ter li­mi­tes.

Com o mul­ti­par­ti­da­ris­mo, a po­lí­ti­ca tor­nou-se có­mi­ca e dra­má­ti­ca. O Mfu­lum­pin­ga ti­nha uma ora­tó­ria que nos fa­zia rir e, por is­so, não in­tuí­mos o seu trá­gi­co des­ti­no, coi­sa que em­po­bre­ceu-nos. Pe­lo so­ta­que e a lin­gua­gem flo­re­a­da, o Tchi­pi­li­ca é o an­go­la­no que mais chis­tes in­ven­ta­ram à sua cus­ta: ele fez rir os an­go­la­nos até ao dia que o vi­mos cho­rar, can­tan­do, nas exé­qui­as de Ja­ka Jam­ba. Ma­ku­ta Nkon­do fa­la mui­tas ver­da­des, faz -nos rir à bes­sa. João Pin­to, Ben­to Kan­gam­ba e Nor­ber­to Gar­cia são pi­o­nei­ros da pós-ver­da­de, em An­go­la. Po­lí­ti­cos com sen­ti­do de hu­mor es­cas­sei­am.

Na his­tó­ria de có­mi­cos de te­le­vi­são, o Be­to Gour­gel, na per­so­na­gem de “Ngan­je­ta”, di­ver­tiu-nos du­ran­te um pe­río­do. O Si­dó­nio e a Lem­bi­nha se si­tu­am nes­sa tra­di­ção que, no en­tan­to, mu­dou: são uma es­pé­cie de “có­mi­cos de ser­vi­ços” e im­pro­vi­sam tan­to no con­gres­so de um par­ti­do po­lí­ti­co co­mo nu­ma fes­ta de ani­ver­sá­rio.

Quan­do a guerra aca­bou, uns pou­cos en­di­nhei­ra­dos ri­ram mais que os mui­tos em­po­bre­ci­dos e, de um la­do pa­ra o ou­tro, es­ta­vam aque­les que não sen­do nem uma coi­sa nem a ou­tra, umas ve­zes ri­ram e ou­tras não: o ne­po­tis­mo, a cor­rup­ção, a ba­ju­la­ção e ou­tros ma­les se­ques­tra­ram o sor­ri­so ge­nuí­no da mai­o­ria. Es­tu­pe­fac­tos, ve­mos o “Fa­la a ver­da­de” com a Pa­trí­cia Fa­ria e o Bis­marck ou ou­vi­mos os aú­di­os do Jó­jó pa­ra en­ten­der o la­do oblí­quo da nos­sa re­a­li­da­de. Ex­cep­tu­an­do o si­te www.ma­ka­an­go­la.org, o Fo­lha 8, as cró­ni­cas do Gus­ta­vo Cos­ta, os 15 +2 e ou­tras pou­cas ma­ni­fes­ta­ções de ir­re­ve­rên­cia, vin­gou o silêncio cúm­pli­ce. Não te­ve gra­ça ne­nhu­ma.

O ci­da­dão ri, em ca­sa: rir é par­te do oá­sis de fe­li­ci­da­de, do “tchi­lo pri­va­do” ou do que des­fru­ta­mos nos écrans de te­le­vi­são: no "Sem­pre a su­bir" do ca­nal 2 da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la fi­ca­ram re­gis­ta­dos os mo­men­tos mais di­ver­ti­dos, ri­dí­cu­los e pa­té­ti­cos do pe­río­do. Era pa­ra cho­rar. Os ví­de­os que o Da Be­le­za tem es­ta­do a pos­tar on­li­ne, ul­ti­ma­men­te, re­tra­tam mo­men­tos sa­tí­ri­cos e de ex­ces­sos: são uma pro­lon­ga­ção da­que­lou­tros, nas an­tí­po­das do tra­ba­lho de Ki­ten­go Kun­ga (Pa­to na área).

De­pois de 2002, na dé­ca­da glo­ri­o­sa do pre­ço al­to do pe­tró­leo, do cré­di­to chi­nês e de ou­tras ali­an­ças es­tra­té­gi­cas, no nos­so país, a ti­po­lo­gia do ri­so tor­nou-se mais vas­ta. Ca­la­do Show, Os Tu­ne­zas - par­ti­cu­lar­men­te o Gil­má­rio Wem­ba-, Ed­gar Tchi­poia (Ko­tin­go), en­tre ou­tros, fa­zem-nos rir umas ve­zes bem e ou­tras à toa. O car­to­on e a ban­da de­se­nha­da ad­qui­ri­ram mai­or acu­ti­lân­cia, sen­do Sér­gio Pi­çar­ra a es­tre­la ab­so­lu­ta nes­te do­mí­nio. Di­ver­si­fi­cou-se o gé­ne­ro e pe­la sua ime­di­a­tez, a in­ter­net pas­sou a usar-se co­mo me­dium prin­ci­pal: “Ma­na Min­go­ta”, “La Ro­se Me­no­rah”, “Patty Almeida Me­tra­lha­do­ra” e Mel Gâm­boa não brin­cam em ser­vi­ço.

Ao rir “à la lar­gardè­re” tor­na­mo-nos mais có­mi­cos, ad­qui­ri­mos sen­ti­do sa­tí­ri­co, pas­sa­mos a go­zar de nós mes­mos, te­mos ho­je uma “gar­ga­lha­da adul­ta”: com o es­ti­lo dos mais im­por­tan­tes es­pec­tá­cu­los de Stand Up Co­medy e dos no­ti­ciá­ri­os sa­tí­ri­cos de ca­riz po­lí­ti­co que exis­tem no mun­do, o “Go­za­qui” com o Agen­te For­mi­ga, Ya Pa­pi, Ri­cha e o “So­pa Sa­ber” com La­dil­son, Ti­a­go Cos­ta, o Ma­es­tro, Dan­ge Jo­sé e a po­li­fa­cé­ti­ca Re­na­ta Tor­res, en­tre ou­tros, são pro­vas da es­ce­ni­fi­ca­ção do “ri­so res­pon­sá­vel”.

Há si­tu­a­ções ri­sí­veis, que de­ve­ri­am nos fa­zer cho­rar: no es­pa­ço pú­bli­co apa­re­cem per­so­na­gens que são um mis­to de ca­ri­ca­tu­ra, ído­los de mas­sas e in­flu­en­cers. Pre­sen­ci­a­mos ocor­rên­ci­as dig­nas de se­rem per­ce­bi­das co­mo trá­gi­cas, mas que se re­ce­bem co­mo có­mi­cas. Ou­tras há, que po­de­ri­am ser pa­té­ti­cas, mas as­su­mi­mo­las co­mo se ti­ves­sem pi­a­da. Mes­mo as­sim, não de­ve­mos dei­xar de rir, ain­da que ri­a­mos à toa pa­ra per­ma­ne­cer lú­ci­dos. * His­to­ri­a­dor e Crí­ti­co de Ar­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.