Fal­ta qua­se tu­do no Qui­ló­me­tro 9A

Mo­ra­do­res afir­mam que a in­cú­ria da Ad­mi­nis­tra­ção do Dis­tri­to Ur­ba­no da Es­ta­la­gem es­tá a alar­gar o pe­río­do de so­fri­men­to re­sul­tan­te da fal­ta de equi­pa­men­tos so­ci­ais. A vi­da com­pli­ca-se quan­do cho­ve e mui­tos aban­do­nem as ca­sas

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - An­dré da Cos­ta

Os mo­ra­do­res do Qui­ló­me­tro 9A, dis­tri­to ur­ba­no da Es­ta­la­gem, pro­vín­cia de Lu­an­da, es­tão agas­ta­dos com a ad­mi­nis­tra­ção do mu­ni­cí­pio de Vi­a­na por até ho­je não ve­rem me­lho­ra­do o sa­ne­a­men­to bá­si­co. Fal­ta qua­se tu­do pa­ra dar dig­ni­da­de às pes­so­as. A vi­da com­pli­ca-se ain­da mais quan­do cho­ve. Por fal­ta de va­las de dre­na­gem, as ca­sas fi­cam inun­da­das e mui­tos mo­ra­do­res são obri­ga­dos a aban­do­nar o bair­ro.

Os mo­ra­do­res do Qui­ló­me­tro 9A, Dis­tri­to Ur­ba­no da Es­ta­la­gem, mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, pro­vín­cia de Lu­an­da, es­tão agas­ta­dos com a ad­mi­nis­tra­ção do mu­ni­cí­pio de Vi­a­na por até ho­je não ve­rem me­lho­ra­do o sa­ne­a­men­to bá­si­co, um pro­ble­ma que po­dia ser so­lu­ci­o­na­do com a cons­tru­ção de va­las de dre­na­gem.

O bair­ro re­ce­be água po­tá­vel, mas o abas­te­ci­men­to é ain­da de­fi­ci­en­te por não che­gar a to­das as ca­sas. A fal­ta de pa­vi­men­ta­ção das ru­as é mais um pro­ble­ma cons­tan­te do pla­no de ne­ces­si­da­des do bair­ro, do qual so­bres­sai a ur­gên­cia na cons­tru­ção de es­co­las e hos­pi­tais, por não ha­ver es­ses equi­pa­men­tos so­ci­ais. Aliás, o bair­ro já dispôs de uma es­co­la e de um pos­to de Saú­de, que es­ta­vam nu­ma área an­te­ri­or­men­te ads­tri­ta ao dis­tri­to ur­ba­no da Es­ta­la­gem e ago­ra per­ten­cen­te ao Mu­ni­cí­pio de Ki­lam­ba Ki­a­xi, na sequên­cia da úl­ti­ma di­vi­são po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­va.

A vi­da com­pli­ca-se quan­do cho­ve. Mo­ra­do­res aban­do­nam o bair­ro de­vi­do as inun­da­ções de mo­ra­di­as, por não ha­ver va­las de dre­na­gem. A pre­si­den­te da co­mis­são de mo­ra­do­res, Fi­lo­me­na Van-Dú­nem, dis­se ao Jor­nal de

An­go­la que o pro­ble­ma é do co­nhe­ci­men­to da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Vi­a­na. O Qui­ló­me­tro 9A tem 400 mil ha­bi­tan­tes e uma área de seis mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos. Há cer­ca de dois me­ses, na sequên­cia da chu­va que caiu em Vi­a­na, al­guns mo­ra­do­res fo­ram for­ça­dos pe­las inun­da­ções a aban­do­nar o bair­ro, fi­can­do em ca­sas de pa­ren­tes. Al­guns re­gres­sa­ram ao bair­ro 30 di­as de­pois, por não que­re­rem con­ti­nu­ar a ser um "far­do per­ma­nen­te" pa­ra os fa­mi­li­a­res que os aco­lhe­ram. Mais de 70 mo­ra­di­as fo­ram aban­do­na­das pe­los seus pro­pri­e­tá­ri­os.

"É sem­pre as­sim quan­do cho­ve", la­men­ta An­del­son Quin­tas, de 23 anos, 16 dos quais vi­vi­dos no Qui­ló­me­tro 9A. A épo­ca chu­vo­sa traz “um gran­de so­fri­men­to”aos mo­ra­do­res. As ru­as fi­cam to­das en­go­li­das pe­la água. A so­lu­ção pa­ra sair do bair­ro é o re­cur­so à uti­li­za­ção de bo­tas de chu­va ou de sa­cos de plás­ti­co, com os quais co­brem os pés.

“Mui­tas ca­sas con­ti­nu­am aban­do­na­das”, in­for­ma An­del­son Quin­tas, que dis­se ser um de­se­jo an­ti­go da po­pu­la­ção a cons­tru­ção de va­las de dre­na­gem pa­ra o es­co­a­men­to das águas plu­vi­ais.

Fi­lo­me­na Van-Dú­nem, mo­ra­do­ra do Qui­ló­me­tro 9A há 30 anos, dis­se acre­di­tar que, ha­ven­do va­las de dre­na­gem, o so­fri­men­to da po­pu­la­ção fi­ca­ria re­du­zi­do.

O tra­ba­lho de suc­ção da água ocu­pa a mai­or par­te do tem­po dos mo­ra­do­res, no in­te­ri­or de mo­ra­di­as e na via pú­bli­ca. À saí­da do bair­ro, é a gran­de di­fi­cul­da­de em ca­mi­nhar até à es­tra­da prin­ci­pal. No re­gres­so, a pre­o­cu­pa­ção man­tém-se.

