An­go­la tem das mais al­tas ta­xas de fe­cun­di­da­de do mun­do

Mi­nis­té­rio da Saú­de diz que ca­da mu­lher re­si­den­te na zo­na ur­ba­na tem três a cin­co fi­lhos e na área ru­ral dois a oi­to

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ma­nu­e­la Go­mes

A fer­ti­li­da­de en­tre as ado­les­cen­tes é ele­va­da, sen­do que 34 por cen­to das mu­lhe­res an­go­la­nas ti­ve­ram o pri­mei­ro fi­lho du­ran­te aque­la fa­se da vi­da

An­go­la tem das ta­xas de fe­cun­di­da­de mais ele­va­das do mun­do, es­ti­ma­da em 6.2, na qual ca­da mu­lher se­xu­al­men­te ac­ti­va tem en­tre dois a seis fi­lhos, re­ve­lou o Mi­nis­té­rio da Saú­de, num es­tu­do so­bre a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Pla­ne­a­men­to Familiar no pe­río­do 2017-2021.

De acordo com o es­tu­do, a ta­xa de fe­cun­di­da­de em An­go­la va­ria de 5.3 na área ur­ba­na, ou se­ja, ca­da mu­lher se­xu­al­men­te ac­ti­va tem três a cin­co fi­lhos, e 8.2 na área ru­ral (dois a oi­to fi­lhos).

A fer­ti­li­da­de en­tre as ado­les­cen­tes é ele­va­da, sen­do que 34 por cen­to das mu­lhe­res an­go­la­nas ti­ve­ram o pri­mei­ro fi­lho ain­da du­ran­te a fa­se de ado­les­cên­cia.

E em al­gu­mas zo­nas do país, a fer­ti­li­da­de na ado­les­cên­cia é ain­da mais ele­va­da, re­pre­sen­tan­do por is­so “um gran­de pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca”, a jul­gar pe­lo fac­to de as jo­vens que en­gra­vi­dam en­tre os 15 e os 19 anos en­fren­ta­rem o do­bro da pro­ba­bi­li­da­de de mor­te ma­ter­na.

A al­ta ta­xa de fe­cun­di­da­de no país, se­gun­do o es­tu­do, es­tá as­so­ci­a­da a uma bai­xa uti­li­za­ção dos mé­to­dos con­tra­cep­ti­vos en­tre mu­lhe­res se­xu­al­men­te ac­ti­vas, bem co­mo o aces­so li­mi­ta­do aos ser­vi­ços de saú­de.

Ou­tros as­pec­tos que con­cor­rem pa­ra a bai­xa uti­li­za­ção dos mé­to­dos de con­tra­cep­ção es­tão re­la­ci­o­na­dos com as cren­ças re­li­gi­o­sas, a po­bre­za, a es­cas­sez de re­cur­sos fi­nan­cei­ros e a fal­ta de en­vol­vi­men­to do ho­mem em ques­tões do pla­ne­a­men­to familiar.

O es­tu­do re­fe­re que nos úl­ti­mos dez anos o país tem vin­do a re­gis­tar uma re­du­ção na ta­xa de mor­ta­li­da­de ma­ter­na, ten­do pas­sa­do de 1.400 pa­ra 477 por 100 mil nas­ci­dos vi­vos. “Ape­sar dis­so, ain­da é um dos grandes de­sa­fi­os, con­si­de­ran­do a ta­xa acei­tá­vel de­ter­mi­na­da pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) que é de 20 pa­ra ca­da 100 mil nas­ci­dos vi­vos”, des­cre­ve o do­cu­men­to.

A mor­ta­li­da­de ne­o­na­tal é de 24 por mil nas­ci­dos vi­vos e a de me­no­res de cin­co anos é de 44 por mil nas­ci­dos vi­vos. O Mi­nis­té­rio da Saú­de, su­bli­nha o do­cu­men­to, tem re­a­li­za­do es­for­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos na des­cen­tra­li­za­ção dos ser­vi­ços de saú­de, com fo­co no mu­ni­cí­pio, ten­do co­mo pri­o­ri­da­de a ofer­ta de cui­da­dos e ser­vi­ços in­te­gra­dos de saú­de se­xu­al e re­pro­du­ti­va, in­cluin­do o pla­ne­a­men­to familiar.

É nes­te âm­bi­to que o sec­tor ela­bo­rou a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Pla­ne­a­men­to Familiar pa­ra ori­en­tar e for­ne­cer di­rec­tri­zes, nor­mas pa­ra o for­ta­le­ci­men­to des­ta com­po­nen­te in­te­gra­da no pa­co­te de ser­vi­ços e cui­da­dos de saú­de se­xu­al e re­pro­du­ti­va, in­cluin­do o con­tro­lo da ma­lá­ria e a pre­ven­ção do VIH/Si­da, co­mo par­te dos cui­da­dos pri­má­ri­os de saú­de.

A es­tra­té­gia tem co­mo ob­jec­ti­vo prin­ci­pal ser­vir de ins­tru­men­to fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e im­ple­men­ta­ção de pla­nos ope­ra­ci­o­nais efi­ca­zes que vão gui­ar as equi­pas de pro­fis­si­o­nais e téc­ni­cas do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de no pro­ces­so de in­te­gra­ção de ser­vi­ços de pla­ne­a­men­to familiar.

É tam­bém fi­na­li­da­de, har­mo­ni­zar e re­for­çar as res­pos­tas que o Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de apre­sen­ta pa­ra re­du­ção da mor­bi­li­da­de e mor­ta­li­da­de ma­ter­no-in­fan­til e a pros­se­cu­ção dos Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel.

Da­dos so­ci­o­de­mo­grá­fi­cos

A po­pu­la­ção de An­go­la é de 25,789.024 de ha­bi­tan­tes e as mu­lhe­res cor­res­pon­dem a 52 por cen­to des­te to­tal. Cer­ca de cin­co mi­lhões de mu­lhe­res es­tão em ida­de fér­til, en­tre os 15 e os 49 anos.

Apro­xi­ma­da­men­te três quar­tos da po­pu­la­ção an­go­la­na, 72 por cen­to, es­tão con­cen­tra­dos em se­te pro­vín­ci­as do país. En­tre es­tas, cin­co si­tu­am-se na re­gião cen­tro­sul e to­ta­li­zam dez mi­lhões de ha­bi­tan­tes, cor­res­pon­den­te a dois quin­tos da po­pu­la­ção, 39 por cen­to.

O ris­co de mor­te em ado­les­cen­tes com ida­des com­pre­en­di­das en­tre os 15 e os 19 anos que en­gra­vi­dam é o do­bro em re­la­ção às mu­lhe­res aci­ma dos 19 anos e é cin­co ve­zes mais em ges­tan­tes me­no­res de 15 anos.

A mor­ta­li­da­de ma­ter­na é tam­bém mais ele­va­da em mu­lhe­res que en­gra­vi­dam em cur­to es­pa­ço de tem­po (me­no­res de dois anos) após um par­to. “O es­pa­ça­men­to sau­dá­vel das gra­vi­de­zes é uma me­di­da com­pro­va­da pa­ra a re­du­ção da mor­ta­li­da­de e da mor­bi­li­da­de ma­ter­no-in­fan­til”, lê-se no es­tu­do.

AGOS­TI­NHO NARCISO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Es­tu­do diz que 34 por cen­to das mu­lhe­res an­go­la­nas ti­ve­ram pri­mei­ro fi­lho na ado­les­cên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.