Es­tra­das em pés­si­mas con­di­ções tra­vam es­co­a­men­to de co­lhei­tas

O mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas cons­ta­tou grandes quan­ti­da­des de pro­du­tos agrí­co­las de­te­ri­o­ra­dos por fal­ta de es­co­a­men­to na comuna do Lufico

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Vic­tor Maya­la / Mbanza Kongo

Os agri­cul­to­res da comuna do Lufico no mu­ni­cí­pio fron­tei­ri­ço do Nó­qui, pro­vín­cia do Zaire, ma­ni­fes­ta­ram-se pre­o­cu­pa­dos com a de­te­ri­o­ra­ção, to­dos os anos, de mi­lha­res de to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos, den­tre os quais fei­jão, gin­gu­ba, bom­bo, ba­ta­ta re­na e do­ce e hor­tí­co­las, de­vi­do a de­gra­da­ção da es­tra­da que di­fi­cul­ta o seu es­co­a­men­to pa­ra os grandes cen­tros de consumo.

Os ho­mens do cam­po apre­sen­ta­ram a pre­o­cu­pa­ção ao mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas, Manuel Tavares, que tra­ba­lhou no Zaire, du­ran­te al­guns di­as, com o pro­pó­si­to de ave­ri­guar o es­ta­do ac­tu­al das vi­as que li­gam Mbanza Kongo, ca­pi­tal pro­vin­ci­al, aos municípios fron­tei­ri­ços do Kuim­ba, Nó­qui e comuna de Ma­dim­ba (Mbanza Kongo).

De­pois de ter ou­vi­do aten­ta­men­te as re­cla­ma­ções dos ha­bi­tan­tes da comuna do Lufico, so­bre as pe­ri­pé­ci­as por que pas­sam no seu quo­ti­di­a­no, prin­ci­pal­men­te, no do­mí­nio das vi­as de co­mu­ni­ca­ção, o mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas, que se fez acom­pa­nhar do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, Jo­a­nes An­dré, re­al­çou a im­por­tân­cia da re­a­bi­li­ta­ção da via de aces­so àque­le pon­to central da pro­vín­cia, que li­ga tam­bém os municípios do Tom­bo­co, Nze­to, Soyo e as fron­tei­ras do Lu­vo e do Nó­qui.

“Em con­ver­sa com o se­nhor go­ver­na­dor, che­ga­mos a con­clu­são que es­te pon­to central da pro­vín­cia é mui­to im­por­tan­te, por­que li­ga Tom­bo­co, Soyo e as fron­tei­ras do Lu­vo, Nó­qui e Ma­dim­ba”, ex­pli­cou.

Pa­ra Manuel Tavares, en­quan­to de­cor­re o pro­ces­so de pro­gra­ma­ção dos pro­jec­tos a ní­vel do seu pe­lou­ro, ur­ge a ne­ces­si­da­de de se en­con­trar ou­tras so­lu­ções que pas­sam pe­la pre­pa­ra­ção da via atra­vés da cons­tru­ção de pas­sa­gens hi­dráu­li­cas e ter­ra­pla­na­gem, pa­ra de­pois re­ce­ber o ta­pe­te as­fál­ti­co.

“Le­va­mos da­qui boa no­ta da­qui­lo que são as po­ten­ci­a­li­da­des des­ta comuna e a re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das vai, cer­ta­men­te, aju­dar no es­co­a­men­to da pro­du­ção lo­cal”, re­fe­riu o mi­nis­tro, pa­ra quem as vi­si­tas que efec­tua nas di­fe­ren­tes re­giões do país, tra­du­zem a po­lí­ti­ca do Exe­cu­ti­vo, que é tra­ba­lhar com os mem­bros das co­mu­ni­da­des, pa­ra ou­vir de­las re­cla­ma­ções, su­ges­tões e re­ce­ber in­for­ma­ções so­bre as dis­tin­tas po­ten­ci­a­li­da­des que pos­su­em”, dis­se.

O so­ba do Lufico, Ban­da Marcelino, dis­se ao mi­nis­tro da Cons­tru­ção e Obras Pú­bli­cas que os cam­po­ne­ses con­si­de­ram a lo­ca­li­da­de co­mo po­ten­ci­al­men­te agrí­co­la e es­tão a fi­car agas­ta­dos, uma vez que pro­du­zem e não con­se­guem es­co­ar os seus pro­du­tos, aca­ban­do por se es­tra­ga­rem nas su­as ca­sas e nos cam­pos.