Os mo­ra­do­res abor­da­dos pe­lo Jor­nal de An­go­la par­ti­lham a ideia de aber­tu­ra de uma va­la de dre­na­gem se­me­lhan­te à va­la do Ca­ri­an­go, exis­ten­te des­de o pe­río­do co­lo­ni­al.

As inun­da­ções são re­gis­ta­das anu­al­men­te e até ho­je não fo­ram en­con­tra­das so­lu­ções pa­ra o fim de um pro­ble­ma que cau­sa grandes cons­tran­gi­men­tos à po­pu­la­ção.

"O que fa­ço di­an­te de tan­to so­fri­men­to?", in­ter­ro­ga-se a mo­ra­do­ra Flo­rin­da An­tó­nio, pa­ra de­pois di­zer: "Nós, os po­bres, não te­mos pa­ra on­de ir nem di­nhei­ro pa­ra com­prar um ter­re­no num sí­tio com me­lho­res con­di­ções."

Flo­rin­da An­tó­nio de­se­ja, co­mo mui­tos ou­tros mo­ra­do­res, aban­do­nar o bair­ro, mas as dificuldades fi­nan­cei­ras por que pas­sa não lhe per­mi­te ar­ren­dar se­quer uma mo­ra­dia num ou­tro bair­ro do dis­tri­to ur­ba­no da Es­ta­la­gem, uma ideia já re­a­li­za­da por al­guns vi­zi­nhos.

O bair­ro Qui­ló­me­tro 9A fi­ca inun­da­do por­que a água plu­vi­al pro­ve­ni­en­te da área on­de se en­con­tra a Ca­deia de Vi­a­na não en­con­tra saí­da pa­ra con­ti­nu­ar o seu cur­so nor­mal. O bair­ro foi er­gui­do num ter­re­no pan­ta­no­so, o que au­men­ta ain­da mais o pro­ble­ma.

A fal­ta de sa­ne­a­men­to bá­si­co tem si­do fon­te de sur­gi­men­to de do­en­ças, prin­ci­pal­men­te na épo­ca das chu­vas, em cu­jo pe­río­do as cri­an­ças são pro­pen­sas à tra­qui­ni­ce. Um ri­a­cho re­sul­tan­te das inun­da­ções tem si­do uti­li­za­do por al­gu­mas cri­an­ças do bair­ro pa­ra to­ma­rem ba­nho co­mo se es­ti­ves­sem nu­ma praia flu­vi­al ou ma­rí­ti­ma.

In­ter­ven­ção pre­si­den­ci­al

A co­or­de­na­do­ra da Co­mis­são de Mo­ra­do­res afir­ma que, an­tes de 2014, as inun­da­ções não eram in­ten­sas e la­men­ta que o Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da te­nha so­lu­ci­o­na­do ape­nas o pro­ble­ma cau­sa­do pe­las chei­as da La­goa do Co­e­lho, uma ba­cia de re­ten­ção de águas plu­vi­ais, e dei­xa­do a po­pu­la­ção do Qui­ló­me­tro 9A em so­fri­men­to.

Fi­lo­me­na Van-Dú­nem dis­se ter si­do já en­ca­mi­nha­da uma pro­pos­ta à Ad­mi­nis­tra­ção do Mu­ni­cí­pio de Vi­a­na pa­ra a cons­tru­ção de uma va­la de dre­na­gem a par­tir da La­goa do Co­e­lho. “Até ho­je na­da foi fei­to, dei­xan­do mais de du­as mil fa­mí­li­as nu­ma si­tu­a­ção dra­má­ti­ca”, adi­an­ta Fi­lo­me­na Van-Dú­nem, que dis­se ter si­do tam­bém so­li­ci­ta­do, em car­ta, a in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, de­vi­do ao ris­co de vi­da que en­fren­tam mui­tas fa­mí­li­as quan­do cho­ve.

“Que­re­mos uma va­la idên­ti­ca à va­la do Ca­ri­an­go”, acen­tua a co­or­de­na­do­ra da co­mis­são de mo­ra­do­res do Qui­ló­me­tro 9A. A ad­mi­nis­tra­ção do dis­tri­to ur­ba­no da Es­ta­la­gem vai en­tre­gar à co­mis­são de mo­ra­do­res du­as mo­to­bom­bas pa­ra aju­dar na re­ti­ra­da das águas plu­vi­ais no pe­río­do chu­vo­so. O nú­me­ro de mo­to­bom­bas é in­su­fi­ci­en­te.

“Não vai re­sol­ver o pro­ble­ma do bair­ro", afir­ma Fi­lo­me­na Van-Dú­nem que, quan­do lhe foi per­gun­ta­do so­bre os apoi­os con­ce­di­dos pe­la ad­mi­nis­tra­ções dis­tri­tal e mu­ni­ci­pal, evi­tou fa­lar com o ar­gu­men­to de que “sem­pre que fa­lo em defesa da mi­nha co­mu­ni­da­de, fi­co pre­ju­di­ca­da por­que me in­ter­pre­tam mal".

Fi­lo­me­na Van-Dú­nem ga­ran­te que vai con­ti­nu­ar a de­fen­der a sua co­mu­ni­da­de por­que ela “so­fre mui­to no pe­río­do das chu­vas”. O Qui­lo­me­tro 9A co­me­ça na Rua dos Qu­ar­téis e vai até uma par­te do Ca­lem­ba 2, ocu­pan­do seis mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos.

AN­DRÉ DA COS­TA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

AN­DRÉ DA COS­TA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Mo­ra­do­res do Qui­ló­me­tro 9A que­rem ver me­lho­ra­do o sa­ne­a­men­to bá­si­co, um pro­ble­ma que po­dia ser so­lu­ci­o­na­do com a cons­tru­ção de va­las de dre­na­gem

AN­DRÉ DA COS­TA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Fi­lo­me­na Van-Dú­nem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.