“Mui­tos aban­do­na­ram os cam­pos, por­que es­tão des­mo­ti­va­dos. Não faz sen­ti­do con­ti­nu­ar a cul­ti­var grandes quan­ti­da­des de pro­du­tos pa­ra de­pois se es­tra­ga­rem na la­vra”, as­se­ve­rou a au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal, que de­fen­deu a re­a­bi­li­ta­ção ur­gen­te da es­tra­da, pa­ra ala­van­car o seu de­sen­vol­vi­men­to só­cio-eco­nó­mi­co da re­gião.

“Di­fi­cil­men­te che­gam car­ros aqui, por­que a es­tra­da es­tá pés­si­ma”, re­ve­lou a mu­ní­ci­pe Ma­ria Si­ta João de 20 anos de ida­de, pa­ra acres­cen­tar que há ca­rên­cia de tu­do um pou­co, uma vez que ape­nas mo­to­ri­za­das fa­zem vi­a­gens de Lufico ao Tom­bo­co, num per­cur­so de 75 qui­ló­me­tros.

Es­tra­da Mbanza Kongo-Nó­qui

Cir­cu­lar no tro­ço ro­do­viá­rio en­tre Mbanza Kongo e o mu­ni­cí­pio fron­tei­ri­ço de Nó­qui é bas­tan­te do­lo­ro­so, si­tu­a­ção que po­de ser com­pa­ra­da a uma aven­tu­ra, a jul­gar pe­la si­nu­o­si­da­de do per­cur­so que os au­to­mo­bi­lis­tas são su­jei­tos a en­fren­tar, pa­ra al­can­çar a se­de mu­ni­ci­pal do Nó­qui. Da ci­da­de de Mbanza Kongo até ao rio Mpo­zo, li­nha di­vi­só­ria en­tre as du­as re­giões, an­da-se nu­ma es­tra­da as­fal­ta­da, mui­to em­bo­ra se ve­ri­fi­ca ain­da al­guns pon­tos não con­cluí­dos. Nou­tros pon­tos, o as­fal­to, sim­ples­men­te, fi­cou da­ni­fi­ca­do, por fal­ta de tra­ba­lhos de ma­nu­ten­ção atem­pa­dos.

É o ca­so do tro­ço en­tre as al­dei­as de Nku­an­za e Nko­ko, que se en­con­tra to­tal­men­te de­gra­da­do, uma si­tu­a­ção que ocor­reu pou­co tem­po de­pois de a es­tra­da ter si­do as­fal­ta­da pe­la cons­tru­to­ra Tec­no­vía An­go­la, em­pre­sa en­car­re­ga­da pe­la cons­tru­ção da es­tra­da Mbanza Kongo\Lu­vo, in­cluin­do a li­ga­ção ao pos­to fron­tei­ri­ço do Nó­qui, num to­tal de 172 qui­ló­me­tros.

A em­prei­ta­da in­clui tra­ba­lhos de aco­mo­da­ção de trá­fe­go, des­ma­ta­ção e aba­te de ár­vo­res, es­ca­va­ções e ater­ros, dre­na­gens, pa­vi­men­ta­ção e si­na­li­za­ção. A es­tru­tu­ra de pa­vi­men­to é cons­ti­tuí­da por ca­ma­da de sub-ba­se com 0,25 e 0,20 me­tros de es­pes­su­ra. A exe­cu­ção de pas­sa­gens hi­dráu­li­cas e tra­ba­lhos de dre­na­gem lon­gi­tu­di­nal en­con­tram-se par­ci­al­men­te con­cluí­das. Fal­tam 85 qui­ló­me­tros de pa­vi­men­ta­ção e res­pec­ti­va si­na­li­za­ção.

GRARCIA MAYATOKO|EDIÇÕES NO­VEM­BRO|MBANZA KONGO

GRARCIA MAYATOKO|EDIÇÕES NO­VEM­BRO|MBANZA KONGO

Ser­ra da Kan­da tem ao to­do 46 qui­ló­me­tros se­te dos quais com­pre­en­dem uma ele­va­ção ín­gre­me cu­ja al­ti­tu­de ron­da aos dois mil me­tros aci­ma do ní­vel do mar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.